Início » Internet » Google diz que não mostra resultados tendenciosos contra conservadores

Google diz que não mostra resultados tendenciosos contra conservadores

A companhia precisará responder a acusações de parcialidade no Senado dos Estados Unidos

Victor Hugo Silva Por
21 semanas atrás

O Google é frequentemente acusado de ter perfil liberal e, por isso, influenciar negativamente as buscas com ponto de vista conservador. Para esclarecer a situação, a empresa participa neste momento de uma audiência na subcomisão sobre a Constituição no Senado americano.

Os senadores questionam o vice-presidente de assuntos governamentais globais e políticas públicas da Alphabet, Karan Bhatia. O executivo, que já trabalhou com o presidente republicano George W. Bush, afirmou que "os produtos do Google não são politicamente tendenciosos".

Foto por Drew Tarvin/Flickr

A declaração foi dada à Fox News e deverá ser repetida aos senadores na comissão, disponível neste link. Segundo Bhatia, a empresa "se esforça extraordinariamente para construir produtos e aplicar políticas de maneira que as inclinações políticas não sejam levadas em conta".

À Fox News, ele também destacou que as bilhões de pesquisas realizadas no Google têm "abordagem algorítmica" e qualquer alteração no algoritmo passa por "testes e avaliações rigorosas" antes de ser implementada pela companhia.

Políticos republicanos como Donald Trump acusam o Google de apresentar resultados tendenciosos em buscas. O presidente dos EUA chegou a afirmar que a empresa manipula buscas para priorizar críticas ao seu governo.

O senador republicano Ted Cruz, presidente da subcomissão que ouvirá Bhatia, tem um posicionamento parecido. Em entrevista à Fox News, ele afirmou que a empresa é um "monopólio" e que prejudica os resultados de busca com os quais não concorda.

"O Google pode muito bem ser a empresa mais poderosa na face do planeta porque eles têm o monopólio da informação", disse nesta terça-feira. "E o problema é que eles usam poderes para silenciar vozes que não gostam".

Com informações: Reuters.

Mais sobre: