Início » Computador » Uma olhada de perto no Mac Pro: voltando às origens

Uma olhada de perto no Mac Pro: voltando às origens

Nova geração do Mac Pro é expansível. Apple Pro Display XDR tem resolução 6K e 32 polegadas

Paulo Higa Por

Direto de San Jose, Califórnia — Depois de seis anos sem grandes mudanças, a nova geração do Mac Pro finalmente chegou. Ele continua sendo um desktop caro e voltado para profissionais que precisam de muita capacidade de processamento, só que o design mudou: a Apple praticamente admitiu que o formato cilíndrico e compacto do modelo passado não deu certo, e voltou às origens com uma máquina quadradona e expansível.

Primeiras impressões do Mac Pro e Pro Display XDR em vídeo

Uma olhada no Mac Pro mais expansível e poderoso…

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

O novo Mac Pro tem uma carcaça de aço inoxidável, puxadores de metal e um monte de buracos para circular melhor o ar. E não tem como deixar passar: assim que ele apareceu de frente no telão da apresentação, muita gente lembrou imediatamente de um ralador de cozinha. E isso porque a geração passada já tinha cara de lixeira ou cafeteira — parece até que Jony Ive faz de propósito para gerar burburinho.

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

Estaria Sir Jony Ive nos trollando?

Para quem trabalha, o que importa é que o Mac Pro ficou absurdamente potente. Ele ostenta coisas como processador Intel Xeon W de 28 núcleos, até duas placas de vídeo Radeon Pro Vega II com 64 GB de memória e até 4 TB de SSD. E espaço físico não é problema: dá para colocar até doze (!) módulos de RAM, o que significa que você pode comprar um desktop com 1,5 TB de memória (se tiver muito dinheiro).

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

É um computador feito para durar vários anos, até porque o design finalmente foi pensado para receber upgrades, como a gente esperaria de qualquer máquina profissional. Por dentro, o Mac Pro tem oito slots de expansão PCI Express — quem imaginava que a Apple, que deixa todos os componentes soldados ou colados nos MacBooks, lançaria algo assim em 2019?

Mas o interessante é o que dá para fazer com o brinquedinho: no palco, a Apple mostrou o Mac Pro aplicando efeitos 3D em um vídeo em 8K em tempo real no Final Cut e processando uma música com mais de 1.000 faixas (!) no Logic Pro como se fosse um arquivo MP3 qualquer. Com a placa aceleradora Afterburner, dá para reproduzir simultaneamente três vídeos em RAW em 8K ou 12 vídeos em 4K. Isso deve consumir bastante energia: o Mac Pro já vem de fábrica com uma fonte de alimentação de 1,4 kW.

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

A questão é que tudo isso custa muito caro: a versão mais básica, que tem números menos impressionantes, como um Xeon W octa-core, 32 GB de RAM e só 256 GB de SSD, custa US$ 5.999. O Mac Pro vai ser lançado no Brasil e ainda não teve o preço divulgado, mas é só lembrar que a geração passada, que foi lançada por US$ 3 mil no exterior, custa a partir de R$ 23,5 mil em terras tupiniquins. Então espere algo em torno de R$ 50 ou 60 mil no modelo novo de entrada.

…e o monitor ultracaro para profissionais

Ou seja, a facada da Apple é grande — e isso considerando só o preço do computador. Quem trabalha com imagem provavelmente deve pensar em adquirir também o Apple Pro Display XDR, um monitor de 32 polegadas com resolução 6K que tem design parecido com o do novo Mac Pro. Ele também possui vários furos na carcaça, que fazem a mesma função de resfriar o equipamento.

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

Esse design impraticável para quem tem tripofobia é necessário, segundo a Apple, para que o monitor atinja níveis de brilho mais altos. Como qualquer tela LCD, o consumo de energia e a geração de calor aumentam de acordo com o brilho. As TVs mais caras do mercado, como as Samsung QLED, chegam em torno dos 500 nits de brilho máximo sustentado na tela inteira — o que já é muito alto. No Pro Display XDR, a promessa é de 1.000 nits, com picos de 1.600 nits.

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

Apple Mac Pro (2019) e Pro Display XDR

E, claro, ele tem todos aqueles requisitos que aumentam bastante o custo: são 576 zonas de local dimming para melhorar o contraste, laminação completa para diminuir a reflexividade e calibragem individual de fábrica para garantir a precisão nas cores. Com tudo isso, o preço fica pornográfico para pobres mortais: US$ 5 mil com vidro comum ou US$ 6 mil com vidro especial antirreflexo. E o monitor vem sem a base — se quiser uma da Apple, precisa pagar mais US$ 1 mil.

Nesta edição da WWDC, a Apple não apresentou nenhum produto físico que seja viável para o público em geral — mas certamente vai atingir o nicho do nicho que não encontrava mais um computador potente ou um monitor profissional da Apple no mercado.

Paulo Higa viajou para San Jose, Califórnia, a convite da Apple.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Gabriel Arruda

Aplicação CAD tem um monte, que podem ou não usar GPUs para isso, como você pode dizer que nenhuma delas usa palcas AMD? Falei de AutoCAD que, até onde eu sei, é otimizado para NVIDA Quadro.

Durante o vídeo ele sempre compara as categorias "AMD vs NVIDIA" e "Gamer vs Pro". As Radeon Pro são vendidas como placas de wokstation, assim como as Quadro. Está no site da AMD: https://www.amd.com/en/grap...

Fabio Marcio

quem falou em Auto cada, falei em aplicações CAD, não em render via GPU.
Onde tem a informação que a Radeon é similar as Quadro, pq no seu vídeo, tem placa quadro padrão, comparado com as tops de games.

GuilhermeSMello

Olha cara, esse suporte é o meu sonho de consumo, só não compro um por que meu monitor é tão furreca que não merece um suporte desses, mas se eu tivesse um monitor decente, certamente compraria um. Ele tem pistão a gás, permite alocar os cabos do monitor (hdmi, Display Port, energia e o que for) por dentro da própria estrutura do suporte e vai preso na mesa por morsa ou pode furar a mesa e parafusar ele.

Depois é só alegria, o monitor fica parado em qualquer posição que quiser (vertical, horizontal, inclinado...). Caso use dois monitores, tem o FN160 que tem dois suportes na mesma base.

Buldego

Saquei!

GuilhermeSMello

O Surface Studio é concorrente dos iMacs, e, apesar da vantagem da tela Touch e da base reclinável que permite reclinar a tela em até 20° com a horizontal (Que não precisa ser comprada à parte), não lembro de cabeça se ele vem com alguma configuração para concorrer com o iMac Pro. Por enquanto, a Microsoft não lançou nenhuma workstation, seja na linha Surface ou não, que bata de frente com o Mac Pro.

johndoe1981

"Paulo Higa viajou para San Jose, Califórnia, a convite da Apple."

Acho que depois dessa análise, a Apple não vai mais bancar a passagem pros EUA pra conferir os lançamentos dela 😂

GuilhermeSMello

Essa base da Apple faz o preço da ELG FN80 parecer troco de bala, embora tenha muitíssimo mais vantagens que a base da Apple.

Buldego

Entendi! Faz sentido.

Fabio Santos

Tem fanboy da maçã que diz que os processadores do iPhone e iPad chegaram ao nível de um Intel, será que um A12 conseguiria dar conta de uma máquina desta?

Keaton

Forjado a partir de platina roubada do tesouro de um dragão, manufaturada pelas mãos de artesãos anões e polida com as lágrimas de virgens donzelas elfas...

Keaton

Na quarta imagem, quinta se contar o video, achei que alguém tinha colocado um imã num monitor CRT. hahaha

ochateador

Depende também dos programas que podem ser usados, e do quão bem otimizado o programa/SO está.

Adianta nada usar um w10 e o programa ser porcamente otimizado (oi adobe reader).

Wagner Silva

Com os novos Ryzen tudo que é Intel ficou ultrapassado, lento e caro.
Ainda mais sendo da Apple, sem o seu mentor e gênio está precisando muito para se re-inventar !

Gabriel Arruda

A linha Radeon Pro é a equivalente as Quadro da NVIDIA e, quando falo CAD, não é necessariamente AutoCAD.

https://www.youtube.com/wat...

DanielBastos

Se vier com escada corre que é uma beleza

Exibir mais comentários