Início » Internet » Apple e Google suspendem escuta de áudios da Siri e Google Assistente

Apple e Google suspendem escuta de áudios da Siri e Google Assistente

Nenhuma das empresas deixava claro que conversas com Siri e Google Assistente podiam ser ouvidas por funcionários

Emerson Alecrim Por

A revelação de que os comandos de voz dados ao Google Assistente podem ser ouvidos por terceiros não pegou bem. O mesmo vale para a descoberta de que existe uma prática similar com relação à Siri. É por isso que Google e Apple decidiram suspender o acesso a essas gravações, pelo menos até novas abordagens serem desenvolvidas.

Siri

No caso do Google, funcionários eram autorizados a ouvir e transcrever gravações de usuários para ajudar o assistente de voz a ser mais preciso no reconhecimento de comandos.

O programa da Apple tinha finalidade similar: funcionários terceirizados eram contratados para ouvir uma pequena parte das gravações relacionadas à Siri (menos de 1% delas, de acordo com a Apple) e, assim, identificar ativações acidentais da assistente ou respostas imprecisas, por exemplo.

Em ambos os casos, parece legítima a intenção de aperfeiçoar a tecnologia. O problema são os efeitos colaterais, por assim dizer: muitas gravações contêm informações sensíveis, existe a possibilidade de que os dados sejam usados indevidamente pelos funcionários e os termos de uso dos dois assistentes não deixam claro que as conversas podem ser ouvidas.

Para dar uma ideia do quão frágil o controle sobre as gravações parece ser, o próprio Google reconheceu que os áudios foram vazados por um funcionário que violou as políticas de segurança da empresa.

Diante das críticas, o Google decidiu suspender as transcrições na União Europeia — os áudios que vazaram têm origem na Bélgica e Holanda. À CNBC, a companhia explicou que tomou a decisão logo após a denúncia vir à tona e que está tratando do assunto com autoridades de proteção de dados.

Foto por Mack Male/Flickr

A suspensão deverá durar pelo menos três meses. O Google defendeu a prática argumentando que faz transcrições de apenas 0,2% das gravações e que elas não são associadas às contas dos usuários que as geraram. Provavelmente, a companhia adotará medidas para legitimar as transcrições, como descrever essa possibilidade com mais clareza em seus termos de uso.

Já a Apple diz estar comprometida em fornecer uma ótima experiência com a Siri e ao mesmo tempo proteger a privacidade do usuário, por isso, anunciou a suspensão global do uso das gravações para uma revisão completa do programa.

Uma das medidas que a Apple deverá adotar é uma atualização de software que permitirá ao usuário consentir ou não que seus comandos de voz sejam coletados e ouvidos (presumivelmente de maneira anônima) para aperfeiçoamento da tecnologia.

Apesar de as duas companhias terem tomado a decisão de suspender os programas, a possibilidade de autoridades investigarem profundamente as denúncias não está descartada. Analistas apontam que o Google pode ter violado o GDPR, por exemplo.

Com informações: TechCrunch, The Next Web.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Paulão da Regulagem

Eh o famoso:

“Se der errado a gente se desculpa e oferece a opção de bloquear”

PS: Tecnoblog apagou pq meu comentário anterior??

Daniel Ribeiro

Mas esse é justamente o meu ponto. Não é difícil. Você não precisa conhecer o freaking dono da empresa, você só precisa conhecer alguém lá dentro, e o acesso vai escalar.

Tem a história do cara que descobriu que a mulher estava traindo ele porque pediu pra um amigo que trabalha na seguradora do carro dela levantar com a empresa do rastreador para que ela envie o log de rastreamento do último mês. O cara trabalha no RH... E por ai você consegue imaginar a cadeia de pessoas que tiveram que ser acionadas dentro da empresa pra poder obter essa informação.

Numa situação normal, a própria mulher (que é a segurada), não teria um acesso direto à empresa que faz o rastreamento para pedir isso (pois a informação é confidencial e apenas a seguradora tem acesso). Mas o marido dela, que não tem relação comercial nenhuma com nenhuma das duas empresas, conseguiu a informação apenas porque tem um amigo lá dentro.

Dayman Novaes

Sim, se eu for amigo próximo do Larry Page, mesmo eu nunca tendo trabalho na Google, provavelmente consigo ter acesso à suas pesquisas no Google, se eu tiver um bom motivo. Mas dizer isso é bem diferente do que você deu a entender anteriormente: que todos os funcionários de uma empresa tem acesso indiscriminado, ou acesso relativamente fácil, aos dados de qualquer cliente.

Com certeza não é indiscriminado e com certeza não é nem relativamente fácil, dependendo da sua posição na empresa.

Daniel Ribeiro

É... Mas nenhuma política sobrevive ao coleguismo... O cara trabalha no Telemarketing da "TeleFulano"... A amiga de um amigo dele pede pra ele "Ow Fi, pode puxar o endereço desse número de telefone aqui?"

Claro... O cara chega no sistema, digita o telefone, vem toda a capivara, ele anota tudo e entrega no outro dia.

Ou o cara trabalha na área comercial, e tem acesso a um dos DBAs da empresa... Chega no cara e fala "Pode consultar ai por favor os dados cadastrais do CPF X?

Sempre tem um jeito... E normalmente é muito mais simples do que parece. Até o "tio da limpeza" consegue pedir informações para alguém mais camarada e mais conectado se quiser.

Paulo Manso

Depois a Apple vem com aquela conversinha de "privacidade"...

Diogo

Resumo da notícia: quem tem c*, tem medo.

Franco Luiz

Cansaram de ouvir casais transando pelo visto

Buldego

Mas eles podem ter acesso as gravações sem ter acesso a quem pertence, é totalmente possível.

Dayman Novaes

Mas é verdade uai, nem todo mundo da empresa tem acesso à todas as informações de seus clientes. Existem inclusive instituições terceirizadas que emitem certificados para atestar se determinadas empresas seguem essas políticas de proteção, como a SOC 2 por exemplo.

Daniel Ribeiro

Chega a ser patético a Apple e o Google dizer que seus próprios funcionários não tem acesso aos dados dos usuários... É o mesmo que dizer que um funcionário de um banco não tem acesso ao saldo da conta de qualquer correntista, ou que um funcionário de uma empresa de telefonia, água, luz ou gás não consegue descobrir o endereço de qualquer um de seus clientes, ou que um funcionário do DETRAN não consegue saber sobre qualquer veículo de uma pessoa.