Início » Jogos » Microsoft revela mais detalhes sobre Project xCloud para streaming de jogos

Microsoft revela mais detalhes sobre Project xCloud para streaming de jogos

O serviço já é capaz de rodar 3,5 mil jogos de qualquer geração do Xbox One e não depende de código extra por parte do desenvolvedor

André Fogaça Por

A Microsoft anunciou, na semana passada, mais detalhes sobre o Project xCloud, que é um ambicioso programa de streaming de jogos e que é concorrente do Google Stadia. De acordo com a gigante do software, o serviço já é capaz de rodar mais de 3,5 mil games das três gerações de Xbox, sem qualquer problema.

Recentemente a empresa começou a testar o xCloud com alguns funcionários em ambientes fechados e até nas casas deles. Agora alguns ajustes nos servidores foram feitos e eles já são capazes de rodar títulos do Xbox One em qualquer geração do console (a primeira, o Xbox One S e Xbox One X).

Servidores são parte importantíssima da experiência de um jogo online e que é enviado nos moldes dos filmes da Netflix. A Microsoft diz que estes ajustes foram feitos em 13 regiões do Azure, mais precisamente em locais próximos da América do Norte, Ásia e Europa – atualmente o Azure conta com 54 regiões em 140 países, uma delas no Brasil.

O melhor de tudo é que os desenvolvedores não precisam fazer absolutamente nada no jogo para que ele apareça no xCloud. Eles basicamente precisam dar um aceite para que a Microsoft faça o lado de disponibilizar na plataforma. Como exemplos de estúdios que já estão dentro do programa foram listados a Capcom (que faz jogos como a série Street Fighter e Resident Evil) e Paradox (que tem jogos focados em estratégia em tempo real, como a série Cities: Skyline).

Por fim, o kit de desenvolvimento de jogos para o Xbox recebeu uma pequena API para que o desenvolvedor insira, se quiser, para que o próprio sistema identifique sozinho se está rodando em um servidor para streaming ou no console do usuário, de forma local.

O início dos testes públicos do Project xCloud deve acontecer ainda neste ano, com mis novidades sendo apresentadas durante a E3, que acontece durante os dias 11 e 13 do mês que vem, nos Estados Unidos.

Com informações: Microsoft.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Murilo Aquino

Can't wait!

Marcos Oliveira

"capazes de rodar títulos do Xbox One em qualquer geração do console"
E eis que o Stadia morre ao nascer!

Edson Passos

Estou ansioso para testar isso! Espero que não tenha problemas de delay...

Caleb Enyawbruce

Espero que mostrem bastante coisa sobre isso na E3! A MS vai vir com tudo

Baio-kun

Outra vantagem é o Windows/DX, diferentemente do Stadia que precisa que os jogos sejam em Linux/Vulkan

João

Espero que tragam uma concorrência braba pro Stadia, mais dominância da Google estilo YT seria triste.

Samuel Abreu

também espero que de certo, mas que não substitua consoles de mesa, porque não gosto muito da ideia de que seu jogo favorito possa sair do catalogo e você não consiga mais jogar

Alisson Santos

Então o canal oficial do Xbox Brasil se equivocou ao dizer com todas as letras que s servidores do xCloud são centenas de Xbox One e que seriam a ponte entre a infraestrutura da Azure e o jogador.

Abraão Caldas

Não são pilhas de Xbox one,


...comes from Azure datacenters spanning the globe, with hardware that shares a common set of components with our Xbox consoles. We’ve already deployed our custom Project xCloud blades to datacenters across 13 Azure regions...

São parecidos mas não são consoles.

Will

espero que dê certo, pois seria bem legal poder jogar um cadinho no horário de almoço, na TV sala ou do quarto ou até msm no notebook

Alisson Santos

Não sei se o streaming de jogos vai se popularizar ou não, mas o fato é que a Microsoft largará na dianteira nesta modalidade por diversos fatores, entre eles o uso da rede mundial da Azure, o fato de que os servidores do xCloud serão basicamente compostos por pilhas de Xbox One, dando zero trabalho para os desenvolvedores, tecnologia proprietária para mitigar o problema da latência, a experiência no mercado de jogos, diferente de Google e Amazon, etc.