Início » Brasil » Fnac fecha quase todas as lojas após ser adquirida pela Livraria Cultura

Fnac fecha quase todas as lojas após ser adquirida pela Livraria Cultura

Fnac fechou 11 de suas 12 lojas físicas no Brasil; rede foi adquirida pela Livraria Cultura há pouco mais de um ano

Felipe Ventura Por

A Fnac Brasil encerrou 11 de suas 12 lojas físicas no país. Isso inclui a unidade da Avenida Paulista, em São Paulo, que colocou na porta fechada um aviso sobre o fim de suas atividades. A loja online, no entanto, continua ativa. A rede foi adquirida pela Livraria Cultura há pouco mais de um ano.

Segundo o Valor, a Fnac fechou as lojas Morumbi (São Paulo), Pinheiros (São Paulo), Paulista (São Paulo), Parque Dom Pedro (Campinas), Park Shopping (Brasília), Barigui (Curitiba), BH Shopping (Belo Horizonte), Barra Shopping (Porto Alegre), Ribeirão Shopping (Ribeirão Preto) e Barra Shopping (Rio de Janeiro).

Foto por kikesan/Flickr

Fachada da Fnac Paulista em 2007 (Foto por kikesan/Flickr)

De fato, ao visitar a página “Nossas Lojas” da Fnac, você encontrará apenas a unidade de Goiânia. Enquanto isso, a Livraria Cultura conta com 17 lojas em Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

O que aconteceu? A Cultura está se concentrando nas vendas online da Fnac, focando em produtos eletrônicos de maior valor agregado. (Ela também adquiriu a Estante Virtual, que trabalha com livros usados.) O aluguel caro das lojas também foi levado em conta para fechá-las.

A francesa Fnac pagou R$ 130 milhões para a família Herz, da Cultura, assumir suas operações no Brasil após anos de prejuízos. Ela desembarcou no país em 1998 planejando uma grande expansão em sua primeira investida fora da França, o que nunca aconteceu.

Crise no mercado editorial afeta Livraria Cultura e Saraiva

A Cultura também não anda bem das pernas, afetada pela crise no mercado editorial. Ela e a Saraiva não podem mais vender e-books da Bookwire, principal distribuidora no Brasil, porque não pagam pelo catálogo desde janeiro. A Mythos, editora especializada em histórias em quadrinhos, também suspendeu o fornecimento para as duas varejistas.

O faturamento das editoras brasileiras despencou 22% entre 2014 e 2017, afetado pela crise econômica. A Saraiva domina 30% das vendas de livros no país, contra os 16% da Cultura/Fnac. Mesmo com grande participação de mercado, elas vêm suspendendo pagamentos e renegociando prazos junto aos fornecedores.

Comunicado da Fnac Paulista sobre fechamento da loja:

Fachada não tem mais a marca da Fnac:

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

harddica

Cuidado que assim como Fnac outras gigantes também podem fechar as portas se alta carga tributária continuar imperando no Brasil.

Muita gente torcendo o nariz e dando graças porque a Fnac fechou, só esquecem que nenhuma empresa sobrevive sem "lucros" uma vez que impostos abusivos consomem todo o lucro, e funcionários que só querem receber o salário no fim do mês além de ficar coçando o saco como que uma empresa vai sobreviver no Brasil.

Só pra constar a maioria das lojas virtuais no Brasil as mais conhecidas estão amargando anos de prejuízos, logo este sistema tributário do governo já passou da hora de ser revisto e remodelado, senão veremos outras gigantes como Fnac fechando suas portas e quem perde sou eu e você e economia num todo.

Abraços!
http://www.criarblogdozero....

Pra Rosie

Pena, sempre fico triste de ver coméricio fehando, são mais pessoas desempregadas. Lamentável, espero que esta herança petista acabe em breve. O Brasil precisa crescer e cuidar do povo é uma obrigação do próximo presidente.

Caleb Enyawbruce

Que bizarro, eu sempre fui nessa loja e só entrei/saí pela Paulista. Nem conhecia essa fachada, rs

Caleb Enyawbruce

Eu nunca comprei nada la, porque os preços sempre foram fora da realidade. Mas adorava ir pra ver produtos de perto, testar e participar dos eventos q tinha. Por isso lamento o fechamento. Achei que q a passagem para a Cultura significava a continuação das lojas físicas, mas não teve jeito. Nem contesto, pq com os preços que praticavam não tinha como mesmo ficar no mercado, já q vendiam muito pouco. Talvez se mudasse o foco pra lojas menores em pontos específicos de público de alta renda, mas mesmo assim acho difícil.

Sergio Lauro

Tudo muito caro, vai tarde.

Tiago Morais

Não vai fazer falta, como toda a galera diz, era uma loja só pra passeio e testes, era um dos varejos mais caros do Brasil.

Souzabsb

Com certeza o fechamento é prejuízo para o consumidor.
Mesmo que não vendesse barato, pressionava as outras a cobrirem seu preço.
Se todas as que vendem caro fecharem, as que vendem barato passarão a vender caro.
Eu gostava de ir lá, mesmo não comprando muitas coisas nas suas lojas.

Guilherme Kowalisk

Na matéria diz, no quinto parágrafo, que a FNAC pagou à Cultura para assistir suas operações no Brasil. Está certo isso?!

Keaton

Geladeira, lavadora, microondas e outros dessa linha.

Luiz AG

Da Alameda Santos. S. Carlos do Pinhal fica do outro lado da Paulista.

Luiz AG

linha branca?

Wellington Gabriel de Borba

Não tenho não, mas assim, a loja está com bem poucos produtos. Faz dó. Não queria que fosse assim, queria pelo menos uma outra coisa, como a Cultura no lugar.

Wellington Gabriel de Borba

Bem que poderia abrir uma livraria Cultura aqui e concorrer com o a Saraiva e a Leitura e Nobel, que correm por fora.

Julio Cesar Reis

Só uma correção: a fachada de trás fica na Alameda Santos e sim, é muito mais bonita!

Guilherme Andrade

Os poucos exemplos de investimento tem case de fracasso, então também não confio muito...

Exibir mais comentários