Início » Telecomunicações » TIM e Vivo fecham acordo para compartilhar redes 2G e 4G no Brasil

TIM e Vivo fecham acordo para compartilhar redes 2G e 4G no Brasil

Operadoras devem economizar em infraestrutura ao compartilhar rede 2G; 4G será dividido em cidades com até 30 mil habitantes

Lucas Braga Por

A TIM e a Vivo assinam nesta terça-feira (23) um Memorando de Entendimento sobre novos acordos de compartilhamento de rede: as duas operadoras preveem o compartilhamento da rede 2G em nível nacional; e do 4G em municípios pequenos, com menos de 30 mil habitantes.

TIM e Vivo dividem torres, equipamentos e espectro

O modelo single grid consiste em uma rede única na qual as torres, equipamentos, espectro e demais infraestruturas sejam integralmente compartilhados entre Vivo e TIM, que dividem os custos de manutenção e investimentos. É diferente de outros tipos de compartilhamento existentes, como o RAN Sharing, onde as operadoras apenas dividem o acesso de rádio; ou mesmo o roaming, que basicamente é um aluguel de infraestrutura de uma operadora concorrente.

Num modelo single grid, o compartilhamento da cobertura 2G é benéfico para ambas as operadoras, uma vez que a demanda por esse tipo de rede é cada vez menor devido à migração para o 4G. Redes de segunda geração ainda são importantes por conectar diversos dispositivos M2M, como rastreadores veiculares, máquinas de cartão de crédito e outras aplicações de internet das coisas.

Já o compartilhamento de 4G fica restrito a municípios com menos de 30 mil habitantes, com infraestrutura de 700 MHz. É possível que, no futuro, haja expansão para cidades maiores. TIM e Vivo também avaliarão o compartilhamento de outras tecnologias.

Para o compartilhamento, as operadoras irão analisar as oportunidades de eficiência e redução de custos em operação, manutenção da infraestrutura, energia elétrica e aluguel de sites. Vivo e TIM destacam que o memorando está alinhado com desafios relacionados à otimização de uso de energia e de espaços públicos.

Quando se trata de cobertura 2G, a Vivo atende 3.891 municípios, enquanto a TIM está presente em 3.529 cidades. Nos próximos 90 dias, ambas trabalharão em conjunto para detalhar o plano de compartilhamento, que, quando concluído, será submetido para aprovação das autoridades.

Mais sobre: , , , , ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Leandro Nascimento
Pois é... aqui na minha cidade ta impossível usar o 4G da TIM. O sinal tora no máximo, mas não carrega nem WhatsApp. Eu mudo pro 3G e o negócio voa de rápido.
Lobo Solitário
Aí já não sei. Só sei que nos 3 dias que fiquei lá com meus amigos, Tim tava mais morto que sei lá o que. Enquanto Vivo tava tinindo.
Caio Cesar Sestrem
Entao tem algo de errado com a antena la naquele dia porque a tim tem bem mais antenas que a vivo http://www.telebrasil.org.b...
Wellington Gabriel de Borba
Falam, falam e a cobertura da TIM continua me dando raiva. Não sei onde está esse 4G maior do Brasil, em GO é o menor junto com a Oi.
Lobo Solitário
Dúvida de leigo. Fazendo isso o sinal que já tá congestionado não fica pior ainda?
Lobo Solitário
Wtf? Não generalize. Lá na cidade que tem o Beto Carreiro, Vivo pega maravilhosamente enquanto Tim nem sinal de vida dava direito, só citando um exemplo.
Jorge Luis
claro que tim
Baio-kun
Leu a matéria?
Vitor Mikaelson
Tem uma torre perto de casa que é Oi/Claro/TIM/Vivo/Sercomtel hahahahaha
André G
Sim, isso se chama RAN Sharing.Existem vários modelos de RAN Sharing, um deles é quando uma operadora constrói uma torre e compartilha a torre para outra operadora também instalar suas antenas. Tem quem não considere isso um RAN Sharing.Outro modelo é quando uma operadora tem as antenas funcionando com a rede dela, mas também funciona com a rede de outra operadora. Quando o sistema verifica que o número pertence a operadora X ele direciona automaticamente para a operadora X e a operadora Y nem tem acesso ao que você fez.E o modelo de RAN Sharing que provavelmente aconteceu com você é um modelo onde o sistema das antenas não filtra os números com base na operadora, se você executar uma chamada ela vai passar por todo o sistema da operadora como operadora Y, apenas no serviço de tarifa que você será redirecionado à operadora X.A diferença dos dois últimos modelos interessam mais para quem trabalha com a rede, para o usuário não tem diferença.
Leandro L.
Daí vem o Governo querendo privatiza tudo pra abrir a concorrência! Faz me rir Brasil.
Felipe Braz
vivo?
Maezono
oi?
Hemerson Silva
desnecessario
Hemerson Silva
https://tecnoblog.net/25541...
Luiz Fernando
Acredito que a Tim compartilha rede com a Claro tbm, pois em uma viajem apareceu no meu celular "Claro-Tim", e o meu celular nem chip da claro tem
Caio Cesar Sestrem
Ainda bem porque em santa catarina e no parana a vivo nao tem uma boa cobertura ja a tim é a melhor
PinPortal ✔️
O que está acontecendo mais recentemente (2013 para cá) é que antes as ERBs (estações rádio base), ou seja, as torres de celular eram construídas pela própria operadora. Ela alugava o terreno, obtinha as licenças e construía alí a torre. Elas tinham a visam de que ter sinal na região X era sinônimo de ter mais clientes, então "a torre é minha, não empresto pra ninguém". Depois viram que é muito caro manter uma torre sozinha, ou você vende para alguém e depois aluga um dos andares ou compartilha diretamente com outras concorrentes e o foco vira ter o melhor serviço e não o melhor sinal.Porém muitas torres começaram a ser vendidas por elas para fazer caixa. Quem compra são empresas especializadas em administra torres de celular, que alugam cada andar da torre para uma operadora. Então uma torre pode ser de 3, 4, 5 operadoras, por exemplo.Como no Brasil cada município tem a sua regulamentação própria para instalar uma torre, é muito burocrático e lento (às vezes demora mais de 4 anos). Então nada mais inteligente do que utilizar as existentes para isso.Cada operadora coloca os seus equipamentos na torre, relógio de luz, antena 3G/4G, etc.Só para você ter uma ideia, tem uma torre próxima de onde eu moro que alí estão instaladas Tim/Oi/Claro/Nextel.Há ainda o compartilhamento de frequências: uma operadora instala o equipamento e divide a frequência que ela tem direito com outra operadora (poderia até congestionar a rede, mas eles fazem isso em regiões mais ociosas, após anos de análise do uso daquela ERB na região).Tem um aplicativo android na Playstore chamado Serviço Móvel que você pode ver as torres de cada operadora. Se elas estão no mesmo ponto, provavelmente compartilham a torre (cada uma com o seu equipamento) ou a frequência.Só não dá pra saber de quem é a torre.
McFake
Adiciona a claro e já temos o 666 prontinho!
Franco Luiz
O 6 junto com o meia duzia
phsodre
As Teles já vem sugerindo isso ao Governo a anos. Pq elas são impedidas de colocar as torres mais próximas, por conta de leis Estaduais e Municipais de infraestrutura urbana. Aí acaba criando aquelas lacunas onde alguns locais da cidade, não funcionam a rede de uma determinada operadora. Entretanto isso iria reduzir substancialmente os custos que as Teles teriam com equipamentos e manutenção, o que tbm reduziria a arrecadação do Governo. Por isso eles são resistentes à ideia. Mas na real, o certo é elas partilharem toda a rede e aproveitar o que já existe. O próprio 5G é pensado para aproveitar a infraestrutura pré-existente, isso iria diminuir até mesmo a quantidade de material que é jogado fora e que a gente sabe que custa demais ao meio ambiente. Isso inclusive ajudaria qnt as redes de 700Mhz. Por exemplo, aqui no Maranhão, quem usa Claro e Oi, não vai ter acesso a essa rede pq o espectro pra elas, já atingiu o limite. Eu não uso nem TIM e nem VIVO, e só quem usa essas duas terá acesso à essa rede aqui. Então seria uma mão na roda!
André Noia
Duas dúvidas sobre roaming: ele pode acontecer apenas para voz? E quando há roaming para voz + dados, a operadora que está "emprestando" sua infraestrutura para a outra pode definir uma cota de dados?Pergunto isso porque viajei para o interior do Goiás e a Tim (minha operadora) constantemente se conectava à rede alheia em roaming, mas não liberava a Internet por nada, mas voz e SMS funcionavam.Em outros casos, funcionava voz, mas os dados ficavam intermitentes, como se eu tivesse uma cota diária de Mb para usar nesse roaming.
Maezono
e o 5G? hahaha
Fabio Santos
Legal, seria bom se todas compartilhassem desta ajuda afinal quem sairia ganhando o povo, mais na real sabemos que pouca coisa vai mudar exemplo alguns parentes que tenho na cidade próxima a nova londrina chamada Itaúna do Sul lá é péssimo o sinal de ambas vivo e Tim pegando apenas a claro satisfatório então para alguns nada irá mudar kkk.