Início » Brasil » Bolsonaro demite presidente dos Correios que criticava privatização

Bolsonaro demite presidente dos Correios que criticava privatização

Segundo Bolsonaro, presidente dos Correios estava agindo como sindicalista ao criticar o processo de privatização da estatal

Lucas Lima Por

Jair Bolsonaro anunciou na sexta-feira (14) a demissão do presidente dos Correios, general Juarez Aparecido de Paula Cunha. “Aí complica”, disse o presidente da República após justificar que Cunha teria ido ao Congresso e agido como sindicalista, opondo-se à privatização da estatal.

Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR - 24/01/2019)

Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)

Cunha foi ao Congresso no último dia 5 e fez críticas ao plano de privatização da ECT. Ele disse a uma plateia de sindicalistas e parlamentares da oposição que a estatal é autossustentável e insubstituível, e que esse processo em discussão poderia acarretar problemas futuros à União. Um de seus planos para os Correios era abrir o capital da empresa em bolsa nos próximos cinco anos, segundo o Valor.

O então presidente dos Correios defendeu que, se o lado lucrativo (encomendas) for privatizado, o setor de correspondências ficará desfalcado. Com isso, segundo o general da reserva, quem arcaria com os custos de operação seriam os brasileiros, através dos impostos. “Um lado compensa o outro”, disse.

Na audiência realizada na Câmara dos Deputados, Cunha explicou que o resultado financeiro dos Correios é concentrado em poucas cidades: 92% dos lucros vieram das atividades em 324 municípios no ano passado.

Bolsonaro informou que ainda não tem o nome do substituto. Ele disse ter convidado o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, demitido da Secretaria de Governo na quinta-feira (13), para o cargo, mas ainda não houve confirmação.

Para governo, é possível privatizar e manter serviço postal

O assessor da Secretaria de Desestatização do Ministério da Economia, Fábio Abrahão, disse na audiência da Câmara que é possível manter a universalização do serviço postal mesmo vendendo os Correios para a iniciativa privada. Ele também mencionou o rombo de R$ 11,5 bilhões no fundo de pensão dos servidores, o Postalis; e de R$ 4 bilhões no plano de saúde.

Os Correios tiveram lucro por dois anos seguidos: R$ 161 milhões em 2018 e R$ 667,3 milhões em 2017, após dois anos de prejuízo total de R$ 5 bilhões. Para enxugar os custos, a estatal demitirá 7,3 mil servidores por meio de um Programa de Demissão Voluntária e fechará 161 agências até julho.

Com informações: Estadão.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@Sckillfer

Realmente, por isso que a Claro-Net tá aí até hoje, apesar de seu péssimo suporte

TacacaNuclear®

Competitividade e as leis do mercado regulam quem sobrevive ou nao, certamente empresas que ofertam um mau serviço nao sobrevivem. Eu mesmo nao compro numa paradia mais perto de casa, pois tudo nela eh ruim, prefiro andar e comprar mais longe e mais caro produtos de qualidade. Percebe ai a logica da coisa?. Agora se o estado e seus corruptos estiverem no meio, em geral, tudo se corrompe, caso nao haja fiscalizaçao por parte da populaçao. Principalmente aqui no Brasil, temos a experiencia de observar os que surrupiam para o "bem da causa", sendo este o lema inferido e comprovado da esquerda o qual o eterno centrao seguiu nos ultimos anos centrao. Aguardemos os novos partidos da direita e vamos ver como as coisas andam daqui a uns, sei la, 3 anos. Fiquemos de olho.

@Sckillfer

Eu não afirmei que é o único prejuízo dos correios, afirmei que é um serviço que dá prejuízo e é o único que detêm monopólio

@Sckillfer

Da onde tu tirou que por ser privatizado sai da esfera política?

@Sckillfer

Sim, porque empresas privadas são extremamente honestas, zero corrupção!

Jhonatan Paiva

­­­­­­­­­­­­­­­

Jhonatan Paiva

Vai pra Cuba.

Antony

Ótimo argumento, não espero nada melhor do seu tipo de "gente"

Jhonatan Paiva

30 anos como deputado, zero corrupção, já o pinguço...

Jhonatan Paiva

Saudar a mandioca foi um feito ainda maior.

Jhonatan Paiva

O choro é livre.

Gaius Baltar

Creio que você está confundindo discussão política, onde todas as opiniões devem ser escutadas, com o comando de uma empresa, onde os gestores devem seguir as diretrizes dos superiores.

Jefferson Rodrigues

Ele quer privatizar para acabar com o uso político dessa empresa. Privatização também serve pra isso.

TacacaNuclear®

100 bilhões a menos pra corrupção e depreciação da capacidade de gerar riquezas.

Bynho Silva

Sqn

Exibir mais comentários