Início » Jogos » PUBG Lite, de graça e mais leve, começa a ser testado

PUBG Lite, de graça e mais leve, começa a ser testado

Jogo segue a mesma premissa de PUBG Mobile Lite, que roda melhor em smartphones com menos RAM

André Fogaça Por
42 semanas atrás

A PUBG Corp, empresa responsável por PlayerUnkown's Battlegrounds, começou a fase de testes de uma versão diferente do jogo que mostrou ao mundo o estilo battle royale de game. Com nome de PUBG Lite, a variante precisa de menos hardware para rodar e terá o mesmo custo do PUBG para smartphones e tablets: zero.

PUBG nasceu como um projeto indie de game recheado de bugs, mas que mesmo assim conseguiu definir o estilo de jogo battle royale - onde todos os jogadores entram em uma arena, que vai diminuindo de tamanho e apenas um sairá vivo. O problema é que Fortnite bebeu da mesma fonte, corrigiu os problemas, inseriu novas mecânicas e roubou a cena, junto do dinheiro.

Para responder ao ataque, a PUBG Corp, desenvolvedora do game, criou uma versão Lite. Nela, você tem uma GeForce GTX 660 ou AMD Radeon HD 7870 como placa gráfica recomendada, junto de um Intel Core i5, 8 GB de RAM e 4 GB de espaço em HD. A configuração é quase que a mínima para rodar o PUBG original, só que com todos os gráficos no menor nível possível - quase no modo batata.

Indo para os requisitos mínimos para rodar a nova versão, é possível até mesmo utilizar uma placa integrada da Intel, a HD Graphics 4000 e deixar a compra da GPU dedicada para outro momento.

A maior diferença fica no espaço ocupado em disco, que é mais de sete vezes menor. Para a mágica acontecer, só há um mapa (Erangel) e apenas existem os modos de jogo em equipe de dois integrantes, quatro integrantes e o solo.

O jogo tem seu próprio time de desenvolvimento e ele será de graça, exatamente como acontece com o PUBG Mobile. Neste momento o teste é realizado apenas na Tailândia, mas em uma busca rápida no YouTube é possível encontrar diversos brasileiros encontrando meios para jogar por aqui mesmo.

Com informações: PUBG Corp.

Mais sobre: