Início » Celular » Samsung anuncia sensor para câmeras de celular com 64 megapixels

Samsung anuncia sensor para câmeras de celular com 64 megapixels

Voltamos à guerra dos megapixels: Samsung Isocell Bright GW1 promete fotos de 16 MP em baixa iluminação

Paulo Higa Por

A guerra dos megapixels voltou com força: os sensores de 48 megapixels estão se tornando comuns nos celulares, e agora teremos os de 64 megapixels. Essa resolução está no Isocell Bright GW1, anunciado pela Samsung nesta quinta-feira (9), que promete imagens “altamente detalhadas” para as novas câmeras de smartphones.

Samsung Galaxy A50

Na época do Nokia Lumia 1020 de 41 megapixels, em 2013 (!), expliquei por que pixels demais podem ser ruins: quando muitos megapixels são enfiados em um sensor de imagem, a interferência eletromagnética fica maior, o que aumenta o ruído. Além disso, diferente do que acontece nas telas, ter uma densidade de pixels maior em uma câmera tende a ser pior, já que o sensor pode captar menos luz.

Mas a Samsung diz que o Isocell Bright GW1 possui tecnologias de mesclagem de pixels que podem “produzir imagens claras de 16 megapixels em ambientes com baixa iluminação e fotos altamente detalhadas de 64 megapixels em situações mais claras”. Isso acontece graças ao que a empresa chama de Tetracell, que utiliza um algoritmo de remosaico para combinar quatro pixels em um.

Samsung Isocell GW1

De acordo com a Samsung, a tecnologia de isolamento de pixels (daí o nome Isocell) otimiza o desempenho especificamente para pixels de dimensões menores. Além disso, o GW1 suporta HDR em tempo real de até 100 dB — menos que os 120 dB de um olho humano, mas mais que os 60 dB de outros sensores. Assim, é possível tirar fotos com maior alcance dinâmico, sem estourar as áreas iluminadas ou esconder as de sombra.

O GW1 também possui otimizações para converter a luz em sinal elétrico de forma mais eficiente, e traz um foco automático por detecção de fase capaz de funcionar durante uma gravação de vídeo em Full HD a 480 quadros por segundo. Essas tecnologias também estão presentes em um irmão menor, o GM2, que possui resolução de 48 megapixels, também com pixels de 0,8 μm.

Tanto o GW1 quanto o GM2 já estão sendo testados pelas fabricantes e deverão entrar em produção em massa no segundo semestre de 2019. Bota mais pixel que tá pouco.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

phsodre

Eu acho que o maior erro nas criticas é pensar que os megapixels estão lá só pra aumentar resolução. Antes era exatamente isso e obviamente era por isso que não dava certo. Essa técnica de combinar 4 pixels em 1 já é conhecida a muito tempo, já teve um Smart (se não me engano, um Zenfone da Asus) que teve esse recurso anos atrás. Diferente dos chineses mais baratos, que interpolavam um sensor de 8mp para gerar imagens de 13mp, essa técnica faz o contrário. Baixa a quantidade de pixel combinando 4, mas garante maior entrada de luz por pixel, já que combinados eles são maiores. Até o momento isso tem se mostrado bem interesse em questão de resultados. Pelo menos os que já vi. Se eles conseguirem em um sensor tão pequeno, colocar mais pixel sem sofrer muita interferência, não vejo porque não!

Avatar

drogado* usaashuauahuhuasuh

uB.

Foi mal pelo vacilo, é q hj acordei meio gribado. :)

uB.

Oops. Hahaha!

Leonardo Rocha Dias

Google: você quis dizer MP?

Jairo ☠️

Em breve©

Maxnoob

Num futuro distante...

marcus

Será que algum dia os MB das câmeras vão alcançar os MB dos cartões de memória?

Maxnoob

Pelo menos com uma câmera dessas vai dar pra rodar mais apps ao mesmo tempo...

uB.

Acredito que esta pesquisa pra aumentar os MB é mais pra ter um marketing mais agressivo. Infelizmente smartphone com câmera de 64MP vende mais do que smartphone com câmera de 16MP.

Aí eles inventam desculpas pra tentar justificar (e vender) a tecnologia.

Igual tela com densidade de pixel muito alta, aumentaram isto pra colocar no marketing "tela 4K", mas isto é tão inútil numa tela de 6" (pelo contrário, é prejudicial, já q consome mais processamento e bateria) que boa parte dos smartphones de 2019 possuem densidade de pixel inferior aos seus respectivos modelos de 2018.