Início » Negócios » Apple teria reduzido produção do iPhone em 10% para o primeiro trimestre

Apple teria reduzido produção do iPhone em 10% para o primeiro trimestre

Segundo site, a Apple revisou seu planejamento em dezembro, antes de atualizar a previsão de receita

Por
23 semanas atrás

A Apple fez há alguns dias um corte na previsão de receita para o primeiro trimestre de 2019, passando de US$ 89 bilhões para US$ 84 bilhões. Com a expectativa baixa, a empresa também teria determinado uma redução de cerca de 10% na produção do iPhone para o período.

Segundo o Nikkei Asian Review, a fabricante pediu pela segunda vez em dois meses que fornecedores diminuam a produção. A solicitação foi feita em dezembro, antes da previsão de receita ser atualizada e vale para modelos antigos e novos, incluindo iPhone XS, iPhone XS Max e iPhone XR.

Apple teria cortado produção do iPhone em 10%

A nova demanda varia de acordo com a fornecedora, mas a reportagem aponta que a quantidade de celulares produzidos entre janeiro e março ficará em torno de 40 milhões e 43 milhões. Anteriormente, a projeção era de 47 milhões a 48 milhões de unidades.

Caso os números sejam verdadeiros, a Apple estaria prevendo uma queda de, aproximadamente, 20% nas vendas em relação ao primeiro trimestre de 2018. Naquele período, a empresa vendeu 52,2 milhões de celulares.

Por decisão da companhia, não será possível saber o número oficial de iPhones vendidos entre janeiro e março de 2019. Em novembro, ela anunciou que deixaria de divulgar esses números

em seus balanços trimestrais.

A Apple afirma que decidiu tirar o dado dos relatórios por considerá-lo pouco representativo. A decisão, no entanto, pode estar relacionada a um ritmo menor de vendas especialmente na China, que tem registrado um de seus menores níveis de crescimento dos últimos anos.

Este foi um dos motivos apontados pelo CEO da Apple, Tim Cook, em carta a investidores. O executivo lembrou ainda que, nos países desenvolvidos, as pessoas estão trocando iPhones antigos por novos com menos frequência por conta da alta do dólar.