Início » Celular » Anatel quer acordo entre TIM, Vivo, Claro e Oi para roaming em cidades pequenas

Anatel quer acordo entre TIM, Vivo, Claro e Oi para roaming em cidades pequenas

Bastaria uma operadora ter cobertura na cidade para clientes das outras empresas conseguirem utilizar o celular

Lucas Braga Por

O Brasil é um país cheio de cidades pequenas, e a cobertura de celular pode ser um problema nos municípios menores: em vários deles há presença de apenas uma ou duas operadoras, deixando clientes das demais empresas sem acesso. A Anatel quer resolver esse problema através do roaming entre Claro, Oi, TIM e Vivo em locais com menos de 30 mil habitantes.

De acordo com o Teletime, as operadoras trabalham junto à Anatel para que todos os municípios com menos de 30 mil habitantes sejam contemplados com o roaming total. Dessa forma, clientes de uma determinada operadora poderiam usar serviço de voz e internet móvel onde isso atualmente não é possível.

Dos 4.500 municípios com população inferior a 30 mil habitantes, cerca de 3.072 não são atendidos ao mesmo tempo pelas quatro principais operadoras (Claro, Oi, TIM e Vivo).

Por enquanto, as operadoras utilizariam o roaming apenas nos municípios onde não possuem presença. No futuro, é possível que elas implementem o roaming em áreas de sombras ou estradas, onde uma operadora possui melhor presença dependendo da região.

Ainda não se sabe se haverá custos para utilizar uma rede parceira. Isso deverá ser determinado pelas operadoras de origem. TIM, Vivo, Oi e Claro também compartilham a infraestrutura em algumas cidades; nesse caso, o cliente não paga a mais pelo serviço.

Atualmente, a cobertura é algo estratégico das operadoras, considerado inclusive como diferencial pelos clientes na hora de escolher uma empresa de celular.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

disqus_v1GMqoMy09

Cara qual foi o benefício que essas agências reguladoras trouxeram?

Porto Velho

A matéria cita roaming, não compartilhamento.

Gedson Junior

Daí o cidadão tá louco no anarcocapitalismo...

555

Não é roaming. É compartilhar a infra estrutura.
Exemplo, Cidade A com uma antena da Vivo. Cidade B com uma antena da Tim.
Vivo e Tim querem fazer acordo, usar a antena existente pra cobrir a cidade com a rede da outra. Não pode. Anatel quer que cada uma instale sua própria antena, nem que seja uma do lado da outra.

Anatel começou a liberar esse tipo de compartilhamento na época da licitação do 4g. Elas poderiam compartilhar a rede para acelerar a cobertura (e cumprimento das metas) do 4g em 2600mhz.

Edi Sousa

Povo cheio dos mimimi's!

Porto Velho

Rondônia.

Porto Velho

Roaming? Isso existe desde que celular foi inventado. Não precisa de liberação nenhuma.

ial

O roaming "parcial" foi uma das exigências do leilão do 3G, que deu a cada operadora a obrigação de colocar sinal de celular e ser a única operadora em todas as cidades pequenas do Brasil. Agora me perguntem se funciona... Aqui a responsável é a Claro, a Vivo colocou seu sinal pouco depois, Tim e Oi, as atrasadas que nunca colocam sinal em canto nenhum são as coitadas que têm que viver na rede da Claro. Mas a realidade é que a o da Oi deixou de funcionar há anos e quando funcionava não enviava sequer um SMS. Já o da Tim briguei por 8 meses naquele site inútil da Anatel onde as operadoras respondem aos consumidores como bem entendem, sem nenhuma "regulação" da mesma, funcionou... Mas frequentemente para e normalmente não se consegue realizar nem ao menos receber chamadas. Em resumo: ilusão.

disqus_v1GMqoMy09

E as suas não explicam porque nosso sistema é tão ruim em relação ao mundo.

disqus_v1GMqoMy09

Agradeço a explicação técnica sobre a codificação do wifi, porém ela não explica o porque do sistema de celular ser tão ruim no Brasil. O mundo inteiro tem as mesmas características em codificação de frequências e eles tem uma rede que funciona bem. Portanto essa de que não é possível por saturação dos canais é explicação furada.

Felipe Silva

A frequência fica reservada para cada operadora, mesmo que ela não tilize no local, então se ela está ocupada na capital, ai também está ocupada, mesmo que sem uso.
Se hoje as grandes operadoras não veem vantagem de colocar uma antena na tua cidade, pq uma nova e pequena operadora começaria colocando antenas nas cidades pequenas, onde vai render mais dinheiro, colocar uma antena num bairro que cubra 50 mil pessoas ou numa pequena cidade que cubra 7500 pessoal? quer um exemplo, olha a cobertura 4g da nextel.

Felipe Silva

1. o wifi possui 13 canais parcialmente sobrepostos em 2,4 GHz
2. DUVIDO tu conseguir alcançar 100 mbps no wifi em uma grande cidade, no campo, sem nenhum wifi por perto tu alcança. Sabe pq isso, pq tu e teu vizinho usam a mesma frequência, se os 2 tentarem usar toda a velocidade ao mesmo tempo no mesmo canal, a internet dos 2 vai começar a "cair"
3. Se fosse tão simples sobrepor frequências, pq tiveram de mudar os canais de TV de lugar pra ligar o 4G, explica ai?

Felipe Silva

A rede americana de celular é uma das piores do mundo desenvolvido por conta dessa bagunça nas frequências, muitos modelos de celular funcionam na operadora A mas não na B e vice versa, é isso que tu quer pro brasil, trocar de celular toda vez que troca de operadora?

Alberto Prado

Sim. Eu trabalho com isso. As informações não se misturam, mas o sinal delas interferem entre si quando no mesmo canal. E é por essa razão que a wifi em prédios são péssimas ainda que esteja com sinal forte. Existe perda de pacotes e congestionamento "do meio", pois existe em média 8 AP/Router para os escassos 13 canais nesses casos. Isso é amplamente documentado.

E com a telefonia celular não é diferente. Com exceção que cada operadora tem sua frequência de operação distinta da outra, conforme oq foi rematado. As frequências disponíveis são limitadas e a maioria já foi leiloada. Mesmo que no município em questão não tenha uma (ou mais) determinada operadora, a frequência que ela arrematou não fica disponível pra outra utilizar.
www.teleco.com.br
Dá uma olhada aqui. Tem um conteúdo vasto de fácil entendimento.

Wellington Gabriel de Borba

Suas fontes não falam nada sobre as frequências e a quantidade de operadoras.

Exibir mais comentários