Início » Celular » Samsung Galaxy A70S deve ser primeiro celular de 64 megapixels

Samsung Galaxy A70S deve ser primeiro celular de 64 megapixels

Samsung anunciou sensor de 64 MP para celulares, que deve ser usado no Galaxy A70S previsto para o segundo semestre

Felipe Ventura Por

Os celulares de 48 megapixels se proliferaram este ano, vindos de marcas como Xiaomi, Motorola e Asus. A Samsung foi além e anunciou um sensor de 64 megapixels para smartphones, chamado Isocell Bright GW1; ele deve ser usado em um novo aparelho chamado Galaxy A70S.

Samsung Galaxy A50

A Samsung planeja lançar o primeiro celular do mundo com câmera de 64 megapixels no segundo semestre de 2019, segundo o portal coreano de tecnologia ETNews. Ele deve se chamar Galaxy A70S e usar o sensor Isocell da empresa.

Como explicamos por aqui, o Isocell Bright GW1 usa uma tecnologia para combinar quatro pixels em um só: graças ao Tetracell, é possível capturar fotos nítidas de 16 megapixels em pouca luz. Em ambientes com boa iluminação, dá para usar todos os 64 megapixels do sensor.

Além disso, o GW1 promete maior desempenho em HDR: ele chega a até 100 dB em tempo real, mais que os 60 dB de outros sensores. Isso significa um alcance dinâmico maior para fotos que não ficam estouradas com muita luz, nem escuras sob pouca iluminação.

Samsung quer ultrapassar Sony em câmeras para celular

O GW1 deve entrar em produção em massa no segundo semestre, a tempo do Galaxy A70S. Segundo o ETNews, a Samsung está em segundo lugar no mercado de sensores para celular e quer ultrapassar a líder Sony — daí o interesse em sair na frente com uma opção de 64 MP.

Mais megapixels não são garantia de qualidade para a câmera, mas podem ajudar: no ranking do DxOMark, três celulares no top 10 têm sensor Sony IMX586 de 48 megapixels (Honor 20 Pro, OnePlus 7 Pro e Xiaomi Mi 9).

Vale lembrar que a Samsung vende o Galaxy A70 com câmera traseira tripla e sensor principal de 32 megapixels. Ele possui tela de 6,7 polegadas, bateria de 4.500 mAh e preço sugerido de R$ 2.499 no Brasil.

Com informações: Gizmochina.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

José Vieira
Sem contar que, pelo que andei lendo, com tantos megapixels as possibilidades para o HDR (principalmente na fotografia) se tornam bem mais interessantes, é possível fazer fotos com dupla exposição, o software pode fazer a mesma foto com seis exposições diferentes e juntar numa única imagem de 8mpx (dois conjuntos de imagem de 32mpx/4, com dois conjuntos de exposições diferentes). O processo seria mais rápido, e mais preciso no que tange ao alcance dinâmico e nitidez. O resultado seria uma foto superior ao que se consegue com a bruxaria que o Google faz com sua rede neural para as fotos feitas com os pixels (sim, aquilo é bruxaria). Seria possível um modo noturno tão impressionante quanto os dos pixels sem a necessidade de esperar dez segundos. Ou melhor ainda, já pensou em um pixel 4 com esse sensor? 😍😍😍😍
phsodre
Essa é exatamente a explicação que eu sem conhecimento técnico nenhum, tento fazer as pessoas entenderem sobre a técnica aplicada nesses sensores de agora. A matéria até explica o básico, mas a galera só cai no hate. Eles esquecem que transformar 4 pixels em 1, vai ter um resultando totalmente diferente da interpolação, que aumentava a taxa para simular uma foto de qualidade maior. É até bobagem cogitar a hipótese de comparar isto!
leoleonardo85
OK, qual a abertura da lente, se sor mais de 2 não adianta nada
Felipe Liʍa
Qm nunca...
Murilo Aquino
Mais megapixels para melhor ver a textura da cera na cara da gente.
Fabio Santos
Não sendo igual ao A9 novo tantas câmeras e uma péssima experiência.
Franco Luiz
show https://uploads.disquscdn.c...
José Vieira
Contudo com muito mais informação (4x mais) que uma foto feita com um sensor de 16mpx de 2 anos atrás. Quanto mais informação, maior o tamanho do arquivo da imagem.
José Vieira
Vamos lá, fotografia é... luz. Apenas isso, luz.Pra eu conseguir uma foto 9:12, 5mpx é mais que suficiente... Mas é aí que meus problemas começam, posso ter um tamanho bacana, mas com "apenas" 5 milhões de pixels (considere pixels de 0,8 mícron), em uma superfície diminuta, eu não vou conseguir informações fundamentais para uma boa fotografia: contraste, nitidez e alcance dinâmico. e isso acontece porque essas informações imprescindem de luz.Como já deixei claro, fotografia é luz. quanto mais pixels eu tiver para capta-los, melhor. Mas eu não preciso apenas de muitos pixels, preciso que esses pixels sejam grandes o suficiente para não deixar a luz captada (derramar) estourar (teoria dos baldes). Então uma boa foto depende da luz, do tempo de abertura do diafragma e do tamanho dos meus pixels (quanto maiores, mais informações eu retenho).Quanto mais tempo a luz permanecer no sensor, mais luz teremos na imagem, e mais clara ficará a fotografia. É possível fazer uma analogia com uma torneira: a água que sai da torneira é a luz e o balde logo abaixo o sensor da câmera. Se deixarmos a torneira aberta por 2 segundos vamos ter meio balde cheio. Se a deixarmos aberta por 4 segundos, encheremos completamente o balde. Se passar disso, o balde derrama água/luz e a fotografia vira lixo.Construir sensores pequenos com pixels enormes não é uma boa ideia, até porque se ficam bons para fotografar são péssimos para imagens em movimento, ou seja, filmar nem pensar. Então a indústria que já conhecia técnicas de interpolação de pixels desde os primórdios da fotografia digital, fez o caminho inverso. ao invés de multiplicar pixels próximos, passou a dividi-los. Não fazia sentido em sensores até 32 megapixel, mas a partir dos 48, a coisa já ficou bem mais interessante.Simular um pixel maior a partir de pixels menores tem duas vantagens: a primeira é o controle da luz, com pixel maiores o tempo de exposição é menor. A segunda é que os meus frames de vídeo não ficarão repletos de blur, pois fisicamente meus pixels são bem pequenos. Filmando uma área maior (mais pixels) o controle eletrônico de estabilização que é basicamente um crop no quadro fica bem mais estável.
Hugo Piovesan
Corrija-me se eu estiver errado, mas pelo que eu entendi a foto de 64mp seria 'transformada' numa de 16, ao juntar 4 pixels da original em um pixel só... Logo a foto seria de 16mp, o que é bem aceitavel pros padrões de hoje
Cazalbé
Nada que se compare, sério mesmo.Saudade do meu 1020.
Daniel Ribeiro
Que legal... Agora você pode armazenar um JPEG de 8 MB no celular. Não faz sentido nenhum essa loucura. 8 Megapixels já seriam suficientes se a definição fosse boa. Estou ansioso pelo dia que vão colocar uma lente maior e um sensor maior num celular sem aumentar a grossura dele.
Guilherme da Silva Manso
Ao menos dessa vez, com um sensor infinitamente menor. Mas, sim, saudades do tempo dos Lumias (tive alguns).