Início » Negócios » Mark Zuckerberg usa jornal para defender anúncios direcionados do Facebook

Mark Zuckerberg usa jornal para defender anúncios direcionados do Facebook

No Wall Street Journal, Zuckerberg lembrou que a publicidade é necessária para manter o Facebook gratuito

Victor Hugo Silva Por

Depois de um 2018 bastante turbulento, Mark Zuckerberg segue na tentativa de melhorar a imagem do Facebook. No início do ano, ele prometeu (de novo) consertar a plataforma. Agora, recorreu a um jornal para defender o modelo de anúncios direcionados.

Em um artigo publicado no Wall Street Journal e traduzido na Folha de S.Paulo, Zuckerberg voltou a argumentar que a publicidade é necessária para o Facebook seguir gratuito. “Acredito que todos devem ter voz e poder se conectar. Se estamos comprometidos em servir todos, precisamos de um serviço acessível a todos”.

Mark Zuckerberg

A decisão de publicar o texto no WSJ foi apontada como uma tentativa de Zuckerberg de se aproximar de investidores e políticos, dois grupos que costumam ler o jornal. Ao Business Insider, a porta-voz do Facebook, Elisabeth Diana, afirmou que não houve uma estratégia do tipo e destacou o fato do jornal ser lido em muitos países.

O executivo não chegou a citar controvérsias que surgiram em 2018, como o caso Cambridge Analytica, mas admitiu que o modelo de negócios pode parecer pouco transparente e causar desconfiança. Apesar disso, ele voltou a afirmar que o Facebook não transfere dados dos usuários para outras empresas.

“Não vendemos os dados das pessoas, mesmo que isso seja dito com frequência”, afirmou. Segundo ele, a prática contraria os interesses da empresa, que reduziria o valor de seu serviço para os anunciantes. “Temos um grande incentivo para proteger as informações das pessoas de serem acessadas por qualquer outra pessoa”, afirmou.

Ele também afirmou que os usuários têm o controle de como suas informações são usadas. “Você pode descobrir por que está vendo um anúncio e alterar suas preferências para ver anúncios pelos quais você se interessa”.

“Quando pedimos permissão às pessoas para usar suas informações para melhorar anúncios como parte do Regulamento Geral de Proteção de Dados da União Europeia, a grande maioria concordou porque prefere anúncios mais relevantes”, lembrou Zuckerberg.

Humanos e inteligência artificial não são perfeitos

O fundador do Facebook também tratou do tipo de informação que aparece no feed. Ele afirmou que a plataforma não permite que qualquer conteúdo “nocivo ou divisor” tenha engajamento e que está trabalhando em suas ferramentas de combate a fake news.

Segundo Zuckerberg, a rede social está quer evitar que esse tipo de informação seja exibida. “As pessoas nos dizem constantemente que não querem ver esse conteúdo. Os anunciantes não querem suas marcas próximos a ele”, afirmou.

“A única razão pela qual o conteúdo ruim permanece é porque as pessoas e os sistemas de inteligência artificial que usamos para revisá-lo não são perfeitos – não porque temos um incentivo para ignorá-lo”, continuou.

Regulamentação pode ser boa para todos

“Acredito que os princípios mais importantes em torno dos dados são transperência, escolha e controle”, disse Zuckerberg. Ele chegou a defender regras que dessem um poder maior de decisão aos usuários. “Uma regulamentação que codifica esses princípios na internet seria boa para todos”.

O executivo argumentou ainda que o modelo de publicidade traz uma série de benefícios e que é preciso evitar erros. “Há mais de 90 milhões de pequenas empresas no Facebook e elas compõem uma grande parte do nosso negócio. A maioria não tinha recursos para comprar anúncios de TV ou outdoors, mas agora elas têm acesso a ferramentas que antes somente grandes empresas poderiam usar”.

Com informações: Mashable.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Leonardo

Já estou livre da dependência desse Facebook a quase um ano, e nesse Fds comecei o meu desapego do Insta. Não estou sentindo falta :D

Diego Nascimento

Blah blah blah

MicCaptchA

Já aconteceu comigo, mesmo estando offline, assim que conectei na rede apareceu o anúncio...

Jacques

Tem época que direto vejo páginas clones da americanas/walmart da vida e até mesmo de bancos falando de cartões de crédito como o itau.

Já denunciei esses ads e tive a resposta que não encontraram nada de errado.

Agora vai falar de veado se referindo ao animal e é capaz de você tomar um ZUCC de 1 mês ou mais.

Comentário Mil Grau℗

Acho que nem o pessoal que joga jogueinhos do Facebook pagariam para acessar o Facebook. Sdds #Orkut.

JOSÉ AUGUSTO

Quem nunca conversou sobre comprar algo e quando abriu o celular aparece no Facebook anúncio patrocinado.

Paul

Já não quero de graça, imagina pago. Nem se fosse R$0,50 a assinatura mensal eu pagaria.

X-Tudãoᴳᴼᵀ

E os anúncios maliciosos que tem aos montes no Facebook e Instagram?

Azr

Se a pessoa pagasse ia ser muita burrice, já que eles já ganham vendendo dados dos usuários para outras empresas.

Daniel Alves Dias

Porém, convenhamos, para tudo tem um limite, existe um ponto onde o facebook sobrevive e lucra com algumas propagandas e outro ponto que é exagerar inimaginavelmente com tanta propaganda e venda de dados pessoais dos usuários.