Início » Negócios » Facebook rebate cofundador e diz que não precisa ser dividido

Facebook rebate cofundador e diz que não precisa ser dividido

Chris Hughes diz que Facebook precisa ser dividido para diminuir poder de Mark Zuckerberg

Emerson Alecrim Por

Chris Hughes é cofundador do Facebook e, em um editorial recente, defendeu a divisão da companhia para evitar que Mark Zuckerberg continue tendo "poder descontrolado". O Facebook não demorou a responder: a empresa diz ser muito bem-sucedida para ser dividida.

Facebook

O editorial assinado por Chris Hughes foi publicado no New York Times nesta semana. Com o texto, ele tenta chamar atenção das autoridades reguladoras dos Estados Unidos para o que entende ser uma necessidade de dividir o Facebook, processo que faria serviços como Instagram e WhatsApp se tornarem empresas independentes.

Um dos argumentos de Hughes para defender essa ideia é a de que, com essas aquisições, o Facebook se transformou em uma empresa muito poderosa, a ponto de limitar a concorrência e a inovação no setor, bem como causar efeitos nocivos às democracias e à privacidade dos usuários.

Coube a Nick Clegg, vice-presidente de relações internacionais do Facebook, responder. Em nota, o executivo disse que "o Facebook reconhece que, com o sucesso, vem a responsabilidade, mas que você não pode impor essa responsabilidade clamando pela dissolução de uma companhia americana de sucesso".

Ainda de acordo com Clegg, "a responsabilidade das empresas de tecnologia só pode ser alcançada por meio da implementação meticulosa de novas regras para a internet".

Chris Hughes

Chris Hughes

O executivo se refere ao artigo de Mark Zuckerberg publicado em março no Washington Post. Nele, o CEO do Facebook defende mais regulação para a internet em áreas como eleições e privacidade. Clegg diz que Zuckerberg tem se reunido com integrantes do governo nesta semana justamente para tratar desses assuntos.

Mas esse é um ponto que Chris Hughes também abordou em seu texto: para ele, o que Zuckerberg está tentando fazer é evitar que o Facebook venha a sofrer um processo antitruste.

Hughes foi colega de quarto de Zuckerberg em Harvard e ajudou a fundar o Facebook. Ele cuidou dos departamentos de marketing e comunicação nos primeiros anos da empresa, e permaneceu no negócio até 2007.

Dividir o Facebook não é uma ideia defendida só por Hughes. Em março, a senadora democrata Elizabeth Warren publicou um artigo em que propõe que não só o Facebook, mas também a Amazon e o Google sejam desmembrados em negócios menores para favorecer a inovação no setor de tecnologia.

Com informações: CNET, The Verge.

Mais sobre: ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Dayman Novaes
Sim, todos os países.Mas primeiro entenda que evidências empíricas podem ser enganosas... é mais importante entender a teoria, e encontrar alguma falha na teoria, do que tentar encontrar alguma falha empírica. Se a teoria conter alguma falha, então a prática conterá também.Dito isso,Ditaduras são mais incomuns hoje do que antigamente não é por coincidência, é simplesmente porque são menos eficientes, por serem mais centralizadas.Impérios enormes como o de Roma e de Genghis Khan, com vários povos sob uma mesma lei e imposição cultural também caíram pelo mesmo motivo.Socialismo também sempre falha economicamente, não é por coincidência e nem porque foi liderado por "pessoas corruptas", mas por uma falha na teoria: centralização e congelamento de preços causa descoordenamento econômico.Uma referência mais teórica, é o Calculo Econômico no Socialismo, de Mises, que explica porque e como a centralização de preços causa ineficiência.
Antony
Desculpe, não vejo fumar erva como uma ofensa, apenas como indicador de viagem. Voltando ao assunto, sobre o Brexit, basicamente ainda é um plano que é uma interrogação, e abusou da desinformação pra chegar onde está (mais ou menos como nossas últimas eleições). Entendo que há indícios que possam sustentar essa ideia, porém afirmar que a tendência é de governos irem se desfazendo, isso é baseado em quê? Temos algum país/território que já está a caminho disso?
Gragas
Na verdade até mesmo antes dos EUA aderirem à social democracia, já houve casos de desmembramento de empresas. A standard oil,dos Rockfeller,foi obrigada a se dividir em várias no começo do século XX,na teoria... Na prática a família Rockfeller continuou controlando elas,ou seja,adiantou nada no passado e não vai adiantar nada no futuro. E os EUA não são estado mínimo faz décadas.
Ronaldo Cesar
Sim, lá nos EUA o estado é minimo e o governo não pode criar leis ordenando que Facebook seja desmembrado, se fosse aqui no Brasil isso séria possível.
Gragas
Bom,supondo que os EUA consigam fazer isso,o que acho difícil,hoje são as empresas que mandam no governo e não o contrário,seria uma papelada tão grande e uma manobra contábil tão imensa que talvez nem compense o esforço,para no final a empresa ser controlada indiretamente por laranjas,o que toda empresa faz(algumas com razão,para fugir de impostos imorais e regulações ridículas),afinal o zuckerberg não vai abrir mão do império.
Dayman Novaes
Calma amigo, sabe discutir ideias contrárias sem ofender o outro não?Bom, respondendo sua pergunta,Há um movimento nas duas direções: o da centralização e o da descentralização. É como se ambos "competissem" ente si. No final, há uma proporção ótima entre ambos, que tende a se estabilizar, assim como toda teoria evolutiva (no vaso da seleção natural, há a proporção ótima de mutações genéticas por reprodução celular).É evidente que a proporção ótima não é em nenhum dos extremos. Centralização total seria um governo mundial controlado por uma única pessoa. Descentralização total seria entropia e análogo à morte térmica.Mas governos estão bem (beeeem) longe da estabilidade ótima e portanto a tendência é eles irem se desfazendo.Sobre evidências tenho duas coisas a dizer. A primeira é que você precisa ter uma base epistêmica muito sólida pra basear julgamentos em "evidências empíricas", se não corre o risco de cometer um tanto de falácia de correlação e causalidade.E segundo, há evidências apontando o contrário do que você disse. Apenas de uma discussão baseada em dados empíricos ser pouco proveitosa, tem o Brexit, tem o dado do ToxicBR aí pra cima, e tem o aumento de empresas baseadas em "hierarquias" horizontais (descentralizadas).
Antony
Erva da boa hein. Governos vão deixar de existir por serem centralizações econômicas? Me explica aí então os blocos econômicos, as fusões de grandes empresas, os sindicatos/associações/cooperativas. Você jogou uma TEORIA e depois afirma que ela se aplica a tudo, como se fosse FATO. Os fatos apontam na direção contrária das suas afirmações.
Comentário Mil Grau℗
CEO do Facebook defende mais regulação para a internet em áreas como eleições e privacidade. Precisa de mais alguma outra prova pra mostrar que o Facebook quer censurar o seu direito de opinar e de debater sobre política? Já baniram o Paul Joseph perto das eleições, não duvido eles fazerem isso com qualquer país. Se usaram o Estadão e aquela Agência Lupa pra fazerem fact checking por aqui, imagina lá fora...
Dayman Novaes
Há uma teoria que diz que a ordem vem da descentralização. Quanto mais centralizado algo, menos eficiente. É por isso que a seleção natural funcionou tão bem para selecionar espécies: indivíduos competindo entre si, o melhor sobrevive é reproduz.Mas isso se aplica a tudo. Tanto em sistemas econômicos quanto em empresas privadas. Uma empresa que é gigante tem mais dificuldade de evoluir seletivamente e atender as demandas individuais, do que várias empresas competindo entre si.Só que empresas grandes existem, e se existem, é porque conseguiram se adaptar à essa lei natural. Como? Sendo descentralizadas: uma empresa grande, se for muito hierarquizada perde eficiência, então elas próprias precisam dar autonomias para suas equipes, filiais, etc., como podemos ver nas maiores empresas. A tendência (por seleção natural) é que isso aumente cada vez mais.Só pra não terminar sem deixar a crítica: governos são, por definição, centralizacoes econômicas, que são, por definição, menos eficientes a longo prazo e, portanto, vão naturalmente deixar de existir.