Início » Aplicativos e Software » Google bane empresa chinesa que fazia apps de Android com anúncios maliciosos

Google bane empresa chinesa que fazia apps de Android com anúncios maliciosos

Desenvolvedora chinesa CooTek teve mais de 60 apps removidos do Google Play, incluindo TouchPal Keyboard

Paulo Higa Por
17 semanas atrás

O Google expulsou a empresa CooTek da Play Store e da plataforma de anúncios AdMob. A desenvolvedora, responsável por centenas de aplicativos para Android, incluindo o TouchPal Keyboard, é mais uma companhia chinesa a receber uma punição do Google por implantar adwares em seus produtos. Em abril, a DU Group, com participação do Baidu, também teve seus aplicativos removidos do Google Play.

TouchPal Keyboard

O banimento da CooTek veio depois que uma investigação do BuzzFeed e da empresa de segurança Lookout detectou o adware BeiTaAd em 238 aplicativos da Play Store, que somavam pelo menos 440 milhões de instalações. O adware “tornava um dispositivo móvel quase inutilizável”, segundo a Lookout, por meio da exibição de propagandas em áudio e vídeo mesmo quando o aparelho estava em standby.

Para não ser detectado pelos filtros automáticos do Google Play, o BeiTaAd ficava bem escondido no código-fonte dos aplicativos: ele era criptografado com AES e se apresentava com o nome icon-icomoon-gemini.renc, mas na verdade era um arquivo *.dex, ou seja, um executável do Dalvik, a máquina virtual do Android.

“Os usuários relataram que não conseguiam atender ligações ou interagir com outros aplicativos, devido à natureza persistente e invasiva dos anúncios exibidos. Esses anúncios não bombardeiam o usuário imediatamente após o aplicativo ser instalado, mas ficam visíveis pelo menos 24 horas após o aplicativo ser executado”, diz a Lookout.

A CooTek, que é uma empresa de capital aberto negociada na bolsa de Nova York, informou em nota ao mercado nesta quarta-feira (17) que “está em comunicação contínua com o Google para esclarecer os possíveis mal-entendidos”, e que a medida não afeta os usuários já existentes. Diz ainda que reexaminou seus aplicativos e “não encontrou evidências que sustentem as alegações de um certo veículo de mídia”.