Início » Aplicativos e Software » Google Maps testa modo de realidade aumentada para rotas a pé

Google Maps testa modo de realidade aumentada para rotas a pé

O novo recurso do Google Maps usa a câmera do smartphone para indicar caminho correto

Por
35 semanas atrás

Ainda que seja um bom aliado na maior parte do tempo, o Google Maps nem sempre é claro ao indicar qual caminho seguir quando estamos caminhando. No início dos trajetos, principalmente, o ponto azul pode apontar para a direção errada e nos colocar mais longe do destino.

Para resolver o problema, o Google está desenvolvendo um modo de realidade aumentada no serviço. A opção, que já está sendo testada com alguns usuários, usa a câmera do celular para indicar a localização exata e apontar qual caminho seguir.

Google Maps testa modo de realidade aumentada para rotas a pé

Ela praticamente não altera a forma como usamos o Google Maps: basta pesquisar pelo destino e tocar no botão da realidade aumentada. Após habilitar a câmera, o aplicativo busca reconhecer elementos ao seu redor para começar o trajeto.

A análise é feita com a ajuda do GPS, que indica o endereço, e dos dados armazenados no Street View, que buscam informar seu ponto com mais precisão. Isso acontece em poucos segundos, até que setas tridimensionais apareçam na tela do aparelho.

Segundo o Google, o modo de realidade aumentada não será oferecido para motoristas e, mesmo para pedestres, não aparecerá a todo momento na tela. A ideia é que ele seja usado apenas para cruzamentos mais complexos e locais difíceis de se encontrar.

Depois de alguns instantes usando a câmera, o aplicativo pede que os usuários abaixem o smartphone e sigam o trajeto no modo convencional, em 2D. A medida serve para evitar acidentes e economizar a bateria do aparelho.

O modo de realidade aumentada do Google Maps ainda poderá passar por mudanças, como a forma de exibição das setas. O recurso será liberado em breve para os Guias Locais e só chegará ao restante dos usuários quando o Google entender que ele está pronto.

Com informações: Wall Street Journal, The Verge.

Mais sobre: ,