Início » Telecomunicações » Oi tem prejuízo de R$ 1,3 bilhão e planeja 4G com frequência de 2,1 GHz

Oi tem prejuízo de R$ 1,3 bilhão e planeja 4G com frequência de 2,1 GHz

Oi registra queda na receita de banda larga fixa e telefonia pré-paga; operadora vai usar frequência de 2,1 GHz para 4G e 4,5G

Lucas Braga Por

A Oi divulgou os resultados financeiros do terceiro trimestre de 2018 e continua sofrendo com os efeitos da recuperação judicial, registrando prejuízo líquido de R$ 1,3 bilhão e apresentando queda na receita. A operadora conseguiu crescer em TV por assinatura, mas teve perdas principalmente com banda larga fixa e telefonia móvel; ela espera que a expansão do 4G e fibra óptica possa evitar a queda no número de clientes.

Foto por Barbara Eckstein/Flickr

A receita líquida total foi de R$ 5,5 bilhões, número que é 8,3% menor em relação ao mesmo período no ano anterior. A operadora diz que a culpa é da variação cambial sobre investimentos no exterior; ela também teve despesas maiores de atualização das contingências e juros sobre outros passivos.

Os investimentos (Capex) no período foram de R$ 1,5 bilhão, registrando aumento de 12% em relação ao mesmo período do ano passado. A operadora antecipou o ciclo de investimentos para expandir a fibra óptica até a casa do cliente, e para ampliar a cobertura 4G e 4,5G.

Telefonia fixa, banda larga e TV paga

Quando se trata de serviços fixos, a Oi sofre principalmente com telefonia fixa e banda larga. A receita líquida de serviços residenciais foi de R$ 2,1 bilhão, um decréscimo de mais de 10% em relação ao ano anterior. Ela possui 15,1 milhões de unidades geradoras de receita, número 5,9% menor em relação ao ano anterior.

A operadora apresentou redução de 9,4% em clientes de telefone fixo; isso é normal, uma vez que o serviço está cada vez mais em desuso. No entanto, houve redução de 3,7% nos clientes de banda larga fixa: a Oi atribui isso à maior competição de provedores pequenos de internet que atuam em cidades menores, além das capitais.

Ela tenta frear as desconexões de duas formas. A primeira delas é estimulando o empacotamento de produtos, em que o cliente assina um combo com mais de um serviço com a mesma empresa. A segunda forma é expandindo o serviço de internet e TV por assinatura via fibra óptica, o que envolve grandes investimentos. A operadora pretende fechar o ano de 2018 com 1 milhão de residências home passed (cobertas por fibra).

O que segurou a receita de serviços fixos foi a TV por assinatura, que teve um crescimento anual de 9%. De acordo com a Anatel, a Oi é a única operadora entre as grandes que conseguiu crescer com TV. Ela não divulga o gasto médio individual para cada serviço, mas informa que a receita média com a Oi TV ficou estável em relação aos períodos anteriores.

O ARPU (gasto médio por usuário) de serviços residenciais foi de R$ 80,20, alta de 1% em relação ao trimestre passado impulsionada pela TV paga e planos convergentes. O número de clientes com mais de um produto da Oi em suas residências cresceu em 1,9%.

Telefonia móvel

Assim como nos serviços fixos, a Oi também registrou queda na telefonia móvel: a receita líquida caiu em 8,5% no ano, atingindo a cifra de R$ 1,8 bilhão. Ela atribui a redução aos cortes anuais das tarifas de interconexão (VU-M) e à menor receita de voz no pré-pago, que se correlaciona com a alta taxa de desemprego.

Ainda assim, houve crescimento no pós-pago de 7,8% em um ano. A operadora atribui a melhora à simplificação do portfólio e a maiores franquias de internet. No entanto, esse setor é impactado pela limitação de investimentos em redes 4G.

Ela fechou o trimestre com 38,5 milhões de unidades geradoras de receita, sendo 29 milhões de usuários do pré-pago e 7,5 milhões no pós. O ARPU de serviços móveis foi de R$ 16,10, mesmo valor que no ano passado.

Novas frequências no 4G

Das grandes operadoras, a Oi é quem tem a menor cobertura 4G: são apenas 839 municípios com o serviço, enquanto a líder (TIM) possui 3.196 cidades cobertas. Ela também não arrematou a licença para uso da frequência de 700 MHz, que possui maior penetração de sinal e é mais eficiente na hora de cobrir uma região.

No entanto, a Oi está lentamente trazendo novas frequências além dos tradicionais 2.600 MHz: ela já fez o refarming da faixa de 1,8 GHz em 22 cidades (a frequência é utilizada na rede 2G). Além disso, ela revelou que futuramente utilizará a faixa de 2,1 GHz, atualmente usada com 3G, para expansão de cobertura 4G e 4,5G.

Outra estratégia é firmar parceria de compartilhamento e roaming com operadoras concorrentes, que viabiliza a operação em cidades onde a Oi não possui cobertura sem altos investimentos. Ela vai compartilhar cobertura com a TIM em mais de 800 cidades.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Tonya Stewart

Hey❤ I wanna ċhαt with you😏
https://google.com/#btnI=ru...
My id @566451

Lucas Dantas

vdd minha mãe tinha uma celular da oi com quase 1 milhão de reais em bonus

Diógenes Toledo

KKKKKKKKKKKKKKKKKKK TUG STRONDA!!!

Lucas Fuzzer Sodre

A Oi só vai voltar a investir na rede fixa se o PLC 79, que converte as concessões de telefone fixo em autorizações, for aprovado. Se isso não for aprovado, em 2025, a Oi e a Vivo terão que devolver toda a rede fixa junto com todos os investimentos pra Telebras (a estatal do governo).

Lucas Fuzzer Sodre

A questão é que a Oi tomou calote da Portugal Telecom. Tem notícias sobre isso na internet.

gbitte

A oi tem 40 e tantos % controlado pelo estado.

Arnaldo Romão

A Oi parou no tempo, no centro do Rio a cobertura celular ė sofrível. Estou desistindo e fazendo portabilidade. Cansei

Daniele

Blablabla lula, blablabla brasil telecon, blablabla orelhão.
A oi quebrou por má gestão aliada a péssima falta de estratégia monetária. Uma bosta que possui uma hegemonia em toda uma região do país e ainda consegue falir, mas a culpa é dos outros e não da própria Oi.
Atualmente estou presa a essa porcaria pq a maldita derrubava as ligações da gvt não me permitindo a portabilidade. Nunca se preocupou em melhorar sua estrutura, em Salvador há 10 anos quando a GVT entrou a maior velocidade era 1mb e custava 150 reais para cima. Veio a Net com uma qualidade e preço imbatível levou meio mundo de gente. A oi hoje só sobrevive pq ainda não tem provedor pequeno com grana para cabear bairro pobre.
E se tiver um problema recorra a Anatel. Eu tenho páginas e mais páginas em dois usuários de tantos problemas. Mas a culpa é do Lula.

Vinicius Moraes

Não é a toa, né? É raro ver um assinante de Internet da Oi que está satisfeito. Não funciona. Aí, quando chega uma empresa pequena na região, toma todos os clientes.

DOUGLAS

O problema é que a oi não investe nos clientes que tem.onde eu moro só tenho acesso a 5megas e isso já rola a 10 anos e nunca se preocuparam e melhorar o serviço . Eu só não fui para outra operadora por falta de opção.

Miguel Drëse

Eu cancelei minha banda larga pq era uma merda que ficava caindo o tempo todo, além disso o modem tinha problema no roteamento de wi-fi e eles não queria trocar e disseram que só iam trocar de tivesse Queimado. Como que pode? Muitos conhecidos cancelaram a Banda larga por esse motivo.

Lairton Gomes

Tem, o de sonegar impostos hahaha

Lairton Gomes

o principal problema da interferência estatal são os incentivos errados. Essa situação do excesso da oferta de caminhões é um pepino pro bonoro resolver

Lairton Gomes

deviam vender para algum investidor chinês já que eles investem em qualquer porcaria mundo afora

Yago G. Oliveira

Hehe.. eu não disse essa parte.

Exibir mais comentários