Início » Internet » Por que nem a Microsoft quer que você use o Internet Explorer

Por que nem a Microsoft quer que você use o Internet Explorer

Especialista explicou os perigos de usar do Internet Explorer como seu navegador padrão

Melissa Cruz Cossetti Por

Chris Jackson, especialista em segurança do Windows na Microsoft, descreveu em um artigo o que ele chama de "Perigos de usar do Internet Explorer como seu navegador padrão". Segundo o Statcounter, no mundo todo, menos de 3% usam o IE na máquina.

Para o usuário comum, acostumado ao Google Chrome (61%), Safari (15%) e Firefox (5%), não será nenhum problema. Várias empresas, porém, ainda dependem do Internet Explorer para sites mais antigos que não foram modernizados, o que Jackson chamou de "technical debt". Como resultado, usar o IE como padrão é a "solução".

Internet Explorer / Pexels

No Windows 10, que vem com o Microsoft Edge, o Internet Explorer 11 usa um Enterprise Mode para que os administradores de TI informem quais sites devem abrir no IE no Modo de Exibição de Compatibilidade. É útil porque, às vezes, os sites não têm a aparência esperada: imagens podem não aparecer, menus podem ficar fora de lugar e o texto todo embaralhado. Usuários domésticos também podem ativar a função.

Lançado em 1995, porém, o IE não deve ser o padrão no computador, mas a gambiarra.

“O Internet Explorer é uma solução de compatibilidade”, diz Jackson, e não um navegador que as empresas devem usar diariamente para atividade de navegação.

"Embora muitos sites funcionem bem, os desenvolvedores, em geral, não estão testando o Internet Explorer atualmente. Eles estão testando em navegadores modernos”.

Ainda de acordo com o especialista, se a Microsoft continuasse com a abordagem de trabalhar com compatibilidade, o time de TI acabaria em um cenário em que, ao otimizar o que tem, acabaria não podendo usar novos apps conforme são lançados.

Alguns sites que só abrem no modo compatibilidade são impostos pelo governo e você não pode fazer nada a respeito. Continuar usando o IE (ou desenvolvendo para ele), porém, levará a um dilema entre a facilidade e a perda de recursos em um browser incompatível com tudo mas que segue necessário (nos sites .gov, normalmente). 

Vale lembrar que o Microsoft Edge também não estava disponível no Windows 7 ou no Windows 8 (ou 8.1), complicando as coisas. Mas a Microsoft está trabalhando em uma versão do Microsoft Edge com Chromium, desvinculado do Windows 10 e as empresas poderão instalar no Windows 7 ou no Windows 8 (que ainda usam) quando necessário.

Com informações: StatCounter e Microsoft

Mais sobre: