Início » Brasil Legislação » Temer assinará decreto que cria Plano Nacional de Internet das Coisas

Temer assinará decreto que cria Plano Nacional de Internet das Coisas

O documento que deverá ser assinado nesta quinta-feira (27) define diretrizes para acelerar o avanço da IoT no país

Por
27/12/2018 às 13h12

A poucos dias da mudança para o novo governo, o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) tenta garantir a assinatura de um decreto que estabelece o Plano Nacional de Internet das Coisas (IoT.BR).

O documento estava previsto para ser assinado pelo presidente Michel Temer na quarta-feira (26), mas ainda não foi publicado no Diário Oficial da União. Segundo o Valor, ele deverá ser assinado nesta quinta-feira (27).

O decreto define diretrizes para acelerar o avanço da Internet das Coisas no país e prioriza quatro áreas: saúde, cidades, rural e indústria. A primeira visa expandir os serviços como o monitoramento preventivo de pacientes.

Já a área de cidades pretende melhorar a gestão de serviços de mobilidade urbana e segurança pública, além de controlar recursos energéticos, hidrícos e resíduos sólidos. Para o setor rural e industrial, o principal objetivo é aumentar a produtividade.

Ainda para a indústria, o texto prevê esforços para integrar cadeias produtivas e criar novos modelos de negócio com itens de maior valor agregado. O MCTIC será responsável pela coordenação dos chamados projetos mobilizadores.

Isso envolve a administração de plataformas de inovação, centros de competência e um observatório nacional de Internet das Coisas. O ministério também deverá avaliar se o plano está sendo devidamente implementado.

Comandada desde maio de 2016 por Gilberto Kassab, a pasta passará em 1º de janeiro a Marcos Pontes, astronauta convidado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro. Ele assumirá o cargo após a atual equipe discutir o plano de Internet das Coisas por cerca de dois anos.

O governo estima que a Internet das Coisas movimentará entre US$ 50 bilhões e US$ 200 bilhões no Brasil até 2025. A diferença nos valores se deve a incertezas sobre definições jurídicas e tributárias, que podem estimular ou inibir seu crescimento.

Com informações: Valor.