Início » Negócios » Falta de acordo pode deixar Amazon Fire TV sem Disney+

Falta de acordo pode deixar Amazon Fire TV sem Disney+

Amazon Fire TV responde por quase um terço das vendas de set-top boxes nos Estados Unidos

Paulo Higa Por

A Amazon fechou na terça-feira (1º) um acordo para incluir produções da Disney no catálogo do Prime Video em toda a América Latina. Quem olha pensa que a relação entre as duas empresas está mais do que perfeita no mundo inteiro, mas não é bem assim: o Amazon Fire TV pode se tornar o único grande set-top box do mercado sem acesso ao novo serviço de streaming Disney+.

Disney+ na TV

A informação vem do Wall Street Journal. De acordo com as fontes do jornal, a Amazon quer ter o direito de vender uma “porcentagem substancial” do espaço publicitário dos aplicativos da Disney, mas a empresa de mídia resiste. Com isso, as gigantes estão sem um acordo a pouco mais de um mês do lançamento do Disney+, que estreará nos Estados Unidos no dia 12 de novembro.

Para que um serviço esteja disponível no Fire TV, a Amazon geralmente pede uma porcentagem do inventário de publicidade que pode chegar a 40%, segundo o WSJ, mas com frequência diminui para 30% ou 20%, dependendo das negociações. No caso da Disney, fontes apontam que a tentativa de acordo mais recente envolvia uma fatia de 10% do espaço.

Se as empresas não chegarem a um acordo, o resultado pode ser bem ruim para ambos. Primeiro porque, nos Estados Unidos, o Fire TV é o segundo set-top box mais vendido, com 29% de fatia de mercado, atrás do Roku (41%), mas à frente da Apple TV (14%) e dos Chromecasts do Google (13%). Trata-se de um grande público perdido para a Disney.

Amazon Fire TV Stick

Só que isso também pode significar a saída dos aplicativos da Disney da plataforma da Amazon. Como você sabe, a Disney é dona de metade do mundo: ela controla o serviço de streaming Hulu e tem entre suas propriedades nomes como ESPN, ABC, Fox, National Geographic, Lucasfilm, Marvel e Pixar.

Não se sabe exatamente como a Disney negociou com outras fabricantes de set-top boxes, mas os acordos sempre variam muito. O Roku, por exemplo, costuma pedir 30% do espaço de publicidade das empresas de mídia, mas o Hulu paga 15% do faturamento com assinaturas obtidas pelo set-top box, e o YouTube não divide nada do seu inventário de anúncios, de acordo o WSJ.

Enquanto isso, o tempo corre: o Disney+ estreará nos Estados Unidos em 12 de novembro e já anunciou que terá suporte a Android, iOS, Apple TV, Chromecast, Roku, Xbox One, PlayStation 4 e navegadores web. Ainda não há uma data exata para o lançamento do serviço de streaming da Disney no Brasil, mas ele deverá chegar no final de 2020.

No Brasil, a Amazon vende um único modelo de Fire TV, o Fire TV Stick Basic Edition, por R$ 289, para concorrer diretamente com o Chromecast. A Amazon e o Google já chegaram a se desentender no passado, o que deixou o Fire TV sem YouTube e a loja da Amazon sem vender produtos do Google por meses.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Hemerson Silva

Triste fim para esses serviços de streaming. Reclamam tanto de tv por assinatura, mas essa divisão toda dos serviços é ridícula, antes comprávamos canais, agora pagaremos 200 serviços para ter acesso a tudo.

Vinicius H

Fiquei com a mesma dúvida...

uB.

Caramba, hein! Pessoal quer meter a faca em tudo quer canto.

N entendi, ela quer 10% de espaço publicitário aonde?! No app da Disney+, mas este app vai ter publicidade?

Ou ela tá falando dos filmes q ficam em destaque e ela quer controlar 10% desse conteúdo, é isso? Se for, é muito enxerida, hein! E pergunta: isto é comum nos outros apps? Netflix, Spotify e etc é assim tb?!

Keaton

Biblioteca do Paulo Coelho? Não era Locadora? haha

Caleb Enyawbruce

EEEEEEEEEEEEita que essas brigas vao longe ainda... https://media1.giphy.com/me...

johndoe1981

Vão tomar banho Amazon e Disney, ficam brigando por dinheiro e criando empecilho pro cliente. Aí ele prefere obter o conteúdo na Biblioteca do Paulo Coelho, e no fim das contas não ganha nem uma empresa nem outra.