Início » Brasil » Cartões de crédito terão que cobrar dólar do dia da compra internacional

Cartões de crédito terão que cobrar dólar do dia da compra internacional

Cartões de crédito no Brasil deverão cobrar taxa de câmbio vigente no dia da compra a partir de 2020, decide Banco Central

Felipe Ventura Por

Todo cartão de crédito no Brasil deverá cobrar, por padrão, a taxa de câmbio vigente no dia da compra. Isso será obrigatório a partir de 2020, após uma mudança de regras feita pelo Banco Central. Algumas instituições, como Caixa e Nubank, já calculam gastos internacionais dessa forma, em vez de considerar a taxa no dia do vencimento.

Foto por Steve Buissinne/Pixabay

“O que estamos instituindo agora é que a taxa terá de ser do dia que o cliente comprou“, explicou Ilan Goldfajn, presidente do BC, nesta quarta-feira (28). “Isso está se tornando obrigatório… vai levar um tempo para mudar o sistema do cartão de crédito dos bancos, mas depois vai começar a valer.”

A circular 3.918 do BC entra em vigor em 1º de março de 2020. Ela diz que todo cartão de crédito internacional emitido no Brasil deverá, por padrão, cobrar gastos em moeda estrangeira “pelo valor equivalente em reais na data de cada gasto”.

Com a nova norma, você poderá fazer uma compra e saber a taxa de câmbio que será cobrada na fatura. Isso torna mais previsíveis os gastos no exterior, evitando surpresas ruins se o dólar subir no dia do pagamento.

Além disso, toda fatura deverá apresentar as seguintes informações:

  • data e valor de cada gasto em moeda estrangeira;
  • valor equivalente em dólar dos EUA na data de cada gasto;
  • taxa de câmbio do dólar no mesmo dia;
  • valor em reais a ser pago pelo cliente.

O BC permite, desde o final de 2016, que o banco trave a cotação do dólar no dia da compra, em vez do fechamento da fatura. No entanto, são poucas as instituições que oferecem essa opção, como Caixa e Nubank.

Cliente terá opção de câmbio no vencimento da fatura

Os bancos ainda poderão usar a taxa do vencimento da fatura, mas isso será a exceção. Os clientes terão o poder de escolha e deverão “expressamente optar por aceitá-la” — não adianta esconder isso nos termos de um contrato, por exemplo.

Caso o cliente prefira ser cobrado pelo câmbio no vencimento da fatura, a fatura deverá conter os seguintes dados:

  • identificação da moeda;
  • a data e o valor de cada gasto na moeda em que foi realizado;
  • o valor equivalente em reais de cada gasto.

BC fará ranking com bancos que cobram caro pelo dólar

Tem mais: cada instituição financeira deverá publicar seu histórico de taxas de conversão. Dessa forma, o Banco Central poderá fazer um ranking com os bancos que cobram mais caro — ou mais barato — pelo dólar no cartão de crédito.

Em nota, o BC diz que a mudança padroniza “as informações sobre o histórico das taxas de conversão nas faturas”. Essas taxas “terão que ser divulgadas em formato de dados abertos, de forma que rankings possam ser estruturados e divulgados”.

Esse conjunto de regras valerá para cartões de crédito atuais e futuros. No entanto, como dissemos, a circular só entra em vigor em 2020. Isso dará tempo para todos os bancos se adaptarem alterando seus sistemas internos.

Com informações: Banco Central, G1.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

darkrotsutsuki

renatofrota more

Thiago Mocci

Eles podem suportar o custo sem quebrar. Só que obrigar, como regra de mercado, cria barreira pra novas empresas na área.

Dayman Novaes

Não é a prática que é ruim. O ruim é você ser obrigado a fazer isso, pois tem custos.

O Nubank pratica por uma estratégia de marketing e arca com os custos, porém se ele não tivesse condição de arcar com os custos, não faria.

Agora um banco não tem a opção, tendo condição ou não de arcar, é obrigado a fazer.

Caleb Enyawbruce

precisava de um prazo tao longo? rapaz... essa gente lucra bilhoes por décadas a fio, tem q ser mais rigido com eles

CtbaBr©

Faz tempo que o Brasil exporta muito mais que importa, é quase um "auto-embargo".
Mas isso só piorou tudo, afinal para se produzir algo aqui, precisamos importar muitas peças e insumos!

Gedson Junior

Se tem uma coisa que funciona nesse país é o BACEN. Já ouvi muita entrevista com gente de fintech e sempre houveram elogios. Espero que o novo presidente seja tão competente quanto o Ilan.

Gedson Junior

Sé é tão ruim pq CEF e Nubank já praticam?

Renato Frota

Então eu preciso de:

1. conta no Banco Atlântico
2. conta no Kraken
3. onde comprar bitcoins (e vou precisar de outras contas pra isso)

E os passos seriam:

1. comprar bitcoins (onde?)
2. transferir para a conta Kraken
3. mandar uma ordem de transferência de Euros para o B.A.
4. pedir o cartão de débito do B.A. para usar a grana que eu transferi

é isso?

tuneman

é, mas tem gente que insiste que o pessoal está torcendo contra....
no meu caso, eu sempre pude falar mal de qualquer presidente, mas agora corro o risco de ser reprimido ao desdenhar do Bozonaro.

Dayman Novaes

Exatamente o que eu ia comentar aqui, basicamente todo o tipo de regulamentação sempre vai favorecer as grandes empresas, e diminuir a quantidade de concorrência a longo prazo, pois aumenta a barreira de entrada.

O consumidor médio pode até achar bom, porque a curto prazo dá a sensação de melhora (consumidor comemorando que agora seu banco cobra o valor no dia da compra e não no dia da fatura), mas não percebe que a longo prazo será sempre pior.

João

Que rolê, é mais fácil sonegar a receita hahahaha.

João

Na verdade o dólar subiu por conta do Trump vs China.

LekyChan

mas o nubank já te cobra pelo dollar do dia da compra, para ele, nada muda.

tuneman

logo aparece alguém pra acusa-lo de "torcer contra"

grande_dino_2

Legal!
Vou dar uma olhada.
Por coincidência fui levar a documentação pra tirar um novo passaporte hoje.
Até chegar eu acho que consigo estudar o suficiente sobre esse banco.

Exibir mais comentários