Início » Negócios » Apple TV+ e Apple Music poderão ser oferecidos em uma única assinatura

Apple TV+ e Apple Music poderão ser oferecidos em uma única assinatura

Antes de oferecer o pacote com Apple TV+ e Apple Music, a empresa conversa com gravadoras

Por
07/10/2019 às 16h12

A Apple tem destinado boa parte de seus esforços em seus serviços por assinatura. Para garantir que eles tenham uma base expressiva de usuários, a empresa também avalia oferecê-los em pacotes. É o que pode acontecer com o Apple TV+ e o Apple Music.

Apple TV+ e Apple Music poderão ser oferecidos em pacote

Segundo o Financial Times, a Apple estuda criar um pacote que dê acesso aos seus serviços de streaming de vídeo e música com apenas uma assinatura. Ainda não há informações sobre quanto eles custariam juntos, mas a companhia já discute a possibilidade com as gravadoras.

Isso porque elas poderão ser afetadas com as mudanças nos cálculos de valores de direitos autorais. As conversas estão em estágio inicial, mas algumas empresa estão abertas ao novo formato. De acordo com o FT, apenas uma das gravadoras mostra ter preocupações com uma possível perda de receita.

O Apple TV+ será lançado nos EUA em 1º de novembro por US$ 4,99 ao mês (no Brasil, ele custará US$ 9,90). O plano individual do Apple Music, por sua vez, sai por US$ 9,99 por mês (R$ 16,90, no Brasil).

Caso decida não reduzir a receita das gravadoras, a Apple poderia cobrar algo em torno de US$ 13 pelo pacote. Nesta caso, a empresa reduziria apenas a margem de seu streaming de vídeo, que terá apenas produções próprias.

A ideia também poderá ser levada para outros serviços da empresa como o Apple News+, que oferece mais de 300 revistas e jornais por US$ 9,99 mensais, e o Arcade, que reúne 100 jogos exclusivos por US$ 4,99 ao mês.

Independentemente do preço, está cada vez mais claro que o foco da Apple não é o lucro a curto prazo, e sim o crescimento do número de usuários. A empresa oferece um ano grátis do Apple TV+ para quem comprar um iPhone, iPad, Apple TV, iPod touch ou Mac e parece estar de olho nas assinaturas pagas que deverão surgir automaticamente em 2020 e 2021 quando o período de testes terminar.