Início » Internet » Opera, Vivaldi e Brave vão ignorar limite do Chrome para bloqueadores de anúncios

Opera, Vivaldi e Brave vão ignorar limite do Chrome para bloqueadores de anúncios

Google Chrome vai implementar limites para bloqueadores de anúncios em 2020; Opera, Vivaldi e Brave usam Chromium

Felipe Ventura Por

O Google confirmou que vai implementar mudanças na API do Chrome usada para bloquear anúncios, afetando inclusive a versão de código aberto Chromium. Opera, Vivaldi e Brave são baseados nesse projeto open-source, mas garantem que manterão suporte completo a ad blockers, sejam eles nativos ou feitos por terceiros.

Para recapitular: o Chrome vai substituir uma API usada por extensões que bloqueiam conteúdo específico das páginas. A nova API terá limites maiores de quantos itens poderão ser bloqueados; além disso, o desenvolvedor terá que enviar sua lista de filtros de bloqueio para o Google.

Isso fará parte do Manifest V3, nova versão da plataforma de extensões do navegador que será implementada no início de 2020. Enquanto isso, a API antiga usada por bloqueadores de anúncios ficará disponível apenas para usuários corporativos do Chrome, não para o público em geral.

Opera, Vivaldi e Brave vão manter API para ad blockers

Essas mudanças também afetarão o Chromium, versão de código aberto do Chrome usada como base para outros navegadores, inclusive o novo Microsoft Edge. Mesmo assim, os bloqueadores de anúncios continuarão a salvo no Opera, Vivaldi e Brave.

"Podemos considerar manter essas APIs funcionando, mesmo se o Chrome não fizer isso", diz um porta-voz do Opera à ZDNet. No entanto, a empresa aponta que isso não será um problema porque o navegador vem com um bloqueador nativo de anúncios, tanto no PC como no celular: "isso significa que os usuários do Opera não estão realmente expostos a essas mudanças".

Petter Nilsen, desenvolvedor sênior da Vivaldi, explica em blog oficial que vai lidar com a mudança da API dependendo de como isso for implementado pelo Google: "existem muitos, muitos cenários possíveis e a restauração da API pode ser uma delas; nós já restauramos funcionalidades antes... sejam quais forem as restrições do Google, podemos removê-las".

"O código estará todo lá, podemos trazê-lo de volta"

E Brendan Eich, CEO da Brave Software, promete manter a API usada por bloqueadores de anúncios: "continuaremos a dar suporte ao webRequest para todas as extensões do Brave", diz ele à ZDNet. O executivo também lembra que o navegador tem bloqueador de anúncios nativo.

No Twitter, Eich explica que a API antiga para bloqueadores de anúncios "não será removida, apenas escondida de extensões não-empresariais do Chrome. O código C++ estará todo lá, então podemos trazê-lo de volta à tona, e vamos fazer isso".

A Microsoft ainda não se manifestou sobre o assunto. A empresa já fez várias modificações no Chromium, removendo e acrescentando recursos para criar o novo Edge, então talvez ela mantenha as APIs antigas para bloquear anúncios.

De um jeito ou de outro, as mudanças no Chrome devem ter um impacto enorme. O navegador do Google domina 69% do mercado, segundo o StatCounter, contra 10% do Firefox, 2,3% do Opera e 0,05% do Vivaldi; o Brave não aparece nas estatísticas.

Com informações: ZDNet.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Keaton
Esses dias atras, era o TB que tava com ad aos montes. geral reclamando. hahaha
Johnny Walker
Um site que deixei de frequentar é o tecmundo, nunca vi site tão poluído de anúncios, parece mais um vírus que quer tomar conta da sua navegação. Uma coisa que acho um absurdo lá é o carregamento da página que é deliberadamente colocada um máscara para responder pesquisa à força, só sei dizer que é triste.
Aline Piroutek
Acredito que um número muito próximo do 100% não usa AdBlock.
@Sckillfer
Mas o tb nunca foi cheio de ads, quem enche a página de anúncios é o disqus... Já cheguei a bloquear anúncios do mesmo, mas daí os comentários pararam de carregar
Keaton
Isso é ótimo, vou voltar ao Vivaldi.... enquanto o Google não quebrar os outros navegadores... sei lá.
Keaton
Já dá pra navegar no Tecnoblog sem adblock novamente?
brunocabral
Opera é rapidão, só que falta um tradutor, leio muito site em inglês (Gamingonlinux, ProtonDB, Phoronix, WineHQ, OMG-Ubuntu, etc).EDIT: Descobri uma extensão que traduz.
小岩井
Sim, porque eu reinstalei o Vivaldi recentemente
Geraldo Lopes
Só 526,235? https://uploads.disquscdn.c...
Downgrade
Óbvio.. Baita chance de ganhar muitos usuários que vão querer abandonar o Chrome quando começar as interrupções com anúncio nos vídeos do Youtube...
brunocabral
Sim
Eduardo Braga
Pois é. Os outros navegadores tiraram também?
Lucas Santos
Chromium deveria se chamar Placebum, se vende como uma alternativa livre mas é só um Chrome cinza.
Lucas Santos
O bom é que o Edge, até agora, removeu muitos serviços Google embutidos no Chromium.
leoleonardo85
Vamos ver como vai ser, se eu não gostar da mudança tento trocar de navegador
@Sckillfer
Eu uso o Adblock (ao invés do Adblock plus) justamente porque o que me irritam são esses abusos, ele permite usar o esquema de lista de bloqueio ao invés de lista de excessão: deixo liberado pra todos os sites, exceto os fanfarrões
uB.
Código novo da Google:func limitarADS() {if (x > numeroProibido) {bloqueiaOBloqueador();}return (youShouldPass());}limitarADS();Os outros navegadores://limitarADS();
uB.
Nunca usei ad block tb. Quando eu visito um site q abusa no ADS eu simplesmente paro de visitar tal site, isto nunca me fez falta ignorar certos sites. :)Até pq, os bons sites geralmente são corretos n pesam a mão no ADS.Porém faz poucas semanas q n teve jeito, tive q ativar... o TB tá impossível com estes 40, 50... 99 ads numa única página! Toda vez q entro no site eu acompanho quantos AD foram bloqueados, quando voltar pra um número regular, eu desinstalo o ad block novamente.Pq tb sou a favor dos anúncios, mas n dos abusos.
Eduardo Braga
Coloca a cara a tapa, Microsoft. Quero ver darem um dedo do meio pro Google em relação a isso, mas tô meio receoso de que vão aderir. Não sei se eles fazem um lucro expressivo com o próprio sistema de anúncios...Edit: tô usando o Edge novo e pretendo continuar usando quando for lançada a versão estável, por isso o receio.
小岩井
Se existisse concorrência de verdade esse artigo nem iria existir
小岩井
Eu uso Vivaldi e é aquele negocio, a grande maioria da base de usuários são exatamente usuários mais avançados. Se eles não se mexerem pra impedir esse bloqueio dos adblockers eu mudo pro Firefox ou Brave. E muita gente também vai.Sou completamente a favor de adblock, hoje em dia os anuncios se tornaram extremamente abusivos, não tem mais como navegar em paz na internet sem ser fuzilado por anuncios que enchem o saco o tempo inteiro. Eu reinstalei o Windows recentemente, tal qual o Vivaldi e até agora meu ublock bloqueou 526,235 requests...
Jairo ☠️
Nada como a boa e velha concorrência , isto é ótimo para nós consumidores.
Comentário Mil Grau℗
De boas com o Firefox aqui. 👌
Andre Kittler
Fork.Tá na hora.
Will
na versão móvel não vai mudar muita coisa, mas em desktop creio que deve alterar
Yago Oliveira
Você é um mito. Impossível utilizar internet sem bloqueador de anúncio. As páginas viram circo.
Thiago Silva
Até que não é uma má notícia, pois é mantida a distinção de gostos. Gosto do Brave pela rapidez de acesso(além de consumir pouca RAM) e o Vivaldi pela customização(Possui muitos recursos integrados que outros não tem de forma nativa. Já cheguei a usar o Opera, e mesmo com a extensão para habilitar extensões do chrome, este apresenta estranhas incompatibilidades se comparado aos outros.Hoje o Opera seria minha 4a opção, ficando atrás do Firefox também.Também tenho testado o Dissenter(Variação do Brave feita pelo Gab), mas são pouquíssimos os pontos que diferem dos concorrentes, ainda não vejo alguma vantagem a se destacar.
Buldego
Olha, acredito que a esmagadora maioria dos usuários nem sabe o que é adblock.
Alisson Santos
Não uso, mas não sou contra bloqueadores de anúncios, pois considero que eles são a resposta do mercado para os excessos. Teve uma época que até mesmo grandes portais de notícias colocavam anúncios em vídeos, que surgiam do nada cortando o texto em dois e com player automático e som ativado. É claro que a resposta a isso viria a galope.