Início » Celular » Facebook libera fotos com efeito 3D no feed de notícias usando inteligência artificial

Facebook libera fotos com efeito 3D no feed de notícias usando inteligência artificial

Facebook cria foto 3D com as imagens capturadas pela câmera dupla do iPhone 7 Plus, 8 Plus, X ou XS

Por
48 semanas atrás

O Facebook quer tornar o feed de notícias um pouco mais interessante. O app para iOS agora usa fotos no modo retrato para criar imagens 3D. Isso vale para o iPhone 7 Plus, 8 Plus, iPhone X ou XS; mais celulares serão compatíveis no futuro. A “foto 3D” pode ser vista no computador ou em outros celulares.

Funciona assim: você abre o app no iOS, toca na nova opção “Foto 3D” no campo de status, seleciona uma foto em modo retrato, e ela será convertida para ganhar o efeito tridimensional. Isso estará disponível para todos os smartphones compatíveis nas próximas semanas.

A foto 3D pode ser visualizada em qualquer plataforma: no desktop, celular, até mesmo em headsets de realidade virtual como o Oculus Go e Oculus Rift. Você toca/clica na imagem, ou move a cabeça, para ver a profundidade da foto.

Facebook usa câmera dupla do iPhone para efeito paralaxe

Como explica o TechCrunch, a foto 3D é criada com as imagens capturadas pela câmera dupla do iPhone. Elas têm diferenças sutis que permitem recriar o que está atrás do objeto fotografado, gerando o efeito paralaxe.

Para obter os melhores resultados, o Facebook recomenda que você fotografe o objeto, pessoa ou animal a cerca de 1 m de distância. O algoritmo consegue separar melhor as camadas se o plano de fundo tiver cores distintas. Ele pode se confundir com objetos transparentes ou brilhantes, como vidro ou plástico.

O Facebook criou esse recurso pensando em democratizar a criação de conteúdo para realidade virtual. No entanto, ainda são poucos os que têm um headset. Por isso, a rede social decidiu implementar as fotos 3D para atrair usuários ao feed de notícias. Desde o ano passado, também é possível postar fotos de 360 graus.

Com informações: FacebookTechCrunch.

Mais sobre: