Início » Celular » Royole FlexPai: eu mexi no primeiro smartphone com tela dobrável

Royole FlexPai: eu mexi no primeiro smartphone com tela dobrável

E ele só mostra que o conceito ainda precisa de muito trabalho para ficar bom

Paulo Higa Por

Direto de Las Vegas — Os gadgets flexíveis são a grande sensação da CES 2019. O Royole FlexPai é o primeiro celular com tela dobrável que você já pode comprar (se tiver bastante dinheiro) e chamou a atenção de muita gente aqui na feira, que lotou o estande de uma empresa até então desconhecida do grande público.

Ele foi apresentado inicialmente na China em outubro de 2018, já começou a ser vendido por preços entre US$ 1.300 e US$ 1.470 e só mostrou que essa ideia de smartphone dobrável ainda precisa de muito trabalho para ficar boa.

O Royole FlexPai é um smartphone e um tablet ao mesmo tempo. A ideia da fabricante chinesa é que você tem um celular com tamanho convencional para fazer chamadas telefônicas, mexer com uma mão só e guardar no bolso, mas também um dispositivo para consumir filmes, séries e games com um display bem maior que o dos aparelhos atuais.

Royole FlexPai
Royole FlexPai

Ele tem uma tela AMOLED de 7,8 polegadas com resolução de 1920x1440 pixels no modo expandido. Quando dobrado, o FlexPai se transforma em algo parecido com um celular potente, com processador Snapdragon 855, até 8 GB de RAM e até 256 GB de armazenamento, com possibilidade de expansão por microSD.

E aí começam os problemas: um tablet dobrado não tem o mesmo tamanho e nem o mesmo peso de um celular comum. Talvez dê para carregar o FlexPai no bolso do terno, mas não na calça, já que existe um vão no meio da dobra que deixa o aparelho bem espesso. Além disso, ele tem 320 gramas, então a sensação de mexer no produto é meio estranha: parece que eu estou segurando um celular e uma power bank ao mesmo tempo.

Não existe o conceito de câmera frontal ou traseira no FlexPai. Ele é equipado com uma câmera dupla com sensores de 16 e 20 megapixels que serve tanto para tirar fotos de paisagens quanto selfies — nesse último caso, você simplesmente desdobra o aparelho e a câmera “da frente” é ativada. Mas o software, baseado no Android 9.0 Pie, é bugado e dá umas engasgadas ao alternar entre os modos, o que prejudica bastante a experiência.

Royole FlexPai
Royole FlexPai

Por fim, tem o desafio da durabilidade. A Royole diz que a tela pode aguentar mais de 200 mil ciclos de dobra e desdobra, mas uma das amostras já tinha uma espécie de vinco bem no meio do display (e provavelmente não chegou nem perto de atingir esse número de ciclos). A vantagem de usar plástico em vez de vidro é que a tela não quebra quando cai no chão; a desvantagem é que talvez ela não retorne mais ao formato original.

Com todas essas questões a serem resolvidas e um design que parece uma daquelas sanfonas de ônibus biarticulado, o FlexPai é mais para mostrar do que a empresa é capaz de fazer do que efetivamente vender. Eu não gastaria meu dinheiro com isso agora — mas outras empresas grandes devem apresentar celulares dobráveis ao longo de 2019, incluindo Samsung, LG, Huawei e Xiaomi, então ainda temos tempo para ver o conceito sendo refinado.

Você compraria?

Royole FlexPai
Royole FlexPai
Royole FlexPai

Tecnocast 102 – Celulares dobráveis

Faz anos que falamos sobre eles, mas parece que agora vai: a Samsung apresentou pela primeira vez seu celular com tela dobrável. Ainda não há muitos detalhes, mas sabemos que ele será bem caro, poderá exibir muitas informações ao mesmo tempo e terá o apoio do Google, que está incluindo nativamente o suporte a telas dobráveis ao Android.

Mas será que essa tecnologia vai dar certo? O que é possível fazer com um celular dobrável? As pessoas estão interessadas em um dispositivo que reúne celular e tablet? E será que esse troço não vai dar pau de tanto dobrar e desdobrar? A gente discute tudo isso no Tecnocast. Dê o play!

Paulo Higa viajou para Las Vegas a convite da Intel.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gedson Junior
Se deixar dobrado e colocar em cima de uma mesa logo a tela de trás fica toda riscada. Show!
phsodre
Esse aí é o típico trabalho feito por fazer. Parece que o único intuito real, foi ganhar a corrida de quem foi o primeiro a apresentar, para ganhar alguma notoriedade. No fim tá todo mundo esperando mesmo é o da Samsung, que já adia há anos, na tentativa de trazer o melhor produto possível. Acredito que só a partir daí vamos ter uma ideia melhor do que pode ou não dar certo e se a tendência será seguida depois! E pra quem fala da usabilidade/necessidade... Pelo menos pra mim seria muito interessante, já que gosto de ler e-books e no celular por vezes pode cansar, já que me limito aos de 5'. Porém o conceito ainda está longe de ser "compacto". Isso ainda é um trabalho para o futuro. Mas é importante existir a possibilidade!
danielnbl
marmota
Jean Carlos
Pense numa inutilidade ter uma tela dobrável rsrsrs
Jhon
Mas é um protótipo. Estão vendendo só por marketing mesmo, é uma estratégia pra dizer que foram os primeiros e ganhar relevância na mídia.
danbrg
sobre o vinco, me pergunto se alguém não deu uma forçada pra testar o limite. Ainda assim não vejo atrativo. É uma daquelas coisas que não serve bem nem como celular nem como um notebook, como ocorre com o tablet. Para algumas pessoas vai ser útil mas a maioria não quer um trambolho desse.Além disso, tem a questão da durabilidade. Não é muito diferente desses celulares chineses que a câmera retrátil. Querendo ou não é frágil.
Robert Rey
Peguem todos esses protótipos horrendos e façam um Battle Royole!! heheeh ok, parei.
X-Tudãoᴳᴼᵀ
Quando sair o Flexfilho eu compro.
Franco Luiz
No proprio video o negocio é todo bugado meio estranho .... Sinceramente desse geito ai n vai pra frente
Gertrudes, a Lhama
Se tiver Pokémon eu compro
Arnold
é vdd, muitas empresas só querem pegar carona na onda, e apenas ser umas das primeiras a fazer e vender algo diferente nem que seja horrivel, mas se tem gente que vai comprar elas vão fazer kkk mas pelo lado bom estão fazendo algo diferente e isso já é bom, por que futuramente pode se tornar algo muito legal, mas enquanto é só uma ideia inicial que está sendo vendida bem cara por poucas funcionalidades mas que pelo menos começou a ser feita hehe de boas tbm não sou fanboy de nenhuma marca ou pessoa, sempre tento ser imparcial e enxergar varios lados :)
John Smith
Mas como eu disse: que pelo menos seja funcional, prático. Da maneira que esse aparelho está atualmente, ele fica horrível quando dobrado (espesso, com esse vão enorme e irregular) e não tem nenhuma aplicação prática para ser usado nesse formato, justamente pela inconveniência.Por exemplo, quando a Apple anunciou o iPhone, chutando o balde e criticando os telefones que à época possuíam teclado físico completo, apresentou um aparelho que não era perfeito, longe disso, mas era de fato funcional no que se propunha (melhorar a interação do usuário com o celular e tirar o teclado dali quando não fosse necessário) e trouxe algumas inovações. Ela mostrou que havia um problema que a maioria das pessoas nem perceberam e propôs algo que melhorasse isso.Esse negócio de tela dobrável por enquanto está sendo somente a invenção de uma solução pra um problema que ainda não existe. Ninguém tem necessidade de um produto desses atualmente.A questão é que as inovações em smartphones parecem ter estagnado, já que todo aparelho dos últimos anos é essencialmente igual ao outro em formato, e toda empresa quer ser aquela que revolucionou o mercado assim como a Apple fez.(não sou fanboy da Apple, apenas reconhecendo o papel dela nos nossos hábitos de hoje em relação à esses aparelhos).
Souza
Hoje eu aprendi "de novo" que devo passar longe disso.Licao revista licao aprendida.
Franco Luiz
Desnecessario
Arnold
hehe mas ai vai de quem quer comprar, que compre se quiser, eles querem ser uns dos primeiros a fazer e vender, e se tem gente que quer comprar pq não né, ai já é problema de qm compra, comprar um produto não acabado só pra ser uns dos primeiros... pode ser loucura, mas se a pessoa tem dinheiro, até eu compraria mesmo que fosse com falhas, só pra ser uns dos primeiros a ter ago que pode ser a revolução dos celulares futuramente..
John Smith
Pouco funcional é bondade sua. O problema é que já estão vendendo, a um preço exorbitante, um produto nada funcional e, como dito na matéria, com falhas. Deveria ser apresentado como um protótipo e nada mais.
Arnold
para um dos primeiros não está tão ruim, é claro que não está perfeito, mas pensem que isso é uma ideia, um conceito, do que virá futuramente, talvez não tenhamos tecnologia suficiente para deixar ele hoje perfeito para o usuario final, mas futuramente, pode ser a proxima revolução dos celulares, por que as pessoas pensam tão limitado em algo que é praticamente só um protótipo do que vira futuramente, de certo que o aparelho é pouco funcional atualmente, mas as fabricantes querem ser as primeiras a fazer para no futuro serem lembradas.... é claro que para vender realmente é bem zoado pelo preço, mas a empresa quer ser a uma das primeiras a fazer e vender, e se tem gente que compra pra tbm ser um dos primeiros a comprar... bom ai já é problema de quem compra né kk
John Smith
Tem maluco pra tudo, pra vender e pra comprar.
Henrique Queirós
Antes fosse um protótipo pelo menos
Henrique Queirós
Normal todas essas falhar pra algo que começou agora.Apesar de que celular dobrável para mim nem é um conceito legal ainda.
John Smith
Olha o trambolho que isso é, seja dobrado ou não. Se não for pra apresentar um produto minimamente interessante pro mercado, mantenha ele como protótipo. As pessoas querem algo prático e funcional, não um livro pra guardar no bolso.Eu pelo menos, quando falam em "smartphone dobrável", não aceito nada menos que algo como alguns conceitos do suposto Surface Phone, como esse:https://tekgenius.pt/wp-con...https://tekgenius.pt/wp-con...https://tekgenius.pt/wp-con...
Maurício Castro
Ó! Uma b****.
Trovalds
US$ 1.470 num aparelho que pelas fotos parece um protótipo?