Início » Telecomunicações » TIM e Vivo fecham acordo para compartilhar redes 2G e 4G no Brasil

TIM e Vivo fecham acordo para compartilhar redes 2G e 4G no Brasil

Operadoras devem economizar em infraestrutura ao compartilhar rede 2G; 4G será dividido em cidades com até 30 mil habitantes

Lucas Braga Por

A TIM e a Vivo assinam nesta terça-feira (23) um Memorando de Entendimento sobre novos acordos de compartilhamento de rede: as duas operadoras preveem o compartilhamento da rede 2G em nível nacional; e do 4G em municípios pequenos, com menos de 30 mil habitantes.

TIM e Vivo dividem torres, equipamentos e espectro

O modelo single grid consiste em uma rede única na qual as torres, equipamentos, espectro e demais infraestruturas sejam integralmente compartilhados entre Vivo e TIM, que dividem os custos de manutenção e investimentos. É diferente de outros tipos de compartilhamento existentes, como o RAN Sharing, onde as operadoras apenas dividem o acesso de rádio; ou mesmo o roaming, que basicamente é um aluguel de infraestrutura de uma operadora concorrente.

Num modelo single grid, o compartilhamento da cobertura 2G é benéfico para ambas as operadoras, uma vez que a demanda por esse tipo de rede é cada vez menor devido à migração para o 4G. Redes de segunda geração ainda são importantes por conectar diversos dispositivos M2M, como rastreadores veiculares, máquinas de cartão de crédito e outras aplicações de internet das coisas.

Já o compartilhamento de 4G fica restrito a municípios com menos de 30 mil habitantes, com infraestrutura de 700 MHz. É possível que, no futuro, haja expansão para cidades maiores. TIM e Vivo também avaliarão o compartilhamento de outras tecnologias.

Para o compartilhamento, as operadoras irão analisar as oportunidades de eficiência e redução de custos em operação, manutenção da infraestrutura, energia elétrica e aluguel de sites. Vivo e TIM destacam que o memorando está alinhado com desafios relacionados à otimização de uso de energia e de espaços públicos.

Quando se trata de cobertura 2G, a Vivo atende 3.891 municípios, enquanto a TIM está presente em 3.529 cidades. Nos próximos 90 dias, ambas trabalharão em conjunto para detalhar o plano de compartilhamento, que, quando concluído, será submetido para aprovação das autoridades.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Leandro Nascimento

Pois é... aqui na minha cidade ta impossível usar o 4G da TIM. O sinal tora no máximo, mas não carrega nem WhatsApp. Eu mudo pro 3G e o negócio voa de rápido.

Lobo Solitário

Aí já não sei. Só sei que nos 3 dias que fiquei lá com meus amigos, Tim tava mais morto que sei lá o que. Enquanto Vivo tava tinindo.

Caio Cesar Sestrem

Entao tem algo de errado com a antena la naquele dia porque a tim tem bem mais antenas que a vivo http://www.telebrasil.org.b...

Wellington Gabriel de Borba

Falam, falam e a cobertura da TIM continua me dando raiva. Não sei onde está esse 4G maior do Brasil, em GO é o menor junto com a Oi.

Lobo Solitário

Dúvida de leigo. Fazendo isso o sinal que já tá congestionado não fica pior ainda?

Lobo Solitário

Wtf? Não generalize. Lá na cidade que tem o Beto Carreiro, Vivo pega maravilhosamente enquanto Tim nem sinal de vida dava direito, só citando um exemplo.

Jorge Luis

claro que tim

Baio-kun

Leu a matéria?

Vitor Mikaelson

Tem uma torre perto de casa que é Oi/Claro/TIM/Vivo/Sercomtel hahahahaha

André G

Sim, isso se chama RAN Sharing.
Existem vários modelos de RAN Sharing, um deles é quando uma operadora constrói uma torre e compartilha a torre para outra operadora também instalar suas antenas. Tem quem não considere isso um RAN Sharing.

Outro modelo é quando uma operadora tem as antenas funcionando com a rede dela, mas também funciona com a rede de outra operadora. Quando o sistema verifica que o número pertence a operadora X ele direciona automaticamente para a operadora X e a operadora Y nem tem acesso ao que você fez.

E o modelo de RAN Sharing que provavelmente aconteceu com você é um modelo onde o sistema das antenas não filtra os números com base na operadora, se você executar uma chamada ela vai passar por todo o sistema da operadora como operadora Y, apenas no serviço de tarifa que você será redirecionado à operadora X.
A diferença dos dois últimos modelos interessam mais para quem trabalha com a rede, para o usuário não tem diferença.

Leandro L.

Daí vem o Governo querendo privatiza tudo pra abrir a concorrência! Faz me rir Brasil.

Felipe Braz

vivo?

Maezono

oi?

Hemerson Silva

desnecessario

Hemerson Silva
Exibir mais comentários