Início » Negócios » Telegram terá que interromper criptomoeda Gram após bloqueio dos EUA

Telegram terá que interromper criptomoeda Gram após bloqueio dos EUA

Telegram não poderá distribuir criptomoeda Gram devido a liminar da SEC; projeto é semelhante ao Libra, do Facebook

Felipe Ventura Por

Em 2018, o Telegram arrecadou US$ 1,7 bilhão emitindo uma nova criptomoeda chamada Gram. A empresa prometeu entregá-la aos investidores até outubro deste ano, mas talvez não consiga: a SEC, comissão de valores mobiliários dos EUA, obteve uma liminar que impede a distribuição desse token digital. O projeto é semelhante ao Libra, do Facebook, que também enfrenta problemas.

Telegram

O Telegram é acusado de violar a Securities Act, lei de valores mobiliários dos EUA, por não registrar a venda da criptomoeda Gram na SEC. “Defendemos que os réus não forneceram informações aos investidores sobre as operações comerciais, condições financeiras, fatores de risco e gerenciamento dos Grams e do Telegram exigidos por lei”, diz Stephanie Avakian, da SEC, em comunicado.

A TON Issuer, subsidiária do Telegram Group, vendeu cerca de 2,9 bilhões de unidades do Gram para 171 investidores, e mais de 1 bilhão desses tokens foram adquiridos por 39 americanos, de acordo com a SEC.

Telegram pode perder US$ 1,7 bilhão se não emitir Gram

A liminar que barra a distribuição do Gram nos EUA foi concedida pela Justiça federal, e é temporária. No entanto, a SEC quer interromper a criptomoeda permanentemente. “Nós dissemos várias vezes que não há como evitar as leis federais de valores mobiliários apenas rotulando seu produto como criptomoeda ou token digital”, escreve Steven Peikin, da SEC, no comunicado.

O problema é que, se o Telegram não distribuir o Gram até 31 de outubro, a empresa terá que devolver o dinheiro arrecadado — cerca de US$ 1,7 bilhão. Esta é uma cláusula do contrato firmado com os investidores.

O objetivo do Gram é financiar o desenvolvimento de uma blockchain chamada TON (Telegram Open Network) que permitiria realizar pagamentos entre os mais de 200 milhões de usuários do Telegram.

O projeto é semelhante ao Libra, do Facebook, que também vem recebendo más notícias. A Associação Libra perdeu o apoio do PayPal, Visa, Mastercard e eBay. A França quer banir a criptomoeda na União Europeia, e os EUA cogitam barrar a emissão da criptomoeda que a rede social planeja lançar em 2020.

Com informações: SEC, The Verge.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Armageddon

As moedas digitais são uma ameaça aos burocratas corruptos do estado, pois, sendo as criptomoedas descentralizadas, eles perdem o poder de manipular a economia com juros e emissão de dinheiro.

Rafael F. Silva

Parcelando não, mas esses dias fui na padaria comprar 2 pães (R$1) e não consegui, pois lá não tinha maquininha, haha!

Bruno Rocha Pessoa

logico que o estado nao permitira ficar sem o controle do dinheiro do individuo

Bruno Rocha Pessoa
logico que o estado nao permitira ficar sem o controle do dinheiro do individuo
zoiuduu .

rapaz,, ce tá parcelando até o paooo?

Matheus Alexandre

Exato!

Problema é que o Telegram não oferece serviço nenhum, além é claro dessa criptomoeda que pode ser lançada. O que mantém o app é o fundo do russo milionário lá.

Rafael F. Silva

Não tem como vc passar criptomoeda sem internet, e não sei porque cartão de crédito é menos seguro.

Rafael F. Silva

Sim, mas primeiro você precisa de ter/mineirar/comprar bitcoins, e ao usar um cartão de credito para pagar em bitcoins, você não estaria perdendo a principal vantagem dessa moeda? Por que não pagar simplesmente com um cartão normal e evitar essa volta toda?

Bancos digitais estão evoluindo para um meio de transferência sem pagar TED também (eu não pago), e tem o PIC PAY que é ainda mais prático que isso.

Ou seja, de todas as vantagens que criptomoedas podem ter, praticidade nunca será uma delas.

vampent mineruo

Não tem como vc passar cartão sem internet, e com a criptomoeda vai ser mais seguro ainda
Eles so tem de resolver o tempo de transação e a praticidade que ainda é horrível

Rafael F. Silva

O mesmo argumento de "esta sem internet pra passar cartão" é o argumento "está sem internet pra validar transação de criptomoeda". E o fato de o sal não ser usado mais como moeda hoje em dia é porque ele não é nada prático. Cartões de crédito são um método de pagamento recente e praticamente todo lugar do mundo aceitam eles, sabe porquê? É bem mais prático que dinheiro.

jesse moreira

Existem cartões de crédito/débito de algumas exchanges que permitem você pagar por suas compras e o resultado é debitado de sua carteira de bitcoins.
OBS.: hoje em dia você pode usar bancos virtuais e adquirir facilmente, sem pagar TED's e DOC's suas criptomoedas. Você também poderá guardá-las em carteiras físicas, com segurança, e longe dos olhos do governo.

vampent mineruo

Cara o sal foi o dinheiro corrente por milhares de anos e so depois foram inventar o papel moeda, as criptos nao tem nem 10 anos ainda
Sem contar que nao tem internet em todo lugar, ah e cartão de crédito? Tem como fazer com cripto sim.
Cripto moeda e a mesma coisa q dinheiro comum porem sem controle do estado

Rafael F. Silva

Nunca será mais prático que simplesmente passar o cartão de crédito na padaria.

Todas as criptomoedas são difíceis de adquirir, difícil de encontrar quem aceita elas e a transação geralmente é bem mais complexa que os meios tradicionais de pagamentos.

Sempre será mais prático passar seu cartão, ou dinheiro físico do que minerar uma criptomoeda ou ir em uma exchange, comprar a bendita, encontrar um canto na cidade que a aceite, para então realizar o pagamento e sair com seu produto.

vampent mineruo

Por enquanto, essas coisas costumam ficar mais simples com o tempo

Rafael F. Silva

Só não é pratica.

Exibir mais comentários