Início » Negócios » Banco Central criará sistema para substituir transferências via TED e DOC

Banco Central criará sistema para substituir transferências via TED e DOC

Novo sistema de pagamentos instantâneos terá transferências em segundos e funcionamento 24 horas

Paulo Higa Por

Demorou, mas o Banco Central está avançando no desenvolvimento de um novo sistema de pagamentos instantâneos: ele deverá substituir os atuais métodos de transferência bancária por uma tecnologia mais rápida, barata e que funcione 24 horas por dia.

Foto por joelfotos/Pixabay

Duas das formas mais comuns de transferir recursos entre contas bancárias são a TED (Transferência Eletrônica Disponível) e o DOC (Documento de Ordem de Crédito). O DOC permite enviar até R$ 4.999,99 e chega ao destino no próximo dia útil. Já a TED não tem limite e é enviado ao destinatário em alguns minutos. Ambos, no entanto, só funcionam em dias úteis, das 6h30 às 17h.

Como informa a Agência Brasil, o Banco Central é quem será o responsável por desenvolver e administrar a tecnologia, para “maximizar ganhos de escala e efeitos de rede típicos da indústria de pagamentos”.

E como isso vai funcionar? Os requisitos fundamentais foram publicados em dezembro de 2018. A infraestrutura será centralizada e “estará disponível 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias do ano”. Já o processo de transferência poderá ser realizado totalmente pelo celular, com a ajuda de um “código único de identificação”, como um QR Code.

“Para o recebedor, a diminuição no número de intermediários significa menor custo de aceitação em relação aos demais instrumentos de pagamento. O estabelecimento comercial precisará ter somente um código único de identificação para permitir que seus clientes façam a leitura desse código por meio de seus smartphones. Nesse código estarão contidas todas as informações necessárias para que os recursos sejam transferidos instantaneamente”, diz o BC.

De acordo com o Banco Central, o novo modelo é “propício para o aparecimento de fintechs que desenvolvam soluções inovadoras para facilitar as transações de pagamento, tanto para pagadores quanto para recebedores”. Para o BC, essas fintechs “oferecer serviços agregados ao serviço básico de pagamento, como oferta de seguros, crédito, investimentos, conciliação, pagamentos de tributos, etc.”

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Stanley

NFC é o novo black card. Dá classe pagar um drink no balcão do bar com ele.

RODRIGO

Pag! e inter não pagam taxa de saque!! Este é o diferencial em relação ao nubank, no qual pagará R$ 6,50 por sacar, independente do valor sacado, apenas por cada saque feito!!

richardsonvix

O Nubank eu tenho há um bom tempo, depois Nuconta PF e depois PJ (mais recente), por enquanto fico com ele até encontrar algum limitador, mas de longe é o melhor porque nasceu para ser assim, fora da caixa, não foi um "novo" serviço dentro de uma instituição financeira velha (como BB, ITI, ...) ou uma fintech com cara de nova, mas bancada pelos velhos bancos.

O Inter é minha segunda opção.

Pag! não testei.

RODRIGO

É isso mesmo!! Os bancos nunca ficaram em crise sócio-econômica nesta república de bananas!! Fiquei decepcionado com o iti prometendo ser anti-burocrático para abrir uma conta digital!! Mas certas fintechs cobram taxas sobre taxas para ter ''serviços ilimitados''!!! Os melhorezinhos são pag!, nubank e inter!! Não tem para ninguém concorrer de igual a igual como eles!!!

Natthan Fruche Terzi

Crédito não pois parcela, Picpay parcela ??

Natthan Fruche Terzi

Funciona assim, atualmente você tinha que cadastrar um cartão de crédito para fazer os pagamentos via NFC/QRcode, pois o unico sistema que funciona 24h e valida uma transação era o sistema de cartões de crédito, agora em teoria, não precisa mais de cartão de crédito, pois uma transferência poderá ser feita 24h por dia e será instantânea... O QRcode só contem os dados para quem você vai transferir, nada de mais, só um atalho...

Natthan Fruche Terzi

Exatamente, NFC acredito eu, aos poucos vai acabar, pois precisa de um componente a mais nos smartphones, e o QRcode é praticamente anti falhas, pois na hora o vendedor verifica que ja recebeu...

richardsonvix

Sim, eu tinha o ITI, não cheguei a me cadastrar, antes de lançarem me inscrevi no beta e quando saiu o app ainda fechado pude instalar, até troquei uma conversa com um dev de lá por conta de um problema que tive naquela época.

O negócio é que os bancos - aquelas instituições que são as únicas que tem lucro (junto com políticos) - fazem um marketing que estão vendendo a criação de contas (é o que querem!) fácil e com algumas utilidades copiadas das fintechs, mas no final param no mesmo processo burocrático de sempre, isso se não tem lá nas entrelinhas "contas cridas assim e assados não tem isso ou aquilo e tem limites desse e daquele jeito", cair numa modalidade de conta assim como outras que já existem.

RODRIGO

O itaú criou o iti, que faz recargas e pagamentos via QR Code sem precisar ser bancarizado(ter conta em banco)!! Assim tomou um pouco de vergonha na cara dos serviços burocráticos(é privado, imagina se fosse público)!!!

Porto Velho

Porque esse novo método do BC só serve pra transferir o dinheiro de uma conta pra outra (débito), não deixar pra pagar na próxima fatura.

Fabricio de Oliveira Silva

A Mi Band 4 NFC custa bem menos de R$ 1000, só não tem suporte aqui no Brasil.

Fabricio de Oliveira Silva

Se não me engano, Alipay também oferece pagamentos via QR Code. O Amazfit Bip mesmo tem essa função lá.

Marcos

Por que crédito não? Picpay manda um abraço!

Marcos

Pra que NFC? Tem o Wechat na China e o Picpay no Brasil que permitem pagar lendo um qr code. Funciona até melhor que NFC, cansei de passar raiva com o Google Pay e Samsung Pay...

Marcos

Na China tem o Wechat, que é extremamente popular.

Exibir mais comentários