Início » Celular » Apple revela preços do iPhone 11, 11 Pro e 11 Pro Max no Brasil

Apple revela preços do iPhone 11, 11 Pro e 11 Pro Max no Brasil

iPhone 11 tem preço sugerido a partir de R$ 4.999; modelo de 512 GB do iPhone 11 Pro Max custa R$ 9.599

Paulo Higa Por

A Apple revelou nesta quarta-feira (9) os preços do iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max no Brasil. Os celulares serão vendidos no país a partir de 18 de outubro com valores se iniciando em R$ 4.999 para o modelo de entrada com 64 GB de espaço. O mais caro, o iPhone 11 Pro Max de 512 GB, chega às lojas brasileiras por R$ 9.599.

iPhone 11 Pro Max

Os novos iPhones ficaram menos caros em comparação com a geração passada. Em 2018, a Apple trouxe as versões de 64 GB do iPhone XR por R$ 5.199, do iPhone XS por R$ 7.299 e do iPhone XS Max por R$ 7.999. As cifras diminuíram para R$ 4.999 no iPhone 11, R$ 6.999 no iPhone 11 Pro e R$ 7.599 no iPhone 11 Pro Max, uma redução entre 4% e 5%.

Quanto custa

Estes são os preços do iPhone 11, iPhone 11 Pro e iPhone 11 Pro Max:

Modelo Armazenamento Preço Preço nos EUA
iPhone 11 64 GB R$ 4.999 US$ 699
iPhone 11 128 GB R$ 5.299 US$ 749
iPhone 11 256 GB R$ 5.799 US$ 849
iPhone 11 Pro 64 GB R$ 6.999 US$ 999
iPhone 11 Pro 256 GB R$ 7.799 US$ 1.149
iPhone 11 Pro 512 GB R$ 8.999 US$ 1.349
iPhone 11 Pro Max 64 GB R$ 7.599 US$ 1.099
iPhone 11 Pro Max 256 GB R$ 8.399 US$ 1.249
iPhone 11 Pro Max 512 GB R$ 9.599 US$ 1.449

iPhone 11 Pro

Nos Estados Unidos, a Apple lançou o iPhone 11 por 50 dólares a menos que o iPhone XR, que chegou em 2018 por preços entre US$ 749 e 899. No mercado brasileiro, no entanto, a redução apenas seguiu a média dos outros modelos. Quem optar por comprar fora deve lembrar que as versões americanas não funcionam com o 4G de 700 MHz do Brasil.

Os três iPhones contam com processador Apple A13 Bionic, design à prova d’água, câmera frontal de 12 megapixels com filmagem em 4K a 60 fps e baterias melhores que as dos antecessores. Na traseira, eles são equipados com uma câmera principal de 12 megapixels (f/1,8) e uma ultra-angular de mesma resolução.

As principais diferenças ficam por conta de uma câmera telefoto para capturar imagens com zoom de 2x (disponível apenas nos iPhones 11 Pro e 11 Pro Max) e das telas. O iPhone 11 tem um painel LCD de 6,1 polegadas (HD), enquanto os modelos Pro possuem telas OLED com definição superior e tamanhos de 5,8 polegadas (11 Pro) e 6,5 polegadas (11 Pro Max).

Os novos iPhones começam a ser vendidos no Brasil em 18 de outubro, e há desconto de 10% para pagamentos à vista.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Eliézer José Lonczynski

Quem tem pra pagar não deixa de ter. I rest my case.

Nameless Ghoul

não pisa em mim que eu moido

Seu Madruga Comentarista

É... meu caro, penso a mesma coisa. Pegar meu banquinho e sair fora! Não acredito mais em melhora nenhuma nesse país!

Trovalds

Quando o cara começa o texto com "fanboy" e termina com "groselha" é pra ser levado a sério? S8+ mandou um salve pra você. Foi meio acanhado porque o meu antigo LG X Power conseguia ser melhor que ele. "Internet, serious business".

johndoe1981

Cara, eu já vi fanboys ferrenhos da Apple, mas você realmente se superou, escreveu um monte de falácia sobre Android, que eu pacientemente vou refutar:

Existe uma coisa muito útil hoje em dia chamada NUVEM. Transferir arquivo pro PC via cabo em pleno 2019...

E existe uma limitação chamada VELOCIDADE DE UPLOAD. E pra usar essa coisinha chamada Nuvem, é necessário outra coisinha chamada ROTEADOR e ACESSO À INTERNET. Boa sorte usar sua nuvem pra transferir arquivos em locais sem acesso à internet, com internet lenta ou na rede móvel com aquela franquia maravilhosa.

Na verdade, eu nem preciso conectar o Android no PC, hoje basta usar um adaptador OTG e assim conectar um pendrive ou HD externo. iOS, que eu saiba, não tem OTG, pois tudo tem que usar o lixo do iTunes.

Mas com isso você também assume o risco de roubo e/ou interceptação de dados sensíveis. Não que alguns não se importem, mas segurança pra que, né?

Outra falácia. Há 7 anos que uso Android, em todos os aparelhos que tive fiz root e ou desbloqueei o bootloader, e sofri 0 (zero) roubos de dados bancários. Eu não uso aplicativos piratas, pois muitos são gratuitos no Android ou não custam uma fortuna, ao contrário do iOS, e também não instalo qualquer apk de fontes não-confiáveis e não dou permissões aos aplicativos indiscriminadamente.

E a Apple lida com o usuário do jeito certo. Se der liberdade ele VAI fazer besteira. O que mais tem na internet é vídeo e texto com tutorial de como instalar apk fora da loja e como fazer root pra desinstalar aplicativo que vem pré-instalado também. E as assistências tem que ganhar também, já que o que mais tem é celular "brickado".

Restringir coisas básicas não é "lidar com o usuário do jeito certo", é chamar o usuário de trouxa. Root sempre foi, é e sempre será pra quem sabe o que está fazendo, como eu. Risco há, o procedimento não é para principiantes, faz quem quer. E até hoje eu dei 0 (zero) hardbricks nos meus aparelhos, então assistência nunca lucrou comigo.

E de mais a mais: quem se utiliza de jailbreak, instala apk fora da loja ou faz root (ou seja lá o que for pra contornar limitação) é porque não está satisfeito com os SOs de smartphone do jeito que eles foram projetados. Pra esse cidadão não existe SO perfeito. Daí transformam o SO em uma criatura digna de Dr. Frankestein: funciona mas é um remendo atrás do outro.

Outra grande bobagem: o Android mesmo sem root ainda tem bem menos restrições que a porcaria do iOS. Repetindo o que disse, se iOS fosse esse suprassumo da usabilidade, não haveria interesse em jailbreak. E hoje as ROMs stock do Android estão excelentes, e mesmo com root nem de perto são remendos como você afirma ser. Bom pesquisar antes de ficar falando groselha na internet.

Marcio Lima

a cúpula do PT haddad manuela freixo comunistas caviar e champagne a encomendaram 11 pro max kkk

Rafael Moreira

Infelizmente o nosso mercado é esquecido. Atualmente estou com um Pixel 2 XL, não penso em trocar tão cedo. Já tive 2 Nexus, e ambos apresentaram certos problemas. Agora com Pixel é diferente, outro patamar. Mais é aquilo é comprar e correr risco sem garantia. Quando compro aparelhos Google, é só pelo Mercado livre. Espero o preço cair, e após 1 ano compro para se livrar dos primeiros lotes defeituosos. Particularmente não abro mão de Android puro, já estou com terceiro aparelho Google.

Emmanuel Carvalho

Não. Não tem.

Emmanuel Carvalho

Não. Tem duas Wides e uma normal, sem teleobjetiva.

Fonte: https://www.apple.com/br/ip...

Leandro Gonçalves

Queria muito um pixel. Mas o google tá cagando pro mercado brasileiro. Temos que importar ,algo que esta cada vez menos compensatório. E as garantias? Suporte técnico? Não existe! É uma novela! Então liguei o foda-se pra linha pixel....

Rafael Moreira

É esperar pra ver. O Pixel 4 será lançado, e o Google adicionou um segundo sensor justamente para melhorar ainda mais o modo noturno, e o que está sendo ventilado é que a câmera terá resultados melhores que esses novos iPhone. Vale lembrar que a Google Câmera é bruxaria pura, os caras investe pesado no software, não precisa adicionar vários sensores igual as demais fabricantes.

Em geral vai do gosto como você falou, no Pixel por exemplo as cores são naturais, o mínimo de saturação possível.

Fernando Augusto

Não é um reflexo nem do que eu faria e nem das minhas atitudes, não acho que a culpa seja das empresas e sim do modelo de nação que temos , era melhor derrubar e começar do zero, mas eu aqui não quero ficar .

Tecio Ricardo

lógico que eu entendi kkkkkkkkkk, por mais que o comedor de imposto faça a parte dele, tem uma galera que ainda paga. #PAZ

SabarcelTM 12

o povo reclama do preço, porque não é rico... se fosse compraria e não estava nem ai.

Justo é trabalhar, ganhar dinheiro e comprar o que quiser! o povo aceita pagar, eu vou comprar o meu mas vou esperar caber no orçamento. rsrsrs

A maioria aceita pagar mais de 50 mil reais em um gol 1.6...
aceita financiar um apartamento de 450 mil que é vendido pela caixa como popular e pago em trinta anos...qual o problema comprar um iphone de 9 mil reais?

Seu Madruga Comentarista

No Brasil, pra mim, não existe ideário de nação. No máximo de Pátria, e somente de quatro em quatro anos, para a seleção de futebol. No resto, é cada um por si e Deus (ou sua entidade) por todos. Não tem essa de nação aqui não! E todos que reclamam dessas empresas cobrando esses valores, se fossem donos ou sócios iriam pra cobrar o mesmo ou mais! E com a política é a mesma coisa! Se, qualquer um, hoje, entrar lá, vai fazer as mesmas falcatruas e maracutaias! O político não é reflexo da sociedade?

Exibir mais comentários