Início » Brasil » Correios lançam Compra Fora para entregar produtos dos EUA no Brasil

Correios lançam Compra Fora para entregar produtos dos EUA no Brasil

Compra Fora Correios permite usar endereço nos EUA para compras online e oferece entrega no Brasil

Felipe Ventura Por

Os Correios estão oferecendo uma forma de comprar nos EUA com endereço local para entrega no Brasil. O serviço se chama Compra Fora e pode ser usado em lojas online como a Amazon. É possível criar uma conta gratuitamente, sem taxa de manutenção, e a empresa cuida do pagamento de impostos e outras burocracias — mediante um preço, é claro. Será que vale a pena?

Você pode obter uma estimativa de preço usando a calculadora do Compra Fora. Eu fiz o teste com um laptop gamer da Razer: ele custa US$ 1.870 na Amazon com frete grátis para os EUA, e tem entrega para o Brasil. Esses são os valores:

  • com a entrega internacional da Amazon, eu tenho que pagar cerca de US$ 3.711, ou o equivalente a R$ 13.982;
  • com a entrega pelo Compra Fora, eu pago impostos locais dos EUA e o laptop sai por US$ 2.000; levando isso em conta, o custo estimado com o envio para o Brasil é de R$ 12.307,83.

A diferença de preço será maior à medida que o valor do produto aumenta. Claro, nem sempre haverá a possibilidade de entrega para o Brasil — é essa a lacuna que o Compra Fora tentará preencher.

Como usar endereço dos EUA com Compra Fora

Funciona assim: você cria uma conta no Compra Fora usando suas credenciais do Facebook, Google ou idCorreios (cadastro próprio dos Correios). Você não paga nada por isso. Também não há qualquer custo de manutenção ou assinatura; só haverá cobrança ao utilizar o serviço.

Você receberá um endereço de entrega nos EUA com seu respectivo número de telefone. (No momento, há apenas uma opção em Miami.) Há também um número de suíte — igual ao seu CPF — para identificar que a encomenda é para você.

Então, basta informar esse endereço ao realizar uma compra na Amazon, Newegg, Best Buy, eBay, entre outras. Também é possível receber jornais, revistas e catálogos. O frete sairá bem mais barato que uma entrega direta para o Brasil — podendo ficar até de graça — mas você ainda terá que pagar impostos locais sobre venda.

Você não precisa avisar aos Correios que fez uma compra. Quando sua encomenda chegar até o endereço escolhido, com seu número de suíte, você será notificado via e-mail e através do site do Compra Fora.

Correios levam produto ao Brasil e entregam na sua casa

Então, será hora de pagar pelo despacho até o Brasil. Você pode escolher entre dois tipos de envio: standard (padrão) e express (mais rápido e mais caro).

O valor inclui manuseio do pacote nos EUA, frete aéreo para o Brasil, trâmites aduaneiros, impostos de importação e entrega no Brasil. Você terá até 15 dias corridos de armazenamento grátis para realizar o pagamento. Isso pode ser feito via cartão de crédito Visa, MasterCard, American Express, Diners Club International e Elo.

Depois que você pagar pelos serviços e impostos, o produto será enviado ao Brasil, passará pela Receita Federal e será entregue no seu endereço de escolha. Será possível rastrear seu pacote no site dos Correios. Não é necessário preencher a declaração aduaneira, pois o Compra Fora se encarrega disso.

No entanto, é possível haver cobranças adicionais: se a Receita decidir que sua encomenda tem um valor diferente do informado, você deverá realizar o pagamento extra de impostos para receber seu produto; o Compra Fora enviará as instruções para tanto.

Os Correios dizem no site do Compra Fora: “resolveremos o processo burocrático de entrada da encomenda no país para você!”. Imediatamente depois, há o seguinte aviso: “é atribuição exclusiva da Receita Federal e dos órgãos anuentes competentes analisar e autorizar a entrada de importações no Brasil”.

Em caso de extravio, os Correios pagam indenização em cima do valor da encomenda. Pacotes standard poderão ser indenizados em até R$ 3.000; no caso de pacotes express, são até R$ 10.000. “Eventuais impostos e serviços já pagos também poderão ser ressarcidos”, nota a estatal.

Compra Fora permite fazer junção de pacotes

É possível optar pela junção de pacotes. Basicamente, você recebe várias encomendas e pede para receber todas juntas no Brasil. Segundo os Correios, isso pode economizar até 50% nos custos de envio. No entanto, a junção é um serviço pago: você será informado do preço antes de confirmar o pedido.

Há algumas limitações: o comprimento, largura e altura não podem ser maiores que 105 cm; e a soma dessas dimensões não pode ultrapassar 200 cm. O peso máximo é de 30 kg. O limite de valor aduaneiro é US$ 3.000. É possível juntar, no máximo 5 encomendas.

O que você achou deste serviço dos Correios?

Calculadora de frete do Compra Fora Correios; acesse aqui.

Valor estimado de um laptop da Razer pelo Compra Fora Correios:

Valor estimado de um laptop da Razer pela entrega da Amazon:

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Mickão

Nem isso mais! Minhas contas de luz e água já são digitais.

Andre Santos

Não privatiza por um único propósito, vão perder a mamata do fundo de pensão dos correios, onde alguns políticos adoram mamar.

Rodolfo

Esse suite eu coloco em algum campo de CPF ou no endereço ?

dax bogo

E o ICMS? As simulações tão vindo sempre com o valor zerado.

Frederico Martins

Não vejo razão para julgar, muito menos ofender nem a vc nem a seus ancestrais, ao contrário, nem os conheço. E nisso concordamos 100%: não dá pra discutir com quem tem ideologia arraigada, essa turma dispensa argumentos e logo começa logo a dizer que quem pensa diferente participa de esquemas. É complicado mesmo debater com gente assim. Concordo contigo.

Frederico Martins

Nisso vc tem razão.

johndoe1981

O problema é que o contribuinte quem paga o pato pela má administração da estatal, somente isso. Se uma empresa privada tiver prejuízo, eu não tenho nada a ver com isso. Se são os Correios, o dinheiro pra cobrir o prejuízo causado pela má gestão e corrupção sai do seu bolso, do meu e de toda a população.

Sid

O problema é que essa discussão é ideológica e não racional. Eu penso no futuro do país e na melhoria geral, mas não dá para trocar informações e pensamentos com quem já tem uma ideologia arraigada em sua mente, pois qualquer argumento será combatido, inclusive com ofensas. Tenho certeza que se eu continuar a responder (e eu tenho bastante argumento para rebater tudo que você escreveu) você logo estará xingando meus ancestrais e me chamando de fascista, que é a tática adotada por quem segue essa ideologia. Por enquanto me chamou de raso, mas tenho certeza que vai subir o tom, e nesse caso estou prevendo o futuro sim porque é muito fácil. Então, melhor parar a discussão por aqui. Eu acho que tem que privatizar e você acha que tudo tem que ser estatal. Ninguém vai mudar de ideia. Então tenha uma boa semana e durma com os anjos.

Julian Leno

Eu quero, sou nem gado estatal

Maxwell Pereira

Sim, tem como repartir a carga, mas eu acho que o duro é garantir que todo o território seja coberto pelo serviço postal.

Frederico Martins

Igual aos correios. Não tem relação alguma com ser estatal, mas sim com a má administração,

Frederico Martins

Não precisa fazer parte de esquema algum, mas é uma pena que tenha um pensamento tão raso que só consiga ver duas opções. As teles realmente funcionaram muito bem, basta ver quem lidera as listas de reclamação. E nem de longe quero ser dono da verdade amigo, não como vc. Mas reitero: se o problema é cabide de empregos e outros esquemas, não é mais fácil acabar com isso? Ah e pra que se preocupar com saúde, educação e segurança? Vamos privatizar tb., assim resolvemos. Não dá certo? Põe uma cláusula contratual. Cara se houvesse respeito a contratos dessa monta até ficaria calado, mas sabemos que não há. Vale foi privatizada. E sobre a licitação, taí o 5G pra provar: ninguém nem apareceu. Falta de interesse? Não, só não querem ter gastos.

Marcos M.

Mas ainda assim tem opções, meu pai era empregado da Rede Ferroviária Federal, quando ela foi privatizada, ela se tornou umas 5 ou 6 empresas diferentes, cada uma administrando uma parte do trecho ferroviário.

Mas pensando nas questões de segurança nacional, e entrega de cartas no brasil todo, eu gosto da ideia de manter os correios como estatal, apenas quebrando o monopólio. Assim agrada a gregos e troianos.

Sid

Empresa estatal existe para dois propósitos. O primeiro é virar cabide de empregos, e o segundo é distribuir cargos de diretoria para que a empresa seja saqueada. Veja o que aconteceu com a postales. Os trabalhadores dos Correios não têm mais fundo de pensão.
Quanto às entregas nas pequenas cidades, é simples: basta colocar isso em cláusula contratual. Falavam disso para as telefônicas e colocaram a cláusula que obrigou a instalarem telefones até em aldeias indígenas. Funcionou muito bem.
Só vejo um motivo para alguém gostar de estatal. E o motivo é fazer parte de um dos dois esquemas que falei acima.
O governo deveria se preocupar somente com saúde, educação e segurança. O resto deixa com a iniciativa privada.
O que lhe dá certeza que nenhuma empresa vai querer manter agência em locais remotos? Coloca isso no contrato e vê se alguém entra no processo de licitação. Se não entrar, então você estará com a razão. Agora, querer prever o futuro e achar que é o único que sabe a verdade, não dá.

johndoe1981

Legal, um dia vou experimentar fazer uma compra e usar o serviço do Shopfan.

Exibir mais comentários