Início » Negócios » Livraria Cultura aprova venda da Estante Virtual por R$ 44 milhões

Livraria Cultura aprova venda da Estante Virtual por R$ 44 milhões

Venda da Estante Virtual deve ajudar Livraria Cultura a executar plano de recuperação judicial

Emerson Alecrim Por

Comprada pela Livraria Cultura no final de 2017 por valor não revelado, a Estante Virtual deve trocar de mãos em breve. Isso porque a Assembleia Geral de Credores do Grupo Cultura aprovou a venda do sebo online por R$ 44 milhões. A decisão é considerada essencial para o plano de recuperação da companhia.

A Estante Virtual foi comprada como parte da estratégia de expansão da Livraria Cultura. Mas, na ocasião, o negócio causou algum espanto no mercado porque o grupo já enfrentava sérios problemas financeiros.

De lá para cá não houve melhora: a Livraria Cultura mergulhou em uma crise profunda. Em outubro de 2018, a companhia pediu recuperação judicial. A dívida do grupo é estimada em R$ 285 milhões, com a maior parte desse montante envolvendo bancos e fornecedores.

Estante Virtual

O plano de recuperação judicial foi aprovado em abril deste ano. A decisão de venda da Estante Virtual tem relação com esse processo. Na ata da assembleia enviada à Justiça, a companhia afirma que, diante da crise econômica brasileira e da sua necessidade de gerar caixa, precisa vender unidades de negócio “que não têm, neste momento, importância estratégica para a operação”.

Como já informado, o valor aprovado para a venda do sebo online é de R$ 44 milhões. A assembleia de credores também aprovou a venda de créditos tributários na ordem de R$ 32 milhões.

Criada em 2005, a Estante Virtual conta com mais de 5 milhões de clientes cadastrados e, no ano passado, atingiu a marca de 20 milhões de livros vendidos.

Com informações: Estadão.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

johndoe1981

Meu medo é alguma livraria comprar pra encerrar o serviço, torço muito pra que não seja o caso, como não foi quando a Livraria Cultura comprou o site.

SignaPoenae

Discordo que estão migrando do livro para os e-readers. Eu mesmo só voltei a ler depois que a amazon trouxe o kindle para o Brasil, senão nem tinha voltado para os livros. Hoje compro tanto livros digitais quanto fisicos, mangás e revistas.

Acredito que o kindle só aumentou a inclusão de leitores, ao invés de segmenta-los.

Tiago Celestino

E quem vai comprar?

zephyr1an

a cereja do bolo nessa história é que a Cultura era (não sei como é hoje) um péssimo lugar para se trabalhar, os funcionários eram explorados, recebiam salário de fome, ambiente interno ruim, cheio de politicagem...

Jean Rodrigues

Ele só repetiu o que Sergio Herz ja falou como justificativa para a queda das vendas, a alguns anos ele mesmo falou que a livraria tinha que vender "experiência", já que não se vendia livros como antes.
Mais tudo isso so serve como desculpa para sua má gestão ao longo dos anos. Foi uma livraria solida antes, mais o que explica você em meio a uma crise financeira comprar o Estante Virtual por sabe deus quanto?
E outra A historia da FNAC? Como voce aceita RECEBER dinheiro para ficar com suas lojas? Será que o Senhor herz do alto do seu escritório no conjunto nacional se não deve ter percebido que a FNAC também estava mal das pernas e queria se livrar do elefante branco que era o Brasil pra ela?
Temos vários exemplos que o que a Livraria cultura passa é má gestão de um presidente falido que quer jogar a culpa no povo. Ele sim tentou acabar com cultura do pais não pagando as editoras pelo produto que elas vendia.

zephyr1an

"povão não gosta de ler bla bla"
quer dizer então que a culpa é do povo brasileiro, não dos empresários incompetentes donos da Cultura...tá certo

wuhkuh

É uma experiencia que pretendo ter, quem sabe trazer o audio não acende meu desejo em leitura constante

RODRIGO

Também os áudios livros vem com tudo para ficar eternamente entre nós!!!

Thiago Moraes

Concordo em partes. Realmente o brasileiro tem que pegar o hábito pela leitura, mas a questão é que livros em papel tendem a diminuir muito suas vendas, hoje em dia o pessoal tá gostando de ler no kindle, tablet e até celular (meu caso).

RODRIGO

Triste fim de um marco cultural brasileiro, afinal de contas, o povão não gosta de ler não, mais fácil prestar atenção em A Fazenda, BBB, carnaval, novelas, escolas de samba SP e RJ e programas idiotas de ''entretenimento'' da grande imprensa em geral, isso fazem muito rápido!!! Espero pela ótima recuperação judicial à empresa!!!