Início » Internet » Amazon vence disputa com Brasil e países da Amazônia pelo domínio .amazon

Amazon vence disputa com Brasil e países da Amazônia pelo domínio .amazon

Amazon poderá criar sites .amazon e cederá alguns endereços para países da Amazônia; disputa se arrastava há sete anos

Felipe Ventura Por

Uma disputa que se arrastava há sete anos chegou ao fim: a Amazon terá o direito de criar sites que terminem com .amazon, e cederá alguns endereços desse domínio para os países da Amazônia, incluindo o Brasil. Os governos esperavam ter exclusividade sobre o domínio de primeiro nível; o Ministério das Relações Exteriores lamentou a decisão.

Foto por Francis Vaquero/Flickr

A Amazon solicitou o domínio .amazon em 2012. No mesmo ano, Brasil e Peru entraram com queixa na ICANN, entidade que controla a distribuição de domínios na internet, dizendo que a empresa poderia não liberar o uso "para fins de interesse público relacionado à proteção, promoção e divulgação" da Amazônia.

Houve diversas rodadas de negociações, mas as partes não chegavam a um acordo. A última tentativa foi este ano: a Amazon e os governos do Brasil e Peru tentaram encontrar um meio-termo até abril, mas não conseguiram. O conselho do ICANN então resolveu deliberar sobre o tema em maio, levando em conta que o caso já durava muito tempo.

Então, na última sexta-feira (17), veio a decisão: "não há nenhuma razão de política pública pela qual a solicitação de domínio .AMAZON [por parte da Amazon] não deve ser autorizada a prosseguir".

A Amazon terá controle exclusivo sobre o domínio .amazon, e poderá criar endereços como kindle.amazon. No entanto, a empresa se comprometeu a:

  • fornecer nove nomes de domínio .amazon para uso não-comercial pela OCTA (Organização do Tratado de Cooperação Amazônica) e seus países-membros, que incluem Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela;
  • não criar sites terminados em .amazon usando termos que tenham um "significado primário e reconhecido para a cultura e o patrimônio da região da Amazônia";
  • bloquear o uso por terceiros de até 1.500 nomes de domínios .amazon que tenham um "significado primário e reconhecido para a cultura e o patrimônio da região da Amazônia".

Além disso, a Amazon diz que fará um uso "altamente restrito" de domínios .amazon, envolvendo apenas termos que se alinham com a estratégia global para sua marca. No site amazontld.moi, a empresa diz que "o modelo de múltiplos stakeholders [partes interessadas] venceu".

Brasil lamenta decisão sobre domínio .amazon

Ainda assim, o Ministério das Relações Exteriores não gostou da decisão, dizendo que a ICANN "deixou de considerar adequadamente o interesse público identificado por oito governos, em particular a necessidade de defender o patrimônio natural, cultural e simbólico dos países e povos da região amazônica".

O governo brasileiro também acredita que a decisão da ICANN "não se funda no princípio de que Estados soberanos têm direitos e responsabilidades em temas de política pública relacionados à internet", abandonando uma abordagem multissetorial que leve em conta o poder público, empresas e sociedade civil.

"A gente até pode concordar que a Amazon não vai querer usar 'acai.amazon', mas tem toda a área semântica ligada a turismo. 'Hotel.amazon' quer dizer o quê? Parece que é a empresa ou o site oficial da região amazônica? A nossa indústria ficaria em desvantagem", disse o embaixador Achilles Zaluar Neto em entrevista à Folha de S. Paulo.

Com informações: Blog Porta 23.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

davi koscianski vidal
Desde a proclamação da república, na verdade.
Abraão Caldas
Leu mas não entendeu, alguém não entra numa disputa se ela concorda com a decisão.
Tiago Celestino
Fiz tudo isso que você falou e ainda não entendi o porque que você acha que os brasileiros (que comentaram aqui) não valorizam o país (de repente o brasileiro se tornou patriota, hahahaha) por concordarem com a decisão do ICANN. Mas segue o barco, porque será difícil você explicar seu ponto de vista.
Abraão Caldas
Leia meu comentário, leia a matéria, leia os comentários dos usuários, ligue o tico e o teco, faça esse esforço, não vai doer, eu te garanto.
Tiago Celestino
Explique seu ponto de vista, porque você achar que um domino ser a representação de um país, só posso achar que você tem problemas. Esse é o meu ponto de vista.
Abraão Caldas
Eu não tou acreditando não....
Tiago Celestino
O que tem haver .amazon com o país?? Oo
Mario Bros
TLD = "Domínio de topo", tá certo não é domínio... Isso deve ser algum tipo de pleonasmo kkkk
ochateador
Por que o .amazonia não é um domínio e sim um TLD (top level domain).Para poder solicitar um TLD, tem que provar que vai manter a infraestrutura, mostrar como irá funcionar, pagar licença anual, etc.
ribeiro
Então a caçar não existia desde então. kkkkEntão as armas não existiam depois da desarmamento, tudo que o PT fez teve um resultado inverso.
Buldego
https://sd.keepcalms.com/i/...
Vagner Da Silva
Era só trocar o domínio por .boi, .soja e .ouro que nosso governo ficava de boa.
Buldego
Cara, é só acompanhar a entrega do meio ambiente para a bancada do boi. A liberação da caça esportiva e por aí vai.
ribeiro
Exatamente, o desgoverno vem desde a colonização.
ribeiro
Mas o governo atual só está a 5 meses, o desmatamento sempre existiu.Nunca pensaram de fato na natureza.
João
Vc é o típico que chegou no barco agora achando que entende algo sendo que desgovernos existem desde a independência.
João
Sobre a amazônia: lá eles falam amazon forest mesmo.
ial
Lá fora falam Rio de Janeiro (com sotaque engraçado) ou River of January? Eu acho que fica mais legal, pro mundo todo, conhecer e chamar pelo nome 'original', não pelo nome "inglêsado". Da mesma forma que um João, brasileiro, não é John. E um John, americano, não é João. Aproveitaria que do português para o espanhol (línguas oficiais dos países onde está a floresta) só sai o circunflexo, que não é usado nos endereços de domínio, e abraçava mesmo .amazonia. Muito mais legal, até pros próprios americanos, já que .amazon pra eles já é uma empresa bem famosinha por lá.
P. Herrera
Mas tem lógica: O Inglês é universal, por isso. Em PT ficaria restrito apenas aos falantes do PT.
Buldego
Sim e como disse no meu comentário, é óbvio.Como se o atual fosse melhor no quesito meio ambiente, na realidade é o oposto da definição de melhor.
DanielBastos
Em 2012, como destacado, o governo atual não era governo.
Daniel R. Pinheiro
...o Estado vai deixar de existir e teremos apenas megacorporações governando o mundo.Ainda bem que eu não estarei vivo...
Lucas
Jovem já existiu no mundo momentos em que empresas era maiores que o Estado, isso aí não é nada de coisa prevendo o futuro, são atualizações de coisas que ocorreram no passado. Como foi o caso da companhia britânica das índias que tinham até exército próprio e governava a Índia.Tudo na vida tem que ter equilíbrio, se o estado for pequeno demais dá merda, se for grande demais também.
Adriano Garcez
Já vivemos numa época com megacorporações. Dou mais 100 anos para acontecer o futuro onde o Estado vai deixar de existir e teremos apenas megacorporações governando o mundo.
Buldego
Mas isso é meio óbvio, o governo atual tá nem aí pra meio ambiente, muito pelo contrário, tá querendo destruir tudo mesmo, ele jamais se importaria com isso.A não ser que ele pudesse abrir a queixa pelo Twiter.
Trovalds
A Amazon solicitou o domínio .amazon em 2012. No mesmo ano, Brasil e Peru entraram com queixa na ICANN, entidade que controla a distribuição de domínios na internet, dizendo que a empresa poderia não liberar o uso “para fins de interesse público relacionado à proteção, promoção e divulgação” da Amazônia.
Fabio Agitadas
Eu acho que foi feita a justiça, a empresa é conhecida mundialmente pelo nome preterido, os estados deveriam brigar pelo nome em sua língua oficial e não inglesa, como por exemplo: Brasil teria o Amazonia e assim por diante!
Henrique Picanço
Deveriam registrar o ".amazonia". É ainda melhor.
Dayman Novaes
O problema na verdade é o ICANN, que é um orgão "privado" mas totalmente subordinado à um estado, no caso, os Estados Unidos, ser um monopólio. O fato do ICANN ser um monopólio, concedido por um estado, é sim um prelúdio de Blade Runner.
Mickão
Se realmente importasse isso nem estaria em discussão e já teria sido reclamado/registrado/apropriado/whatever pelos países que estão de chororô há muito tempo.
uB.
Bem pensado!Vai lá Brasseeel e compra .amazonia, deve tá disponível, ou vc só quer tretar com a Amazon mesmo? hahaha
Abraão Caldas
Uma tristeza ver que os próprios Brasileiros desvalorizam seu país e suas regiões.
Maikon Jordan ✔️
Nenhum dos países fala inglês. Se fosse um domínio .amazonia eu até entenderia
Krosna Terrestre
E porquê o Brasil não compra o domínio ".amazonia" ?
Fabrício Roque
Pelo jeito só eu acho muito estranho uma empresa ter mais força que 8 Estados juntos. É tão Neuromancer/Blade Runner.
Fabrício Roque
Welcome to the jungle
Felipe Xavier
Ao invés de priorizar o tempo e recursos na efetiva preservação da Floresta Amazônica, ficam brigando por terminação de domínio na internet. Tá sertu.
Alisson Santos
É exagero dizer que domínios de internet atrapalharia a economia local, ninguém entraria em "hotel.amazon" sem antes consultar o Trivago.
Buldego
" Deviam é se preocupar com o que de fato acontece dentro do próprio quintal ao invés de ficar com rixa no virtual."Mas esse desgoverno se resumo a isso, baixaria no Twitter.
uB.
N sei pq o Brasil tá lamentando a decisão.1o: O Brasil n protege nem a Amazônia de verdade, feita com árvores, folhas, água, terra e animais, mas quer proteger uma .amazon feita de bits e bytes? pra q?2o: Criaram um decreto pra unificar tudo que tem relação do governo no domínio gov.br Ou seja, o .amazon nunca será utilizado!3o: Se .amazon fosse tão importante pro país, q tivesse pedido antes da Amazon, uai!
Trovalds
Mimimi proteger a amazônia, mimimi turismo, mimimi... a única coisa pra que a amazônia serve é pra ser desmatada sem controle e pra biopirataria da fauna e flora por piratas disfarçados de ONGs que agem sem nenhum controle dos governos. Deviam é se preocupar com o que de fato acontece dentro do próprio quintal ao invés de ficar com rixa no virtual.