Início » Web » Por que nem a Microsoft quer que você use o Internet Explorer

Por que nem a Microsoft quer que você use o Internet Explorer

Especialista explicou os perigos de usar do Internet Explorer como seu navegador padrão

Por
08/02/2019 às 16h58

Chris Jackson, especialista em segurança do Windows na Microsoft, descreveu em um artigo o que ele chama de “Perigos de usar do Internet Explorer como seu navegador padrão“. Segundo o Statcounter, no mundo todo, menos de 3% usam o IE na máquina.

Para o usuário comum, acostumado ao Google Chrome (61%), Safari (15%) e Firefox (5%), não será nenhum problema. Várias empresas, porém, ainda dependem do Internet Explorer para sites mais antigos que não foram modernizados, o que Jackson chamou de “technical debt”. Como resultado, usar o IE como padrão é a “solução”.

Internet Explorer / Pexels

No Windows 10, que vem com o Microsoft Edge, o Internet Explorer 11 usa um Enterprise Mode para que os administradores de TI informem quais sites devem abrir no IE no Modo de Exibição de Compatibilidade. É útil porque, às vezes, os sites não têm a aparência esperada: imagens podem não aparecer, menus podem ficar fora de lugar e o texto todo embaralhado. Usuários domésticos também podem ativar a função.

Lançado em 1995, porém, o IE não deve ser o padrão no computador, mas a gambiarra.

“O Internet Explorer é uma solução de compatibilidade”, diz Jackson, e não um navegador que as empresas devem usar diariamente para atividade de navegação.

“Embora muitos sites funcionem bem, os desenvolvedores, em geral, não estão testando o Internet Explorer atualmente. Eles estão testando em navegadores modernos”.

Ainda de acordo com o especialista, se a Microsoft continuasse com a abordagem de trabalhar com compatibilidade, o time de TI acabaria em um cenário em que, ao otimizar o que tem, acabaria não podendo usar novos apps conforme são lançados.

Alguns sites que só abrem no modo compatibilidade são impostos pelo governo e você não pode fazer nada a respeito. Continuar usando o IE (ou desenvolvendo para ele), porém, levará a um dilema entre a facilidade e a perda de recursos em um browser incompatível com tudo mas que segue necessário (nos sites .gov, normalmente). 

Vale lembrar que o Microsoft Edge também não estava disponível no Windows 7 ou no Windows 8 (ou 8.1), complicando as coisas. Mas a Microsoft está trabalhando em uma versão do Microsoft Edge com Chromium, desvinculado do Windows 10 e as empresas poderão instalar no Windows 7 ou no Windows 8 (que ainda usam) quando necessário.

Com informações: StatCounter e Microsoft

Mais sobre: