Início » Computador » SSDs Samsung PM1733 e PM1735 têm até 30 TB e tecnologia “antimorte”

SSDs Samsung PM1733 e PM1735 têm até 30 TB e tecnologia “antimorte”

Os novos SSDs Samsung PM1733 e PM1735 são voltados a servidores e aplicações profissionais

Emerson Alecrim Por

É interessante como sempre encontramos tecnologias realmente úteis em SSDs voltados ao segmento corporativo. A Samsung, por exemplo, anunciou nesta quinta-feira (19) as linhas PM1733 e PM1735 que, além da grande capacidade de armazenamento, têm tecnologia "antimorte".

SSD Samsung PM1733 U.2

SSD Samsung PM1733 U.2

O anúncio oficial foi feito hoje, mas essas linhas estão em produção desde o mês passado. Elas são NVMe e têm como base o PCI Express 4.0. Mas o que as torna tão interessantes é a tecnologia FIP (Fail in Place). Com esse software, o SSD continua funcionando mesmo se um dos seus chips de armazenamento de dados apresentar defeito.

Além de detectar o chip problemático, a tecnologia FIP permite que os dados armazenados ali sejam automaticamente realocados em chips que operam normalmente, sem que a aplicação tenha que ser interrompida ou perca desempenho.

Há pelo menos duas vantagens nisso: o SSD não se torna inutilizável por conta de um defeito em um chip; se mesmo assim a troca da unidade for desejável, pode-se esperar para o procedimento ser feito durante uma rotina de manutenção.

As duas linhas estão disponíveis em dois formatos: U.2 de 2,5 polegadas e HHHL, ou seja, em formato de placa. Em ambas, as capacidades de armazenamento variam bastante (e note que a Samsung não arredonda essas capacidades). Vamos a elas:

  • SSD Samsung PM1733 U.2: 0,96 TB, 1,92 TB, 3,84 TB, 7,68 TB, 15,36 TB e 30,72 TB
  • SSD Samsung PM1733 HHHL: 1,92 TB, 3,84 TB, 7,68 TB e 15,36 TB
  • SSD Samsung PM1735 U.2: 0,8 TB, 1,6 TB, 3,2 TB, 6,4 TB e 12,8 TB
  • SSD Samsung PM1735 HHHL: 1,6 TB, 3,2 TB, 6,4 TB e 12,8 TB

Tanto na linha Samsung PM1733 quanto na PM1735, as velocidades de leitura e escrita sequencial são de 6.400 MB/s (megabytes por segundo) e 3.800 MB/s nas unidades U.2, respectivamente. Nos SSDs HHHL, a taxa de escrita permanece em 3.800 MB/s, mas a de leitura vai a 8.000 MB/s.

SSD Samsung PM1733 HHHL

SSD Samsung PM1733 HHHL

Outras características em comum incluem um software de virtualização que permite que o SSD seja "dividido" em unidades menores para acesso simultâneo de múltiplos usuários, além de um sistema baseado em aprendizagem de máquina para garantir a confiabilidade dos dados em operações muito rápidas de leitura.

Basicamente, o que diferencia a linha Samsung PM1733 da PM1735 é o DWPD (Drive Writes Per Day), parâmetro que indica quantas operações de gravação o SSD suporta por dia durante a sua vida útil.

A linha Samsung PM1733 vem com 1 DWPD, o que significa que a versão de 0,96 TB, por exemplo, pode ter toda essa capacidade regravada por dia. Já a linha Samsung PM1735 conta com 3 DWPD (100% da capacidade pode ser regravada três vezes por dia). Em ambas, a garantia é de cinco anos.

Preços? Não foram revelados pela Samsung, até porque SSDs para fins corporativos costumam ser negociados em lotes.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Cristiano Hahn
Mesmo modelos atuais, mas a vida útil dos discos SSD é gigante, então sequer se preocupe com Isso
Keaton
Me referia aos SSDs atuais, diferentes desse modelo.
Cristiano Hahn
tanto faz onde, se um chip morrer vc se lasca, isso vale para ssd, hdd MB, celular etc...
FastSloth87
Espera sentado, tá confirmado já que a próxima geração da Intel, que ainda vai ser 14nm++++++++, vai continuar no PCIe 3.0.
FastSloth87
Pro home user morreu mesmo, as fabricantes decidiram colocar mais slots M.2 nas placas do que U.2. Até pq é mto mais simples pro consumidor, chega da bagunça de cabos!Nos servidores é outra história, eles precisam de vários drives pra redundância, performance e mais importante, hot-swap, trocar um drive U.2 é mto mais rápido do que trocar um M.2, e M.2 nem suporta hot-swap.
Eduardo Alvim
No caso esse FreeNAS é local mesmo, servidor de arquivos na LAN. Hoje temos RaidZ com 4x4TB e crescendo...
Rennan Maldonado Pozzati
Acho que o maior problema dos SSDs em servidores é que eles tem limite no número de gravações, que apesar de ser grande ainda existe, fica difícil justificar pagar mais por GB sabendo que não vai durar tanto quanto um HD, fora que a maioria dos usuários não vão perceber a diferença por causa do limite da conexão de internet.
wzwellington
Kkkkkkkkkkk
Keaton
Pera... se UM chip morrer/der defeito eu perco o SSD TODO?!Ninguém me contou isso.... FFFFFFFFFF
RODRIGO
Está ainda esperando pela intel???? 5555555!!! Ela nem está inovando nada com nada!!! Viva a AMD!!!!
Rodrigo Vieira
Aguardando sair novas placas mãe com chipset da Intel q suporte o PCIe 4.0, pq até agora só AMD com seu chipset X570
Eduardo Alvim
Será que já rola de setar um FreeNAS com RaidZ usando esses discos? Lembro-me de que os discos de estado sólido não eram recomendados para servidores de arquivos alguns anos atrás.
Daniel
Nesse caso esta mesmo, quando pensei em armazenamento e coisa de 2tb pra cima (no meu caso tenho 6tb e em uso 4). No caso da maioria das pessoas 512 GB da e sobra 120/240 GB já tem um valor muito bom.
Fabio Santos
Eu hoje tenho um Intel SSD6 de 512gb como principal de um laptop da pro gasto paguei 498 reais e tem cinco anos de garantia com a Intel.Achei um custo benefício bom pelo que entrega, eu gosto dos NVMe porque além de veloz tem uma vida útil enorme já vi testes que dura até 3x mais que o fabricante cita como base segura.
Daniel
2... Se bem que nem os padrões ainda estão com preços bons (tratando-se de armazenamento) imagine um desse, por aqui no Brasil vai ter que vender metade dos órgãos pra comprar um.
Cameron Poe
haha, tipo isso
Fabio Santos
O coisa boa queria uma unidade desta kkk
Guilherme Oliveira
u2? A banda?
José Vieira
CA-RA-LEO, Impressionante!
Cameron Poe
e eu pensando que o padrão U.2 tinha sido extinto como o sata express, interessante