Início » Brasil » Prefeitura de São Paulo quer barrar serviço de mototáxi por aplicativo

Prefeitura de São Paulo quer barrar serviço de mototáxi por aplicativo

A Prefeitura diz que o Picap é "clandestino" e promete multas a motociclistas que se cadastrarem no serviço

Victor Hugo Silva Por

O serviço de mototáxi por aplicativo Picap chegou ao Brasil há poucos dias e já está na mira de algumas autoridades. A Prefeitura de São Paulo afirma que o serviço é “clandestino” e promete aplicar multas de R$ 1.000 a motociclistas que usarem a plataforma.

A informação foi publicada pela Folha de S.Paulo, que também aponta a possibilidade de apreensão da moto em caso de reincidência. A Prefeitura pretende adotar as medidas porque uma lei municipal de 2018 proíbe os mototáxis.

À Folha, um dos autores da lei, o vereador Adilson Amadeu (PTB), afirmou que defenderá a proibição do Picap junto aos órgãos competentes. Segundo ele, o aplicativo poderá crescer rapidamente caso não seja impedido.

Os aplicativos como o Picap ganharam a atenção de autoridades da capital paulista devido ao aumento do número de acidentes fatais envolvendo motociclistas. O prefeito Bruno Covas (PSDB) chegou até mesmo a um acordo para iFood e Loggi acabarem com o bônus pelo número de entregas.

O argumento para a proibição de mototáxis é a preocupação com a segurança de pilotos e passageiros. O serviço não oferece roupas de proteção, como jaquetas e luvas, ou orientações para o usuário não se inclinar para o lado contrário em curvas para não desequilibrar a moto.

Segundo a Folha, que testou o Picap, o único item oferecido durante a viagem é o capacete. No trajeto realizado pelo jornal, o motociclista desviou de carros e caminhões para economizar tempo, mas se manteve em velocidade inferior a 50 km/h.

O deslocamento de cerca de 5 km entre o viaduto Jacareí, no centro de São Paulo, e o estádio do Pacaembu custou R$ 12,50. Enquanto isso, uma viagem do mesmo local até a cidade de Santo André custaria pouco mais de R$ 30.

Se fossem realizadas pela Uber, as mesmas corridas custariam R$ 14,69 e R$ 49,20, respectivamente. Apesar do preço, o Picap ainda tem poucos motociclistas, concentrados em regiões mais afastadas do centro, especialmente nas zonas sul, leste e oeste.

Picap é considerado “ilegal” em seu país

O Picap também é questionado por autoridades da Colômbia, onde foi criado em 2016. Com 200 mil usuários por lá, o serviço é classificado como “ilegal” pelo Ministério dos Transportes colombiano por conta da falta de regulamentação.

A pasta chegou a recorrer na Justiça para impedir seu funcionamento. O governo afirma que o Picap não oferece condições mínimas de segurança e contribui para o aumento do número de acidentes no país. O aplicativo soma 850 mil viagens por mês e tem 20 mil motociclistas cadastrados no país.

Ele opera no México desde 2018 e será levado em breve à Argentina e ao Peru. No Brasil, além de São Paulo, o serviço está sendo implementado no Rio de Janeiro, onde os mototáxis são regulamentados, e em Belo Horizonte e Recife, onde o serviço é proibido.

Uma lei federal de 2009 reconhece a atividade de mototáxis, mas a regulamentação do serviço cabe aos municípios. O Picap afirma que seu entendimento vai ao encontro de decisões judiciais que consideram inconstitucional a proibição do mototáxi por municípios.

“Um decreto municipal não pode contrariar uma lei federal, não cabendo aos municípios proibir o serviço, mas somente definir as regras para a sua execução”, defende a companhia em resposta à Folha.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Leonardo Feelckins

são paulo viverá os 4 anos mais longos de sua vida com esse bruno covas

Porto Velho

Se regularem excessivamente.

PPKX XD ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

Regular é o caminho, mas se regular reclamam...

Alex Temnyk

Ah cara, eu acho bem relativo. Sou motociclista (não motoboy) e ando de forma prudente, sem encurtar meu guidão pra passar em espaço menor, até pq minha moto é custom, então apesar do trânsito de SP ser caótico sim, e mais perigoso que em outras cidades é possível controlar um pouco essa "probabilidade de morte".
O ponto é que motoboy e moto de app corre contra o tempo, então vão com certeza a direção será mais agressiva e arriscada, que é um perigo.

 david

Muda a lei ne lixo!!!

Nioshi

seria engraçado se não fosse triste kkkk

Nioshi

nem sempre, tem parte da população que defende o estado ser nosso papai mesmo a gente tendo 50 anos nas costas...

Jorge Luis

o consumo de açúcar deve causar mais custo. melhor proibir tudo que tenha essa substância.

Jorge Luis

interessante esse ponto de vista. levando em consideração que quase todos os acidentes de trânsito são causados por carros e motos, o que vc acha de proibi-los e deixar apenas os transportes coletivos?

Alessandro

Em São Paulo pode até ser, pq a lei proíbe os mototaxi, mas em cidades onde eles são permitidos, qual o problema desse aplicativo?

Antonio Araújo

É Inconstitucional sim. Se quer falar de "segurança", que definam as regras.

Lord Cheetos
CtbaBr©

Eu também não,
mas quando o "Estado" permitir que eu seja "adulto",
quero poder escolher como e com quem andar!

CtbaBr©

Estado x População...
No "braziu" sempre foi assim... Até que... Nós mudarmos isso!

Lairton Gomes

Que contrato é esse que não assinei?

Exibir mais comentários