Início » Computador » Assim serão os processadores Intel Core de 10ª geração (Ice Lake)

Assim serão os processadores Intel Core de 10ª geração (Ice Lake)

Primeiros chips Intel Core i3, i5 e i7 Ice Lake terão tecnologia de 10 nm e gráficos Gen11

Emerson Alecrim Por

A Computex 2019 foi o evento escolhido pela Intel para anunciar os tão aguardados chips Ice Lake. Aguardados porque, com eles, a companhia finalmente finca a sua bandeira no segmento de processadores de 10 nanômetros. Além disso, os novos modelos representam a décima geração de processadores Core.

Anúncio dos chips Core de 10ª geração (Foto: Intel)

Os primeiros chips Ice Lake serão direcionados a notebooks, tal como a Intel já havia deixado claro. Classificados como Ice Lake-U, eles atenderão sobretudo aos segmentos de ultrabooks e laptops conversíveis.

Infelizmente, a Intel ainda não liberou a lista dos primeiros chips Ice Lake, mas confirmou que haverá modelos para as linhas Core i3, i5 e i7, e que eles terão TDP de 9 W, 15 W ou 28 W, além de cache de até 8 MB. Esses chips contarão ainda com até quatro núcleos, oito threads e frequência máxima de 4,1 GHz.

Sunny Cove e a promessa de mais desempenho

Todas as mencionadas características são inerentes à microarquitetura Sunny Cove. É ela que vai permitir que os chips Core de décima geração tenham tecnologia de 10 nanômetros, embora exista uma ressalva aqui: os núcleos contarão com o novo processo de fabricação, mas o PCH (Platform Controller Hub) — componente que gerencia várias funções do processador — segue com tecnologia de 14 nanômetros, apesar de ter sido melhorado.

O que mais importa é o ganho de desempenho que tudo isso traz, certo? É claro que os testes independentes é que vão dar uma noção clara do que os chips com microarquitetura Sunny Cove serão capazes de fazer, mas a Intel fala em ganho de 18% no IPC (sigla em inglês para "instruções por ciclo de clock") em relação aos processadores Skylake.

Intel Core de décima geração — Sunny Cove

Uma série de incrementos técnicos, como a maior quantidade de memória cache, vai permitir que os novos chips tenham desempenho até 40% superior em certas aplicações na comparação com a família Broadwell (anterior aos chips Skylake).

A Intel promete também mais desempenho que as gerações anteriores em tarefas relacionadas a criptografia, compressão de dados e inteligência artificial, por exemplo.

No quesito segurança, o destaque são as correções para as falhas Spectre e Meltdown.

Thunderbolt 3 e Wi-Fi 6: agora vai?

Duas características que a Intel fez questão de destacar são o suporte nativo ao Thunderbolt 3, que permite taxas de transferência de dados de até 40 Gb/s (gigabits por segundo), e ao Wi-Fi 6 (Wi-Fi 802.11ax), sucessor do Wi-Fi 802.11ac (agora chamado de Wi-Fi 5).

Não que essas tecnologias já não estivessem disponíveis, mas espera-se que, com os chips Ice Lake, a ampla adoção delas pela indústria ganhe força.

Só que isso é uma aposta: ainda que o suporte nativo dispense a necessidade de controladores para esses padrões nas placa-mães, permanece sendo necessário instalar componentes à parte, como módulos de antena.

Gráficos Intel Gen11

Outra característica marcante dos chips Ice Lake é a chegada das GPUs integradas Intel Gen11. Não dá para esperar desempenho gráfico excepcional delas, mas uma evolução, sim, até porque as GPUs Gen9 chegaram junto com os chips Skylake (ou seja, em 2015) e, de lá para cá, houve só alguns aperfeiçoamentos (é por isso que não existe GPUs Gen10).

De modo geral, a Intel sinaliza que as Gen11 serão as GPUs integradas mais potentes que ela já fez. A ideia é permitir que jogos tenham boa fluidez em 1080p sem, no entanto, haver aumento do consumo de energia — um chip Ice Lake de 15 W terá gráficos equivalentes ao de um de 28 W atual, por exemplo.

Intel Core de décima geração — gráficos Gen11

É claro que isso vai depender dos recursos gráficos ativados e da capacidade de cada processador. De todo modo, o recado que a Intel quer transmitir é o de que haverá avanços expressivos. Para dar uma ideia, a companhia revelou que as GPUs Gen11 terão desempenho de até 1,2 teraflop em precisão única (FP32).

Outros atributos incluem suporte ao codec H.265 (HEVC) e a vídeos com 4K e HDR, além de compatibilidade com o Vesa Adaptive Sync (padrão que sincroniza a taxa de atualização do monitor com a GPU).

Quando os chips Core i3, i5 e i7 Ice Lake chegam?

Wafer da décima geração de chips Intel Core (Foto: Intel)

Wafer da décima geração de chips Intel Core (Foto: Intel)

Ainda não há datas de lançamento, tampouco informações sobre preços, mesmo porque os primeiros chips, os da série Ice Lake-U, serão enviados apenas a fabricantes de computadores. Laptops baseados nos novos chips serão lançados ainda em 2019, talvez já no próximo trimestre, de acordo com a Intel.

Já os processadores Ice Lake para desktops, notebooks mais parrudos e servidores não darão as caras antes de 2020.

Como se vê, os chips de 10 nanômetros da Intel estão chegando, sim, mas com bastante parcimônia.

Com informações: Tom's Hardware.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gustave Dupré

Bixo, estou com uma RX480 que eu comprei de um minerador as uns dois anos e ela está firme e forte. Uma coisa chata é barulho quando exijo muito dela, mas consegui contornar com o afterburn e uma boa refrigeração. De resto não tenho do que reclamar, aliás nem conheço o Wattman.

Main Page

Tive AMD há muitos anos atrás, um K6II com 128mb de RAM e 40GB de HD kkkkkk... depois disso, tive vários PC Intel, i3, i5 e i7. Meu último PC foi um i7 7700. Atualmente, montei um Ryzen 5 1600 e RX570. Melhor decisão que tomei, a AMD fez bonito com os Ryzen.

Anayran Pinheiro

Essas novidades só importam se fizeram as devidas modificações na arquitetura dos processadores para evitarem exploits de problemas passados. Se não fizeram direito, será mais uma geração fiasco.

Henrique

A AMD sempre investiu nos seus clientes e não em seus lucros, além de nunca ter se importado em manter o desempenho um pouco inferior mas mantendo total segurança em seus processadores, já a Intel por outro lado, sempre fabricou processadores sem segurança para ganhar um boost maior para seus clientes, sempre otimizou sua tecnologia em geração atual e nunca pensando no futuro, por exemplo, ela fica meio torta em DX12 comparado ao DX11 em 1080p, além de que você é obrigado a comprar uma placa mãe nova sempre que sair uma geração nova, já a AMD manteve o Ryzen em 4 anos consecutivos de gerações com as mesmas placas mães, então você só precisa fazer o Upgrade, a Intel também vende caro um processador que não custa o preço, e ainda por cima te entrega poucos Cores/Threds comparado a concorrência que está entregando sempre o dobro.

A Intel tem requentado também os processadores, nada de novo, nada de inovador, nada de interessante para querer um Intel hoje em dia.

Isso vale para a NVidia, por isso as RTX2080ti tomou uma surra para a RADEON 7 na tecnologia Vulkan e semelhanças na DX12, ela sempre foca em atualidade, fazendo e forçando os clientes num futuro comprar novas placas caso saia alguma tecnologia, já a AMD sempre focou no futuro as suas otimizações. Exemplo?

Lembra da GTX 780ti que era Rival de peso contra a RX290 Triple XXX

Então, a GTX ganhava com alguma folga em 15% de desempenho, já agora, só ver os testes na internet e verás que a RX290 está bem próximo da GTX 1060 6gb e a GTX 780ti está bem longe.

John Smith

Que problemas você tem com os drivers?
Tenho uma GTX 1070 e não passei perrengue nenhum com ela... ainda.

Capitão Caverna

Eu tive um rx480.
Nunca nem olhei para o wattman, pois rodei tudo o que quis sem nenhum problema.
Fui doar ela pra um primo e comprar uma 1060... Pior besteira que fiz na vida. Me arrependo até hoje.

Yamaha Mt-09

Atualmente estou com um i7 3930k, performance caiu uns 30% do que era a 1 ano meio atras.

Cond Ametista

Tambem sou mais AMD ,

John Smith

Em matéria de placa de vídeo eu passei muita raiva com uma RX480 defeituosa e com isso descobri muita gente tendo que ficar fazendo ajustes no Wattman pra usar melhor suas placas, por isso tomei birra da AMD nesse segmento e ainda fico firme na Nvidia (mas torço pelo sucesso da AMD com preços competitivos que tirem a Nvidia do salto).

Por outro lado, em processadores, depois de tantos incrementos pífios nas linhas da Intel, mudanças de socket e vulnerabilidades de seguranças com quedas no desempenho, meu próximo processador será certamente um Ryzen.

Capitão Caverna

Minha placa de vídeo nvidia tem tido vários problemas com drivers.
É conhecido já que os drivers da nvidia resolvem um problema e criam outro. Fora que por conta disso, as placas envelhecem mal.
Diferente das placas de vídeo da AMD que melhoram a cada atualização de driver. Isso já é histórico: elas envelhecem melhor que as nvidia.

Sobre a intel: pela sua péssima postura diante dos últimos escândalos envolvendo segurança.

E para ambos: o custo/beneficio: amd oferece o mesmo cobrando menos.

Anakin

eu acho que tenho certo preconceito com a AMD, devo ter escutado mal alguma vez no passado, não sou muito entendido desses assuntos. Eu gostaria que você falasse mais dessa sua mudança, porque seu próximo computador será AMD?

Alisson Santos

Faz alguns anos que já peguei "o macete" de como identificar uma geração de processadores pelo modelo, mas ainda apanho com relação aos chipsets. Quando vejo duas placas-mãe de uma mesma geração de processadores, mas com chipsets diferentes, concluo que a mais cara tem o chipset melhor.

Hugo Piovesan

2019 vai ser um ano interessante pra Intel...

Capitão Caverna

Meu próximo processador vai ser AMD.
Tô fora da dupla intel/nvidia.