Início » Antivírus e Segurança » Clonagem de celular vira moda no Brasil e rouba até R$ 10 mil por vítima

Clonagem de celular vira moda no Brasil e rouba até R$ 10 mil por vítima

Investigação da Kaspersky revela que cinco mil chips no Brasil foram clonados por um grupo brasileiro de cibercriminosos

Lucas Lima Por
33 semanas atrás

Uma investigação conjunta da Kaspersky Lab com o CERT de Moçambique identificou mais de cinco mil vítimas de clonagem de chip no Brasil por um grupo brasileiro de cibercriminosos. Várias dessas fraudes chegam a gerar R$ 10 mil de prejuízo às vítimas.

O crime é feito pelo chamado SIM swap, uma forma legal de transferir um número de telefone de um chip a outro e que é feito pelas próprias operadoras. A fraude é realizada quando os criminosos entram em contato com as operadoras, se passando pelo cliente, e solicitam a transferência do número.

Antes disso, os criminosos coletam os dados das vítimas por meio de phishing, engenharia social, vazamentos de bancos de dados ou até mesmo a partir de empresas de marketing. Depois disso, ligam na operadora informando que precisam transferir o número para o novo chip. A vítima fica sem acesso à rede e o criminoso passa a receber as ligações e SMS no novo chip.

Há casos ainda de funcionários corruptos dentro da operadora venderem a troca aos criminosos ou de o próprio empregado ser vítima de phishing e ter suas senhas de acesso ao sistema comprometidos, o que facilita ainda mais o serviço dos fraudadores.

Com o chip da vítima invalidado e o do criminoso ativo, o acesso às contas de internet é simples: mesmo se ela tiver a autenticação em duas etapas, basta solicitar a recuperação de senha via código SMS e pronto. O próprio WhatsApp só precisa do número de telefone e um código recebido via SMS para ser configurado. Em alguns casos, dá até para baixar o backup da vítima e ver todas as conversas anteriores ao ataque.

Depois de se passarem pelo cliente da operadora e efetuarem a transferência do número, os criminosos se passam pelas próprias vítimas para amigos e familiares solicitando o dinheiro "emprestado".

“O interesse dos cibercriminosos nas fraudes de SIM swap é tão grande que alguns até vendem este serviço para outros criminosos. Os fraudadores atiram em todas as direções; os ataques podem ser direcionados ou não, mas qualquer pessoa pode ser vítima. Tudo o que o criminoso precisa é do número do celular", explica Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab e corresponsável pela pesquisa.

Em Moçambique, um golpe causou o prejuízo de 50 mil dólares a um empresário. No Brasil, o valor já chegou a ser de R$ 80 mil, de acordo com a Polícia Civil do Ceará, e afetou cerca de 20 políticos do país.

Autenticação em duas etapas

Google Authenticator

A autenticação em duas etapas é mais que necessária para todos os usuários da internet hoje. Ela garante uma camada a mais de segurança caso a senha do usuário seja descoberta. Para Assolini, extinguir a verificação em duas etapas via SMS é o melhor caminho a seguir.

"Isso é particularmente verdadeiro quando falamos de Internet Banking. Quando os serviços financeiros pararem de usar esse tipo de autenticação, os golpistas irão focar em outras coisas, como redes sociais, serviços de e-mail e mensageiros instantâneos para continuar roubando”, conclui Assolini.

A Kaspersky recomeda usar alternativas como o Google Authenticator, Authy ou 1Password para gerar códigos de verificação. O Google permite que você transforme seu Android em uma chave física, o que é mais seguro (já que é necessário tê-la fisicamente).

No exemplo do PayPal, que armazena cartões de crédito para compras online, é possível configurar um aplicativo para gerar os códigos de verificação, mas o serviço oferece a opção de autenticação via SMS como backup (!) em vez de fornecer códigos de backup que possam ser armazenados em um local seguro, como o Google faz.

É recomendado também ativar a autenticação em duas etapas no WhatsApp. Assim, um PIN de seis dígitos é solicitado em toda nova configuração do aplicativo.

A Kaspersky também recomenda que o usuário remova seu telefone de listas de aplicativos que identificam chamadas. A partir delas, os golpistas também podem encontrar seu número a partir do seu nome.

Fique atento: se perceber que ficou sem sinal da operadora — principalmente em uma área que você conhece e sabe que tem sinal — desconfie. Normalmente as operadoras enviam uma mensagem ao cliente informando que a transferência foi solicitada. Não garante a solução do problema, mas pode evitar danos maiores.

Mais sobre: , ,