Início » Brasil » MEC ameaça processar a Wikipédia por verbete de Weintraub

MEC ameaça processar a Wikipédia por verbete de Weintraub

O Ministério da Educação afirma que a página de Abraham Weintraub contém informações equivocadas

Por
16/08/2019 às 11h22

O Ministério da Educação voltou a acionar a Wikipédia por conta do verbete do ministro Abraham Weintraub. Em e-mail enviado na terça-feira (13), o MEC afirmou que adotaria “medidas judiciais cabíveis” se não tivesse uma resposta sobre seu pedido de liberação de edição da página.

Segundo o ministério, o bloqueio que havia sido imposto ao verbete impedia Weintraub de “exercer o seu direito à ampla defesa e o contraditório”. O MEC argumentou que a página contém informações equivocadas sobre “contingenciamento” e a vida pessoal do ministro.

Na mensagem, o órgão deu um prazo de 5 dias para receber o posicionamento sobre a liberação de edição do verbete de Weintraub e, assim, não entrar na Justiça. O bloqueio de edição  foi criado por um usuário em 25 de julho e valeria até 25 de agosto.

A medida foi adotada sob a justificativa de “vandalismo excessivo”, quando há edição que comprometa a qualidade do verbete. A ameaça de processo foi enviada a Rodrigo Padula, um dos administradores da Wikipédia em português.

Em resposta ao ministério, Padula afirmou ter retirado o bloqueio de edição da página e explicou que a Wikipédia tem regras criadas por voluntários. A comunidade do site orienta que as edições evitem conflitos de interesse e usem fontes fiáveis e verificáveis.

A mensagem também indica que, se o MEC editar o verbete sem seguir as regras, as mudanças serão revertidas ou eliminadas por outros editores. Ele também se colocou a disposição para explicar o funcionamento da plataforma à equipe do Ministério da Educação.

Ao Tecnoblog, Padula explicou que retirou o bloqueio por entender que a decisão do outro usuário foi desnecessária, e não por conta da mensagem do ministério. Ainda assim, ele critica a “pressão do Estado brasileiro contra o projeto”.

Para Padula, ao mesmo tempo em que existe um desconhecimento sobre as dinâmicas da Wikipédia, há uma tentativa de censurar a plataforma, mantendo somente as informações que são de interesse do ministro.

“Mas a Wikipédia não funciona assim, é uma enciclopédia aberta, colaborativa, qualquer pessoa pode incrementar uma biografia com assuntos relevantes sobre o biografado, claro, desde que baseado em fontes verificáveis e fiáveis”, afirma.

Esta não é a primeira vez que o Ministério da Educação tem conflito com a Wikipédia. Em julho, a pasta pediu a exclusão da página de Weintraub na plataforma por entender que ela apresentava “informações não confirmadas”.

Na ocasião, o MEC também reclamou da “impossibilidade de edição” e afirmou que o texto poderia levar a “interpretações dúbias”. O verbete de Weintraub foi criado em 8 de abril, após sua nomeação ao cargo em substituição a Ricardo Vélez Rodriguez.

Nos últimos 90 dias, a página registra 77,1 mil visitas e costuma ter entre 300 e 1.200 visitas diárias. Apenas em 4 de julho, data da repercussão do pedido feito pelo MEC, o verbete contabilizou cerca de 23 mil visitas.

O Ministério da Educação foi procurado pelo Tecnoblog, mas não se posicionou até a publicação deste post.