Início » Negócios Software » Microsoft licencia 60 mil patentes de graça para Linux e Android

Microsoft licencia 60 mil patentes de graça para Linux e Android

Microsoft se juntou à Open Invention Network (OIN) e cedeu 60 mil patentes para uso gratuito por Google, Red Hat e Canonical

Por
10/10/2018 às 18h17
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

A Microsoft está realmente comprometida com o código aberto. Ela se juntou à Open Invention Network (OIN), um consórcio de 2.650 empresas — incluindo Google, Red Hat e Canonical — e cedeu suas 60 mil patentes para uso livre e gratuito pelos membros. Isso abrange tecnologias como Android, Linux e OpenStack.

Microsoft ama Linux

É uma mudança notável. Há dez anos, a Microsoft travava uma guerra silenciosa contra o Linux usando patentes relacionadas ao kernel. (No fim, elas foram compradas pela OIN.) Ela também é conhecida por cobrar royalties de fabricantes de Android, recebendo cerca de US$ 2 bilhões por ano.

Keith Bergelt, CEO da OIN, diz ao ZDNet que o portfólio cedido pela empresa “é tudo que a Microsoft tem, e abrange tudo relacionado a tecnologias mais antigas de código aberto, como Android, Linux e OpenStack; e novas tecnologias como LF Energy e HyperLedger”.

Boa notícia para Linux, e para o Android?

Isso é uma boa notícia para o Linux. Erich Andersen, diretor de propriedade intelectual, explica em blog oficial: “não é nenhum segredo que houve atrito no passado entre a Microsoft e a comunidade open-source sobre a questão das patentes”. Ele afirma que este é o próximo passo lógico, e que a empresa está “firmemente comprometida com o Linux e outros softwares de código aberto”.

No entanto, Andersen não menciona o Android nenhuma vez. Algumas fabricantes que pagam royalties para a Microsoft, como LG e HTC, fazem parte da OIN e podem usar as patentes livremente. No entanto, isso não inclui empresas como a Samsung, que chegou a pagar US$ 1 bilhão por ano para licenciar tecnologias usadas nos dispositivos Galaxy.

Scott Guthrie, líder da divisão Nuvem e Inteligência Artificial, diz ao ZDNet que a Microsoft passou por uma “mudança filosófica fundamental”. Ele lembra: “viemos de uma posição em que não éramos amigos do código aberto”. Agora, o objetivo é proteger projetos open-source de ações judiciais envolvendo propriedade intelectual.

A Microsoft faz parte da Linux Foundation desde 2016. Ela desenvolveu uma distribuição própria do Linux, chamada Azure Sphere OS, focada em internet das coisas. E o Windows 10 permite instalar praticamente qualquer distro, incluindo Ubuntu, Debian, SUSE e Kali.

Com informações: ZDNet.