Início » Brasil Cultura » Depois de incêndio, Museu Nacional ganha tour virtual no Google

Depois de incêndio, Museu Nacional ganha tour virtual no Google

Museu Nacional do Rio de Janeiro agora pode ser visitado virtualmente no Google Arts & Culture; imagens foram capturadas em 2017

Por
13/12/2018 às 12h11

Mesmo que seja reconstruído, o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, nunca mais será o mesmo, afinal, o incêndio que o atingiu em 2 de setembro acabou com a maior parte do seu acervo. Mas pelo menos é possível fazer um passeio virtual que mostra como o museu era antes da tragédia: agora, o local faz parte da plataforma Google Arts & Culture.

Museu Nacional

Não estamos falando de uma iniciativa recente. Lançada em 2011 com o nome Google Art Project, a plataforma foi criada justamente para permitir visitas virtuais a museus e galerias de arte de várias partes do mundo, bem como oferecer vasto material explicativo sobre as peças expostas. A tecnologia usada é a mesma empregada no Google Street View.

Várias instituições já fazem parte do projeto, entre elas, o Museu Van Gogh (Amsterdã), a Casa Batlló (Barcelona), o MoMA (Museu de Arte Moderna de Nova York) e o MASP (Museu de Arte de São Paulo).

A plataforma Google Arts & Culture é interessantíssima. Você pode descobrir detalhes sobre museus ou galerias que talvez nunca venha a conhecer pessoalmente ou obter mais informações sobre lugares já visitados, mas que, por qualquer que seja a razão, você não pode conferir como gostaria.

Mas isso é um tanto óbvio. O que chama atenção aqui é que o Museu Nacional colocou o Google Arts & Culture diante de uma situação inesperada. Os organizadores do projeto nunca imaginaram que a plataforma acabaria servindo para preservar a memória de um museu destruído.

Museu Nacional - tour virtual

O acordo entre Google e Museu Nacional foi fechado em 2016. As capturas de imagens em 360 graus foram realizadas ao longo de 2017. Chance Coughenour, gerente de preservação histórica do Google Arts & Culture, explica que todo o trabalho foi orientado por funcionários do museu, que indicaram quais partes deveriam ser incluídas no tour virtual.

Estima-se que 60% das áreas do Museu Nacional abertas à visitação pública tenham sido incluídas na plataforma. A visita virtual começa pelo jardim frontal do museu e, quando entra no prédio, destaca a exposição de Luzia, o fóssil mais antigo das Américas — e que foi parcialmente recuperado após o incêndio.

Foto por Tomaz Silva/Agência Brasil

Museu Nacional após o incêndio

A área de paleontologia, o meteorito do Bendegó, as coleções de zoologia, os artefatos africanos e o sarcófago de Sha-amun-en-su estão entre as várias outras exposições do Museu Nacional que podem ser conferidas no tour.

Além de imagens, a visita virtual tem narração. A página do Google Arts & Culture dedicada ao Museu Nacional disponibiliza ainda fotos e textos explicativos sobre diversos itens.

Não é a mesma coisa que conhecer o museu “ao vivo”, mas, diante das circunstâncias, é uma tremenda sorte que esse trabalho tenha sido realizado.

Com informações: UOL Tecnologia, O Globo.