Início » Aplicativos e Software » Google cria site para Fuchsia, sistema que pode substituir Android

Google cria site para Fuchsia, sistema que pode substituir Android

Fuchsia, novo sistema operacional do Google, pode substituir Android no futuro; documentação ensina como testá-lo e usá-lo

Felipe Ventura Por

O Google está, pouco a pouco, revelando alguns mistérios do Fuchsia: o novo sistema operacional da empresa, que pode substituir o Android no futuro, ganhou um site próprio com documentação ensinando como testá-lo no computador, como usá-lo e como sugerir mudanças para este projeto de código aberto.

Google Fuchsia

Fuchsia em 2018; imagem por 9to5Google

O Fuchsia é raramente mencionado pelo Google de forma oficial. Na última conferência I/O, o executivo Hiroshi Lockheimer disse que a empresa está criando “uma nova abordagem para o que um sistema operacional poderia ser”, sugerindo que ele poderia ser usado também em dispositivos IoT (internet das coisas).

Segundo a Bloomberg, o primeiro dispositivo com o Fuchsia deve ser lançado em 2021 para substituir o Android ao longo dos cinco anos seguintes. Inclusive, o Google já prepara o novo sistema para rodar apps de Android.

Google ensina como instalar e testar Fuchsia no PC

O site fuchsia.dev traz as instruções para instalar o Fuchsia a partir do Debian ou macOS: é necessário baixar o código-fonte, montar o sistema e fazer boot. O Google também menciona três dispositivos no qual é possível instalar o sistema: Acer Switch Alpha 12 (com Windows 10), Intel NUC e Pixelbook (com Chrome OS).

A lista inclui apenas computadores para testar o Fuchsia, mas vale lembrar que o sistema também vem sendo usado internamente no Huawei Honor Play, lançado com Android.

Há exemplos de comandos para teste, incluindo o clássico “hello world”; o “fortune”, que traz uma “citação cheia de significado” segundo o Google; e o “cowsay”, que mostra uma vaca em ASCII dizendo o que você pedir.

Google Fuchsia - comando cowsay

Programadores fora do Google podem contribuir com mudanças para o Fuchsia. É necessário assinar o CLA (Contributor License Agreement) e utilizar o Gerrit, programa de revisão de código-fonte que se integra ao Git, famoso sistema de controle de versões.

Google detalha componentes do Fuchsia OS

A documentação também explica o funcionamento do Fuchsia. No seu centro, está o microkernel chamado Zircon (não o Linux). Ele é responsável por iniciar os processos do sistema: primeiro o userboot, depois o bootsvc (que fornece um serviço de sistema de arquivos), então o bootfs (com arquivos necessários para o boot) e o devmgr (gerenciador de dispositivos).

O DevMgr fica responsável pelos drivers do dispositivo, e realiza tarefas de sistema como chamar o AppMgr (Gerenciador de Aplicativos), que então roda os programas do Fuchsia.

Google Fuchsia

Google Fuchsia em 2018; imagem por Ars Technica

A interface de usuário é desenhada pela biblioteca de gráficos Escher, “inspirada por técnicas de renderização modernas, em tempo real e baseadas em elementos físicos”. O Fuchsia é compatível com o Flutter, framework para interfaces de usuário que também está presente no iOS e Android.

Desenvolvedores podem usar diversas linguagens de programação para criar programas no Fuchsia, incluindo C, C++, Dart, Go e Rust. Há também um DDK (Driver Development Kit) para criar drivers de dispositivos compatíveis com o sistema.

O endereço fuchsia.dev começou a ser arquivado pelo Internet Archive em maio, mas dava erro 404 quando era acessado. Ele só recebeu conteúdo no final de junho, quando passou a abrigar a documentação oficial do Fuchsia.

Com informações: SlashGear.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

É sim. Veja que a apple possui bateria de 1800mah e consegue ter uma autonomia semelhante aos andoids (tirando os androids com bateria monstra).

Então há sim, muito que possa ser melhorado.

Fred

Eu falo fuck-si-a

Denis

acho que esse nome é temporário, nos mesmos moldes dos videogames que geralmente apresentam "project....x" e depois no lançamento mudam...

junior

Concordo. Por uma questão de marketing eles não poderiam simplesmente trocar o sistema pois os usuários mais leigos iriam ficar com pé atras. Talvez falar que é um novo "sabor" do android como é feito hoje em dia seria uma boa opção. Só quero ver como isso vai ser feito.

Ricardo Ferreira

Independente da discussão, só uma ressalva.
Acabar com Android é acabar com o mascote. O mascote reforça muito uma marca, cria uma ligação por vezes emocional do público. Só acho que o Google tinha que rever isso.
Sei lá, chama de fuchsia android 2 ou Android fuchsia. Mas se matar o mascotinho Android, se surgir outro concorrente futuramente, pro usuário comum, não vai fazer diferença. Ele sequer perceberá a diferença.

Parece idiota, mas não é não. O robozinho verde é uma marca construida por anos, cuja associação a evolução do sistema operacional, bem como os smartphones (q fabricantes nem tem relação com a Google), mas na cabeça das pessoas que não manjam nada de tecnologia, é tudo uma coisa só.
Alterar isso é recomeçar do zero.
Baita trabalho duro pra equipe de marketing.

Ednei P. de Melo

"O kernel tem muita coisa que os smartphones não usam, mas o Google não pode tirar por causa da licença gpl." -- ??? &;-D

SpooksterOne

verdade kkkk. Coincidencia, to assistindo nesse exato momento the Big Bang Theory hahahaha

Keaton

Eles bem que podiam lançar uma maquina virtual do VBox ou do Vmware Player... :(

Luizão

o kernel linux é um problema para o android só dentro da sua cabeça.

Juninho

Será um sistema muito bem vindo, se vai substituir o Android não sei mas a longo prazo se ele tiver um melhor desempenho em smartphone fraquinhos de baixo custo claro que vai crescer e muito, claro que no contexto geral esse sistema representa muito mais do que isso, no aguardo pq ainda falta muita coisa

João

Não seria mais fácil chamar de New Android ou algo assim pra não espantar os bilhões de consumidores q eles já tem?

uB.

O nome vai mudar, este é o nome do projeto.

Android é tão consolidado que é capaz de chamar chamar Fuchsia de Android ou alguma variação.

Jairo ☠️

Interessante , bom seria se fosse possível efetuar portabilidade também para celulares

Daniel

Sempre citam essa questão do ultra-low-voltage quando falam do Linux no Android, mas o kernel está rodando em milhões de smartphones e isso nunca foi um problema.

Assunção Jr

pareceu os títulos de Bing Bang the Theory

Exibir mais comentários