Início » Telecomunicações » Recadastramento de celular pré-pago chega a mais 9 estados e DF

Recadastramento de celular pré-pago chega a mais 9 estados e DF

TIM, Claro, Oi e Vivo pedirão dados para clientes com cadastro incompleto; medida deve evitar fraudes com CPF de terceiros

Lucas Braga Por
16 semanas atrás

A atualização cadastral de celulares pré-pagos começou em abril apenas para números do DDD 62. A partir desta quarta-feira (31), inicia-se a segunda etapa do processo em 10 estados: Acre, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Rondônia, Tocantins e Santa Catarina. A medida chega após a Anatel mudar as regras do cadastramento de telefones móveis.

TIM, Vivo, Claro, Oi, Nextel e outras operadoras entrarão em contato via SMS com os clientes que tenham cadastros incompletos ou inconsistências. Será necessário informar o nome completo, CPF (em caso de pessoa física), endereço completo e o CEP. Quem não fizer essa atualização no prazo estipulado pela operadora terá sua linha bloqueada, podendo ser até mesmo cancelada caso o registro não seja regularizado.

O Projeto Cadastro Pré-Pago deve chegar ao restante do país a partir do dia 2 de setembro, caso não seja adiado. Uma segunda fase começará em março de 2020, na qual as operadoras de telefonia móvel adotarão um novo modelo de registro para ativações de chips pré-pagos.

Medida combate fraude de ativação com CPF de terceiros

Uma das principais motivações para o recadastramento de celulares pré-pagos é a prevenção de fraudes. Atualmente, diversos chips estão ativados indevidamente com dados de terceiros, uma vez que apenas o número de CPF é exigido.

Um levantamento da Polícia Civil de São Paulo identificou que 90% de 500 linhas telefônicas usadas por criminosos estavam no nome de uma pessoa sem ligação alguma com o crime, mas cujos dados foram utilizados no cadastro do celular.

As operadoras propuseram a criação de um sistema que permite consultar as linhas registradas em um número de CPF, bem como a validação do cadastro por biometria. Atualmente, para descobrir quais linhas estão vinculadas a um CPF, é necessário consultar cada uma das operadoras.