Início » Aplicativos e Software » Edge gasta menos bateria que Chrome e Firefox em novo teste da Microsoft

Edge gasta menos bateria que Chrome e Firefox em novo teste da Microsoft

Microsoft Edge consumiu menos energia que Chrome e Firefox em teste de bateria feito com atualização de outubro do Windows 10

Emerson Alecrim Por

Com a atualização de outubro de Windows 10, o Edge passou a impedir sites de tocarem vídeo automaticamente. Mas essa não é a única novidade: um teste conduzido pela Microsoft sugere que a otimização proporcionada pelo update fez o navegador consumir menos energia do que os rivais Chrome e Firefox.

Microsoft Edge

Quase que esse comparativo passou despercebido. A Microsoft faz testes do tipo há algum tempo, mas, por alguma razão, decidiu não dar grande atenção ao último, mesmo com o seu navegador apresentando os melhores resultados.

Mas o teste foi executado e, ainda que a companhia não tenha divulgado um vídeo mostrando o procedimento (como fez em ocasiões anteriores), os resultados foram publicados em uma página do Microsoft Edge no GitHub.

O comparativo foi feito em um Surface Book com processador Core i5-6300U de 2,4 GHz, GPU Intel HD Graphics 520, 8 GB de RAM e, obviamente, sistema operacional Windows 10 com a atualização de outubro.

Já o teste em si consistiu em fazer os navegadores executarem um vídeo em HTML5 via streaming. Entre várias outras configurações, o teste foi feito em tela cheia com brilho em 50%, volume no mudo, Bluetooth e sensores desativados, e Windows Update paralisado.

Em média, a bateria do Surface Book teve duração 24% maior no Edge em comparação com o Chrome e 94% maior em relação ao Firefox:

  • Microsoft Edge (versão 18): 16 horas de duração;
  • Google Chrome (69): quase 13 horas;
  • Mozilla Firefox (63): oito horas e 16 minutos.

Com o Edge em vantagem, por que a Microsoft não alardeou os resultados aos quatro ventos? Talvez seja pelo fato de que, apesar dos números positivos, a vantagem diminuiu em relação a testes anteriores.

Foto por Roberto Maldeno/Flickr

Em abril de 2017, por exemplo, o Edge registrou 35% mais autonomia do que o Chrome, embora tenha havido ganho na comparação com o teste de maio de 2018, quando o navegador da Microsoft obteve vantagem de apenas 14%.

Mas a explicação mais plausível pode ser simplesmente a recente decisão da Microsoft de migrar a base do Edge para o Chromium, a mesma que é usada no Chrome, como você deve saber.

Diante dessa circunstância, alardear o teste não faz muito sentido, afinal, os elementos que fizeram o Edge apresentar resultados favoráveis provavelmente já não serão os mesmos quando o navegador for modificado.

Com informações: Thurrott.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Frederico Martins

Quem é Edge? 😂

Felipe Fernandes

Eu tinha atualizado assim quando liberaram, acho que vou esperar mesmo.

johndoe1981

Pra mim é perda de tempo mudar o motor do Edge pro do Chromium, eu acho que ele já está bom do jeito que é. No Youtube em 1080p60, o consumo de CPU no meu notebook no Edge é bem menor que no Chrome. Só uso o Chrome por causa do ecossistema do Google, como integração com o Android, por que tirando isso, eu usaria o Edge mesmo.

johndoe1981

Baixa o Media Creation Tool, cria uma ISO e faz upgrade mantendo arquivos, simples.

Adriano Garcez

O Edge tem acesso ao Kernel. Assim fica fácil. Mesmo quando for baseado em Chromium, vai continuar gastando menos bateria por esse motivo.

Raylan

Claro, não tem nada lá.

Matheus Nicolas

Levando em conta que está se avaliando o consumo de energia utilizado na renderização do vídeo é não na reprodução du áudio que já é questão do driver e em testes de desempenho/consumo é sempre importante se certificar que nada mais está "forçando" o PC.

Matheus Nicolas

Mas aí depende mais de seu monitor não existe muito oque o Windows possa fazer se seu monitor tiver uma baixa concentração de pixels.

Danilo Azevedo

Amigo, só uma correção: o Firefox não suporta decodificação de vídeo na GPU no linux (como pode ser visto aqui). O que ele suporta é composição por hardware (hardware composition), e mesmo assim não é habilitado por padrão (como pode ser visto aqui).

Edson

"No teste da Microsoft, o navegador da Microsoft, no ambiente da Microsoft, com o hardware da Microsoft gasta menos energia do que o Firefox e o Chrome."
Nunca senti diferenças significativas nos meus testes. Neles, os resultados eram próximos aos da Opera, ainda que eu use e prefira o Firefox.

#SaveTheWeb hahahaha

ochateador

É por ondas.
E leva até 6 meses para estar disponível para todos.

Vinicius Andrade

Gasta menos mesmo já que ele nunca é aberto 😏

Felipe Fernandes

Então, quando saiu o update eu atualizei, mas com aqueles bugs (apagar arquivos e talz) eu preferi voltar pra versão anterior, mesmo não tendo sido afetado, e apareceu uma msg falando que ia esperar uma versão estável (algo assim), esperando desde então.

aa aa

Suporte pra decodificar vídeo por gpu, não é nenhum milagre o que o fork do IE faz, o Firefox no Linux suporta e diminui 30% de uso de CPU ao acessar o YouTube comparado com a aceleração desativada, e é óbvio que isso economiza muita bateria, por que não faz um teste rodando uma animação feita em html5 e vê qual dura mais, e tem que deixar o webgl ativado ou desativado nos três pro teste ser válido.

paulo yan

Eu só queria que o Edge e o Windows em si tivesse essas fontes bem definidas que a gente vê nas imagens promocionais. O anti-alising do Windows é péssimo.

Exibir mais comentários