Início » Brasil » Ceitec, estatal de semicondutores, entra em processo de privatização

Ceitec, estatal de semicondutores, entra em processo de privatização

Decreto de Jair Bolsonaro qualifica Ceitec para privatização; estatal é vinculada ao MCTIC, assim como Correios e Telebras

Felipe Ventura Por

A Ceitec (Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada) entrou oficialmente em processo de privatização: um decreto do presidente Jair Bolsonaro qualificou a estatal para o PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), que irá avaliar parcerias entre a empresa e a iniciativa privada, incluindo sua possível venda. A fabricante de semicondutores está vinculada ao MCTIC (Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações), assim como os Correios e a Telebras.

Ceitec

O decreto de Bolsonaro, publicado no Diário Oficial de quarta-feira (15), coloca a Ceitec no âmbito do PPI “para possibilitar a realização de estudos e a avaliação de alternativas de parceria com a iniciativa privada e propor ganhos de eficiência e resultados para a empresa, com vistas a garantir sua sustentabilidade econômico-financeira”.

Os estudos serão acompanhados por um comitê interministerial coordenado pela Casa Civil. O grupo incluirá representantes do Ministério da Economia e MCTIC; também serão convidados o BNDES e a própria Ceitec. O prazo de conclusão dos trabalhos será de 180 dias, prorrogável por igual período.

No entanto, a privatização deve demorar mais que isso. Martha Seillier, secretária especial do PPI, disse ao G1 que a desestatização da Ceitec, Telebras e Correios só deve ocorrer depois de 2021, devido aos estudos necessários para avaliar o futuro dessas empresas.

Ceitec faz tags RFID e chip para passaportes

A Ceitec, com sede em Porto Alegre (RS), foi criada por decreto presidencial em 2008. Ela atua na área de semicondutores, projetando e produzindo circuitos integrados e tags de identificação por radiofrequência (RFID). Sua fábrica é capaz de fazer dispositivos eletrônicos, ópticos e microfluídicos (envolvendo fluidos em microescala).

A estatal é conhecida pelo e-Passaporte, um chip de 4 x 4 mm que funciona como um minicomputador: ele tem processador e memória para armazenar dados biométricos protegidos por criptografia. A previsão era utilizar essa tecnologia nos passaportes brasileiros a partir de 2018, mas as negociações com o governo federal não avançaram.

e-Passaporte da Ceitec

O faturamento da Ceitec foi de apenas R$ 7 milhões no ano passado. Ela depende principalmente de recursos do Tesouro Nacional para continuar as atividades; a empresa recebeu uma subvenção de R$ 75 milhões em 2017.

Marcos Pontes não se opõe ao processo de privatização da Ceitec, Telebras e Correios, estatais vinculadas ao MCTIC. “Estou muito feliz de que as empresas estejam lá no PPI”, disse o ministro em entrevista ao Correio Braziliense. “Os estudos estão sendo feitos. No final desses estudos, pode ser que eu fale: ‘OK, essa empresa, por alguma razão, é importante ficar no governo'”, ele afirma.

“Quando você faz essa privatização, tem que preservar a utilização pública”, defende Pontes. “A Telebras tem uma importância pública grande em termos de conectar o país. Igual aos Correios, que é a instituição no país, que está em basicamente todas as cidades. Então, preservados esses interesses públicos, eu acho que não tem problema nenhum.”

Com informações: TeleSíntese.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

RODRIGO

Sim, se estiver fazendo a pergunta!

Eduardo Costa

Velho, eu nem ia comentar, mas como vi que vc esta bostejando pelo teclado em todas as postagens sem saber nem o que fala, vamos lá:
1) Não são todas as estatais que dão prejuízo, como sou da área de TI, tenho vários amigos em duas que apesar dos imensos calotes dos Órgãos Públicos Federais (sim, eles não pagam tudo direitinho, pasmem (finja cara de surpresa!), conseguem dar lucro: Serpro e Dataprev;
2) Não são cabide de emprego, os funcionários são concursados, exceto talvez pelos cargos da alta diretoria que são indicados pelo PRESIDENTE e não em troca de nada, como vc quis dar entender. E até isso já está cheio de restrições, vide lei das estatais 13303.
3) "Não dão retorno". Praticamente todos os sistemas que vc usa de âmbito do governo federal NÃO são criados pelos órgaos, sabia disso? Vc acha que o sistema da sua declaração do imposto é feito pelos analistas da Receita, que recebem em média mais de 20 mil reais e tem estabilidade? Não, não é, é por uma grupo de funcionários do Serpro com uma média de 20 anos de carteira assinada, CLT que podem ser cortados a qualquer momento e salário que muitas vezes não chega aos 8 mil (sim, com mestrado, muitos tem doutorado, diversas especializações, etc... vá ver quanto um analista de sistemas com esse tempo de carteira e qualificação fatura no mercado). Ainda posso citar: sistema dos passaportes, detran, SNE, gov.br, e-social, e-cac, INSS, FGTS. Enfim, a maior parte dos sistemas do governo, são feito pelas estatais, os analistas bonitões dos órgaos públicos que ganham absurdamente bem, apenas repassam as atividades cobram e xingam quando não gostam!
Fora que o risco à segurança e privacidade colocar todos os dados dos cidadãos na mão de uma empresa privada, mas ninguém fala isso, né?

Não esta claro. Eu acredito sim, que a empresa não tenha dado lucro mas o aporte do governo pode ser simplesmente uma rodada de investimento nela. Novamente, esse aporte PODE significar que a empresa esta em prejuízo porem isso não é confirmado na reportagem.

RODRIGO

Desburocratização, quebras de monopólios e livre concorrência!!

SmokingSnake

Burrice é vender quando não vale mais nada

RODRIGO

A China é fácil de empreender e possui mais de 45.000 estatais, sabia disso???

RODRIGO

Falou certo!! A China possui mais de 45.000 estatais e nem está à beira da falência!! O povo demoniza estatais, mas não querem protestar em homologar leis que evitem loteamentos indevidos, desvios de recursos e nomeações políticas!! Os cidadãos são muito iludidos com tais privatizações, quem ganha são políticos, caso vendam, ficam com tal verba em nome dos privilégios(não falei corrupção, mas, imoralidades!)!!

RODRIGO

Estes liberais falam em estado mínimo, mas não entendo qual a lógica, por exemplo, dos EUA dever para o mundo e o fundo mais 20 trilhões(acho que é mais, até mesmo 30 trilhões de dólares!!!) de dólares e nem pagando está!! Outra lógica: investe maciçamente mais de centenas de bilhões de dólares em pentágono e semelhantes!! Agora vai tal pergunta: que estado mínimo é este, hein????

mantenho o comentário

faturamento nao é lucro.

Vitor Hugo

porque não havia nenhuma empresa que oferecia esse serviço aqui. e também pq essa empresa foi criada pra avançar as pesquisas e o desenvolvimento nacional na área de semicondutores, além de oferecer produtos estratégicos com tecnologia brasileira pra garantia da soberania nacional, como o chip do boi.

Se tem lucro deixa ai, se nao, venda. Nao ficou claro se teve lucro.

Lairton Gomes

a galera acha que é só imprimir dinheiro que resolve kkkk

Rafael F. Silva

Mesma coisa da Dilma na entrevista sobre estocar vento: Não sabia expressar seus belíssimos pensamentos.

Rafael F. Silva

Dezenas de sobrinhos, cunhados, e amiguinhos de políticos vão perder seus empregos e seus cargos comissionados. Ou seja, depois da privatização vão fazer exatamente o que faziam antes: nada!, e sem dar despesas para o governo.

Exibir mais comentários