Início » Brasil » Governo destina R$ 45 milhões para a criação e venda de games no Brasil

Governo destina R$ 45 milhões para a criação e venda de games no Brasil

O valor faz parte da nova política do MinC e a Ancine para a indústria brasileira de games

Victor Hugo Silva Por

O Ministério da Cultura (MinC) e a Agência Nacional do Cinema (Ancine) aproveitaram a UNLOCK CCXP, feira de negócios da Comic Con Experience, para apresentar a nova política do governo para o mercado brasileiro de games.

O programa prevê um investimento de R$ 45,25 milhões e será o primeiro a incluir projetos de realidade aumentada e realidade virtual. O valor terá dois destinos: R$ 35,25 milhões voltados para a produção e a comercialização de jogos eletrônicos e R$ 10 milhões para aceleradoras.

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, ao apresentar a nova política para o mercado de games

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, durante a UNLOCK CCXP (Foto: Ronaldo Caldas/MinC)

Dentro da categoria de produção de comercialização de jogos, o MinC e a Ancine abriram três editais. O primeiro deles foi chamado de "Produção – Seletivo" e destinará um total de R$ 16,75 milhões para projetos de três modalidades.

A modalidade A é voltada para projetos de até R$ 3 milhões cada e terá um investimento total de R$ 9 milhões. A modalidade B vai para projetos de até R$ 750 mil e chegará a um total de R$ 6,75 milhões. Já a modalidade C vai para projetos de acessibilidade com até R$ 500 mil e investirá, ao todo, R$ 1 milhão.

Ao menos 10% dos recursos das modalidades A e B irão para projetos de realidade virtual e realidade aumentada. O edital também prevê cotas regionais, com piso de 30% dos projetos nas regiões Norte, Nordeste ou Centro-Oeste, além de 10% na região Sul ou nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo.

O segundo edital foi batizado de "Produção – Fluxo Contínuo" e terá R$ 10,5 milhões para completar o investimento privado ou ampliar o escopo de games que já foram produzidos. Neste caso, cada projeto terá até R$ 1 milhão.

O último edital é o "Comercialização – Fluxo Contínuo". Com total de R$ 8 milhões, ele é destinado a empresas com jogos eletrônicos já concluídos ou em fase de finalização. O governo entrará até 50% do valor necessário para a comercialização do jogo.

As empresas devem comprovar que têm o valor restante e que possuem experiência própria ou um contrato de uma publisher brasileira com conhecimento na área de comercialização.

Já os R$ 10 milhões destinados às aceleradoras vêm do Plano Anual de Investimentos de 2017. O MinC lancará um edital para definir quem receberá o valor. As escolhidas deverão capacitar empresas que foram aprovadas no processo seletivo de um programa de aceleração.

Brasil tem a 3ª maior população de jogadores no mundo

Segundo o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o Brasil é o 13º maior produtor mundial de jogos eletrônicos e tem a terceira maior população de jogadores. "É essencial investir nesse promissor mercado, valorizando inclusive a diversidade de produção criativa brasileira, o que estamos fazendo ao promover cotas regionais nos editais", disse.

O diretor-presidente da Ancine, Christian de Castro, lembrou o fato da indústria brasileira de games crescer acima da média da economia. Para ele, isso indica um vigor do segmento, mas "sinaliza a necessidade de uma política pública estratégica, focada na inovação, no empreendedorismo, na internacionalização e na modelagem de negócios".

Com a nova política, a indústria brasileira de games terá uma linha de financiamento exclusiva, além dos programas na área do audiovisual, que já destinam a elas para do valor. A expectativa é que os novos editais façam o investimento no setor chegar a cerca de R$ 100 milhões.

Com informações: Ministério da Cultura.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

disqus_Dzwc9F0AYL

rodolfoalvesdeabreu 5++

Benício Pereira

Ideologia dos outros, né?

Não vou entrar nesse papo ideológico libertário.

Benício Pereira

Tu jura, né?

Não tem nenhuma dessa sua lista que se salve. Mesmo algumas das empresas de tecnologia obtém incentivos governamentais, ainda que seja sobre a renúncia fiscal. O resto...

Bruno Pereira

Como você pode corrigir o passado? Apenas temos que aprender com ele. Mas vejamos: Chevrolet, Dodge, GE, Ford, JP Morgan, Dupont, CargilL, Exxon, Opel, Space X, Nokia, Mercedes, BMW, Sony, Honda, Apple, Microsoft, Toyota. Apenas algumas empresas que nasceram sem incentivos governamentais.

Bruno Pereira

Quando o Estado "promove políticas de fomento econômico" ele gera nada mais que distorções no mercado. Veja bem: esses 45 milhões de reais vieram de pessoas e empresas que produziram riqueza e pagaram impostos para o Estado fazer quase o que bem entender. Sendo vantajoso ou não para a sociedade no longo prazo. Se grande parte desses impostos continuassem com quem de fato gerou riqueza, que sabe gerenciar muito melhor seu dinheiro do que burocratas que nunca tiveram um empresa na vida, esse dinheiro renderia muito mais, pois seriam aplicados de forma mais racional e planejada e não baseada em ideologias.

Dayman Novaes

Ok amigo, se você não consegue visualizar, então realmente não deve existir uma forma.

Mas valeu pela discussão, que continuemos buscando a verdade.

Uriel Dos Santos Souza

Ta cheio de pequenas empresas com jogos simples ai!
Já ajudou elas?

Uriel Dos Santos Souza

quantos jogos nacionais você conhece?
E quanto tem?

Uriel Dos Santos Souza

O tipo de game que o brasileiro gosta não é o tipo de game que a produção nacional pode produzir.

Investimentos de mais de 100 milhões de dólares!
Ou seja daria muito dinheiro para grandes produtoras. Mas as nossas continuariam em fundo de quintal

Quantos jogos nacionais você tem?

Uriel Dos Santos Souza

Não mudaria nada!
Alias mudaria. Muito mais gente comprando os games do momento com gráficos e hype lá em cima!

Dayman Novaes

O fato de ter evoluído ao longo da história, testado e pensado como o melhor para a sociedade, mesmo que seja anti-ético, justifica a existência?

De fato, o pão e circo evoluiu para o estado moderno. Hoje a gente percebe que pão e circo era pura manipulação e errado, mesmo que na época ninguém se dava conta, todo mundo acreditava "necessário" e o "melhor para a sociedade".

Espero que você possa ter um pouco de humildade para perceber que talvez exista outras possibilidades no mundo que você não tenha pensado. Eu também estou aberto, se tiver alguma referência que corrobore o que você falou, por favor me indique.

Por hora, além das que já indiquei, indico esse vídeo sobre leis privadas: https://www.youtube.com/wat...

Dayman Novaes

A principal característica da ditadura é um grupo ditar o que o outro faz. Claro que na democracia existem outras características que a diferencia das "verdadeiras" ditaduras que conhecemos, mas essa característica principal ainda existe. A maioria decide o que é certo, baseado num livro que é praticamente uma bíblia, que foi escrito por um pequeno número de pessoas, e que o próprio livro diz que você tem que seguir ele.

Se eu for contra o que a maioria decidir, eu vou ser multado, se resistir serei preso, se resistir serei morto. Não tem agressão?

E sobre utopia, essa palavra não faz sentido nesse contexto. Se você quis dizer "algo impossível de ser prático", primeiro: você não pode provar isso. Segundo: pesquise sobre sistema jurídico privado e veja propostas.

E a diferença de ancap pra ancom, é que ancom espera que o ser humano seja bom pra funcionar (igual estado), já a ética ancap surge da própria definição de ser humano, ou seja, é baseada no que o próprio ser humano é, não precisa ser diferente. Pra entender do que estou falando, veja a ética libertária de Hoppe.

Lord Cheetos

Só que esse dinheiro não vai estar lá sempre, e quando não houver mais subsídio boa parte dessas empresas vão quebrar, gerando novamente o desemprego, só que com uma diferença, vai haver muito profissional e pouco emprego, gerando a diminuição do salários.

O que essa medida faz é criar uma bolha, uma distorção no mercado futuro. A não ser que esse subsídio continue existindo para sempre, sustentando empresas com dinheiro público.

Benício Pereira

Posso sim...

Uma coisa não tem nada a ver com a outra.

RB

Acho interessante, mas antes de querer investir em títulos brasileiros, podíamos focar na quantidade de impostos que são taxados no preço dos consoles, jogos e peças para PC. Tem que consertar o cagado pra depois pensar em desenvolver; caso contrário, não consigo enxergar essa política de forma promissora.

Exibir mais comentários