Início » Brasil » CNJ confirma vazamento de milhares de dados após invasão hacker

CNJ confirma vazamento de milhares de dados após invasão hacker

A ação contra o CNJ levou ao vazamento de dados como nome, CPF e números de contas bancárias

Por
25 semanas atrás

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) confirmou o ataque hacker realizado contra seus sistemas na segunda-feira (1º). A ação causou, segundo o Valor, o vazamento de milhares de dados como nome, CPF e números de contas bancárias.

Em comunicado, o CNJ informou ter acionado as autoridades e tomado medidas necessárias para “apurar os fatos e manter a segurança do Portal”. O órgão, que fiscaliza a atuação de membros do Judiciário como juízes e desembargadores, afirmou que dados processuais não foram vazados.

CNJ confirma vazamento de milhares de dados após invasão hacker

“Nenhum sistema de informações processuais, como o PJe (Processo Judicial Eletrônico), o BNMP (Banco Nacional de Monitoramento de Prisões) e o SEEU (Sistema Eletrônico de Execução Unificado), foi afetado”.

O DefCon-Lab, especializado em segurança cibernética, identificou mais de um vazamento no CNJ. Um ocorreu antes mesmo de 1º de abril, quando o conselho confirmou o ocorrido. “São quase 6 mil linhas de dados que incluem informações pessoais (números de contas bancárias, telefone, CPF, etc), além de credenciais de acesso a serviços mantidos pelo CNJ”, afirma o site.

Segundo Altieres Rohr, especialista em segurança do G1, o ataque envolve 94 bancos de dados do CNJ, que incluem informações de usuários e senhas do portal do conselho. As senhas estariam em formato hash, em que se exibem, à primeira vista, uma sequência aleatória de letras, números e símbolos.

A ação ocorre poucos dias após o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do CNJ, ministro Dias Toffoli, abrir um inquérito criminal para apurar ofensas contra integrantes do STF. A investigação busca supostas notícias falsas e ameaças que “atingem a honorabilidade do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares”.

Com informações: CNJ.

Mais sobre: ,