Início » Carros Comportamento Mobile Negócios Segurança Telecom » 5 fatos que marcaram a tecnologia em 2018: muitos vazamentos, 4G, mobilidade e mais

5 fatos que marcaram a tecnologia em 2018: muitos vazamentos, 4G, mobilidade e mais

O ano foi repleto de vazamentos (muitos deles do Facebook), muita evolução em telecom e novas formas de se locomover

Por
28/12/2018 às 16h29
SpaceX - Foguete (Foto: Divulgação)

Eu costumo dizer que 2017 foi o ano do dinheiro na tecnologia. Falamos muito de bitcoin e a ascensão das fintechs nos cartões de crédito, investimentos e contas bancárias. Até o malware mais popular do ano tinha relação com grana: os ransomwares chacoalharam as empresas ao sequestrar arquivos e pedir resgate em criptomoedas. No mesmo caminho, talvez 2018 seja o ano da ética na tecnologia.

Neste ano, o Google se meteu em duas grandes questões. Ajudar ou não o governo a desenvolver tecnologias militares com inteligência artificial e computação em nuvem? Criar ou não uma versão censurada do buscador na China? O Facebook também não ficou atrás nas enrascadas: qual é o limite da exploração dos dados dos usuários? E o que fazer diante de tantos escândalos de privacidade e vazamento de informações?

É claro que também tivemos boas notícias: o Brasil finalmente tem uma lei de proteção de dados (eu nem acredito que estou escrevendo isto), a tecnologia 4G se expandiu a passos largos em todo o território nacional e descobrimos uma série de meios de transporte alternativos, deixando os automóveis em segundo plano. Confira a retrospectiva de 2018 na tecnologia!

Mais leis de proteção de dados, mais vazamentos em larga escala

Segurança / Privacidade / Câmeras de segurança (Foto: Pexels)

Privacidade foi um tema de contrastes em 2018. De um lado, entrou em vigor a Lei Geral de Proteção de Dados (GDPR) na União Europeia, definindo regras para o armazenamento e uso de informações pessoais. Mais tarde, foi sancionada no Brasil a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPDP), tomando emprestadas várias características da lei europeia. Ao mesmo tempo, eu não lembro de outro ano com tantos vazamentos.

2018 já começou tenso: no dia 3 de janeiro, foram reveladas as falhas Spectre e Meltdown, que afetam quase todos os processadores da Intel, AMD e ARM produzidos nos últimos 20 anos. As fabricantes de chips, placas e sistemas operacionais correram para lançar atualizações que mitigassem o problema (que também pode causar vazamentos). “Mitigassem”, porque não é possível corrigi-las totalmente por software.

Meltdown e Spectre

Depois, vimos uma sequência de vazamentos em todos os lugares. A Uber pagou US$ 148 milhões por ter encoberto a exposição de dados de 50 milhões de passageiros e 7 milhões de motoristas. A rede de hotéis Marriott protagonizou o segundo maior vazamento da história (só perdeu para o Yahoo), após permitir o acesso a um banco de dados de 500 milhões de hóspedes, inclusive com números de passaporte e cartão de crédito. E o Facebook? Tudo deu tão errado que ele merece um capítulo à parte.

Muitos vazamentos ocorreram no Brasil, com forte atuação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) para investigar os casos. A maior saga foi a do Banco Inter, que vazou dados de 19 mil correntistas. Inicialmente, o banco negou o vazamento e acusou a imprensa de espalhar notícias falsas sobre a instituição. À medida que outros fatos surgiram, como o vazamento da chave privada do site, o banco mudou o tom, dizendo que os dados vazados eram de “baixo impacto”. O processo encerrou com um acordo extrajudicial de R$ 1,5 milhão.

Banco Inter (Foto: Divulgação)

Não acabou. A Atlas Quantum, fintech brasileira de bitcoin, expôs o saldo, nome, e-mail e telefone de 264 mil clientes. A Stone, empresa mais conhecida pelas maquininhas de cartão, teve seu código-fonte vazado. A Uber foi investigada após um vazamento afetar 196 mil brasileiros. E a Netshoes passou por um dos maiores incidentes de segurança registrados no Brasil, após dados de 2 milhões de usuários, incluindo nome completo, e-mail, CPF e data de nascimento, terem sido expostos na internet.

Essas notícias devem se tornar mais frequentes no Brasil, uma vez que a LGPDP estabelece que as empresas serão obrigadas a reportar vazamentos às autoridades competentes em tempo hábil, sob pena de multa de até R$ 50 milhões. Até então, uma companhia podia simplesmente encobrir o incidente e abafar o caso. Estou olhando para você, app de táxi que vazou o cartão de crédito de um monte de brasileiros. 👀

O ano que deu errado para o Facebook

Mark Zuckerberg

O ano foi tão complicado para o Facebook que ele mereceu uma retrospectiva só com os problemas enfrentados. 2018 já começou com o escândalo Cambridge Analytica, que revelou que dados de 87 milhões de pessoas foram utilizados indevidamente para fins políticos. A rede social teve que fazer uma série de mudanças nas APIs para restringir o acesso aos dados por parte dos desenvolvedores, e Mark Zuckerberg precisou dar explicações pessoalmente ao Parlamento europeu e ao Congresso americano.

Embora o caso Cambridge Analytica seja o mais lembrado, o Facebook não se cansou de meter em escândalos de privacidade de dados. É mais fácil mostrar tudo em uma lista:

Facebook / Bootcamp
  • Em março, usuários descobriram que o Facebook guardou o histórico de ligações e as mensagens de texto de smartphones Android por anos. A empresa precisou mudar seus procedimentos de coleta de dados após o caso.
  • Em junho, foi revelado que uma falha fez os posts restritos de 14 milhões de pessoas se tornarem visíveis para qualquer um. O problema teria ocorrido por conta da criação de novos recursos que permitem destacar alguns conteúdos no perfil, segundo o Facebook.
  • Em julho, não houve vazamento propriamente dito, mas o Facebook sofreu ataques, principalmente de grupos de direita, por derrubar páginas que espalhavam fake news. 196 páginas e 87 perfis, muitos relacionados ao Movimento Brasil Livre (MBL), foram excluídos. Outras 68 páginas e 43 perfis de apoio ao presidente eleito Jair Bolsonaro também sumiram da rede social.
  • Em setembro, o Facebook deslogou 90 milhões de pessoas devido a um bug no recurso “Ver como”, que mostra como seu perfil é exibido para outras pessoas. O problema é que uma falha permitia roubar os tokens de acesso de qualquer um, abrindo brecha para um usuário se passasse por outro.
  • Em outubro, a empresa alertou 29 milhões de usuários, inclusive no Brasil, cujos dados foram acessados por hackers. Os invasores levaram nome, telefone, e-mail e até os termos de busca mais recentes das vítimas.
  • Em dezembro, fotos privadas de até 6,8 milhões de pessoas foram expostas devido a outro bug. Essas imagens incluem, por exemplo, aquelas que o usuário enviou mas não publicou — uma cópia desses arquivos é armazenada pelo Facebook por três dias.
  • Eu esqueci de algumas, com certeza teve mais.

Talvez o ano que vem seja melhor para o Facebook, embora nem tanto para Mark Zuckerberg: depois de tantos escândalos, ele está recebendo propostas pouco amigáveis de acionistas para deixar o conselho administrativo da empresa.

4G mais popular que nunca e início dos trabalhos no 5G

Antena / Torre celular / ERB

O setor de telecom foi um dos mais marcantes de 2018. Não houve grandes escândalos com a Anatel, nem implantação de novas tecnologias no Brasil, mas vimos a consolidação de algumas tendências que surgiram nos últimos anos.

Pouca gente imaginava que o 4G se tornaria tão popular ainda em 2018. Terminamos o ano com 4.302 municípios cobertos com LTE por ao menos uma operadora, o que representa 95% da população brasileira. Grande parte desse avanço se deve às ativações de rede com a frequência de 700 MHz, que possibilitou maior alcance de sinal com a mesma quantidade de torres. Quem não tinha 4G, passou a ter. Quem já tinha, passou a usar 4G com mais facilidade em ambientes internos. Aqui pega até no elevador.

5G (Foto: Ericsson)

O 5G também saiu do papel. Em países como Estados Unidos (vale um asterisco), Coreia do Sul e Austrália, as operadoras começaram a instalar seus novos equipamentos em 2018. O objetivo da próxima geração de redes móveis, que não é fornecer internet mais rápida no celular, é permitir o surgimento de novas aplicações, como a conexão de trilhões de dispositivos na era da internet das coisas e até a banda larga fixa de alta velocidade sem necessidade de a operadora gastar com fibra ótica até a casa do cliente.

Só que os brasileiros terão que esperar mais: Claro, Oi, TIM e Vivo já avisaram que o 5G vai demorar para chegar ao Brasil. A tecnologia é cara, exigindo mais gastos com infraestrutura, e não deverá ter rentabilidade suficiente para ser implementada no país nos primeiros anos. As operadoras dizem que só vão instalar o 5G inicialmente em pontos específicos, e a popularização deve acontecer apenas a partir de 2021.

Os problemas éticos e legais do Google

Foto por Zeyi Fan/Flickr

As gigantes de tecnologia precisaram lidar com questões éticas em 2018. O maior afetado foi o Google, que recebeu uma multa recorde de 4,3 bilhões de euros após ser acusado de monopólio: segundo a Comissão Europeia, a empresa forçou as fabricantes a incluírem sua busca e o navegador Chrome nos celulares em troca de uma licença da Play Store. Embora tenha recorrido da decisão, isso fez o Google repensar o licenciamento do Android, passando a cobrar uma taxa pela inclusão desses aplicativos.

Milhares de funcionários do Google também assinaram uma carta pedindo que a empresa deixasse de colaborar com o Pentágono no Projeto Maven, criado com o objetivo de encontrar formas de acelerar o uso da inteligência artificial em aplicações militares. Pelo menos 12 se demitiram. Diante da pressão, o Google anunciou que não vai renovar o contrato com o Pentágono, chamado de “negócio de guerra”.

China (Foto: Pexels)

A posição do Google não é a mesma de Jeff Bezos: segundo o CEO da Amazon, as empresas precisam trabalhar com o Departamento de Defesa, caso contrário “o país estará em apuros”. Para ele, “não faz nenhum sentido” a decisão do Google de não renovar o contrato e “um dos trabalhos da equipe de alta liderança é tomar a decisão correta, mesmo quando ela é impopular”. A Microsoft engrossou o coro, defendendo também o JEDI, projeto de nuvem para modernizar a infraestrutura do Pentágono.

Pensa que acabou para o Google? A empresa se meteu em outra polêmica que respingou no Congresso americano: ela estaria trabalhando no Projeto Dragonfly, que criaria uma versão censurada do buscador na China. A ferramenta de pesquisa seguiria obrigações determinadas pelo governo local, bloqueando conteúdos proibidos no país. O CEO Sundar Pichai se pronunciou, sem confirmar que o Google estava voltando ao mercado chinês, mas dizendo que a empresa seria capaz de “atender mais de 99% das buscas”.

Novas formas de mobilidade no Brasil e no mundo

Carros poluentes com motores de combustão interna sendo dirigidos por motoristas estressados no congestionamento são (ou deveriam ser) coisa do passado. E 2018 veio para mostrar que existem meios de transporte alternativos para se locomover nas cidades.

No Brasil, a cidade de São Paulo (e posteriormente outras ao redor do país) viram suas ruas sendo tomadas por bicicletas que podem ser deixadas em qualquer lugar. A Yellow foi a primeira a implantar o modelo dockless, sem estações fixas para guardar as amarelinhas compartilhadas, mas há outros concorrentes chegando: a chinesa Mobike também deverá desembarcar em breve por aqui.

Falta fôlego para pedalar? Tudo bem: já recebemos os primeiros serviços de compartilhamento de patinetes elétricos. Com autonomia de dezenas de quilômetros com uma única carga e velocidades de até 20 km/h, esses veículos que mais parecem brinquedos já se tornaram populares em outros lugares do mundo, particularmente na costa oeste dos Estados Unidos. Até a Uber resolveu entrar na jogada, tanto com bicicletas quanto com patinetes espalhados pelas cidades por meio da marca Jump.

Se as ruas e avenidas estão saturadas, já vimos que a solução é ir pelos ares… ou por baixo de tudo. O túnel da Boring Company foi finalizado em novembro, e será o primeiro de vários que interligarão as cidades americanas, transportando carros, bicicletas e pedestres em um trem elétrico a até 200 km/h. Mais do que um “metrô de automóveis”, a empresa de Elon Musk foi criada para pesquisar formas mais baratas e eficientes de escavação, tornando o negócio viável no futuro — para todo mundo.

E, para deixar um gostinho do que virá por aí, a SpaceX prometeu fazer voos intercontinentais com foguetes. Eu não costumo duvidar de empresas que conseguem lançar um foguete para o espaço e depois trazê-lo com segurança para a Terra, e a ideia é fazer uma viagem de Nova York até Paris em 30 minutos. Isso “definitivamente vai acontecer” na próxima década, de acordo com a SpaceX. E eu quero estar vivo para ver isso.

Tecnocast 104 – O melhor e o pior da tecnologia em 2018

Tecnocast 104

No último Tecnocast do ano, comentamos os principais destaques do mundo da tecnologia, selecionados pela equipe do TB. Dá o play e vem com a gente!