Início » Antivírus e Segurança » Ameaças de bomba exigem bitcoin para evitar explosões nos EUA

Ameaças de bomba exigem bitcoin para evitar explosões nos EUA

Felizmente, polícias de várias cidades americanas não encontraram evidências dos explosivos

Victor Hugo Silva Por

Uma série de ameaças de bomba nos Estados Unidos afetou a rotina de empresas, escolas e hospitais nesta quinta-feira (13). Os locais precisaram ser evacuados após receberem e-mails que exigiam um pagamento de US$ 20 mil em bitcoin para evitar explosões.

Segundo o texto, as pessoas deveriam fazer uma transferência à carteira de bitcoin informada no e-mail. O endereço não era o mesmo em todas as mensagens e, possivelmente, essa estratégia foi adotada para facilitar o controle de quais pagamentos foram realizados.

Polícia de São Fransciso, na Califórnia, busca explosivos após ameça por e-mail (Foto: Reprodução/CBS)

Polícia de São Fransciso, na Califórnia, busca explosivos após ameça por e-mail (Foto: Reprodução/CBS)

As mensagens também tinham suas variações, mas a estrutura delas era parecida: um alerta sobre a presença da bomba, a exigência do pagamento e o endereço da carteira. Os e-mails ainda destacavam que as ameaças se tratavam de negócios e não de questões pessoais.

Não há informações sobre quantas pessoas receberam a ameaça, mas a situação levou a várias ligações para polícias na capital Washington, D.C. e em estados como Nova York, Califórnia, Oklahoma, Massachussets, Iowa e Carolina do Norte.

Em todas os locais, as autoridades não encontraram evidências de explosivos e classificaram os e-mails como falsas ameças de bomba. Cidades do Canadá e da Nova Zelândia também registraram ocorrências parecidas, embora não se confirme uma relação com o que ocorreu nos EUA.

"Permanecemos em contato com nossos parceiros de aplicação da lei para prestar assistência", disse o FBI (Federal Bureau of Investigation) em um comunicado. "Encorajamos o público a seguir atento e a relatar atividades suspeitas que possam representar uma ameaça à segurança pública".

https://twitter.com/0x736A/status/1073302647829082112

Com informações: The Verge, Ars Technica.

Mais sobre: