Início » Negócios » AliExpress cogita abrir armazém no Brasil para agilizar entregas

AliExpress cogita abrir armazém no Brasil para agilizar entregas

Brasil é quinto maior mercado do AliExpress em volume de negócios; empresa não planeja abrir lojas físicas no país

Felipe Ventura Por

A varejista online AliExpress estuda abrir um centro de distribuição no Brasil para reduzir o tempo de entrega: ela acredita que a logística é um de seus principais desafios no país. No entanto, a empresa avisa que não há planos concretos de abrir lojas físicas por aqui.

AliExpress

Ken Huang, chefe do AliExpress para a América Latina, diz em entrevista ao Estadão: "não há nada confirmado, mas estudamos abrir um centro de distribuição com depósitos alugados, para onde despacharíamos os produtos". O executivo avisa que se trata de algo "a médio prazo".

Para Huang, a logística é um dos principais desafios para o AliExpress no Brasil. Os produtos têm que vir da China, passar pela alfândega e só então serem entregues. "Ainda temos uma diferença grande no tempo de entrega quando comparado a concorrentes locais", ele afirma.

Este ano, o AliExpress lançou no Brasil uma opção de envio chamada Premium Shipping, que promete entrega entre 22 a 28 dias após confirmação do pagamento. Trata-se de uma parceria com a empresa de logística Cainiao, do Alibaba. No entanto, isso precisa ser oferecido pelo vendedor, o que raramente acontece.

AliExpress não pretende abrir lojas físicas no Brasil

O Brasil é o quinto maior mercado do AliExpress em volume de negócios, atrás da China, EUA, Rússia e Espanha. Os clientes no país estão comprando mais eletrônicos, segundo Huang, incluindo celulares e pulseiras conectadas: "estas últimas têm sido muito populares, estão entre as mais vendidas".

Em agosto, o AliExpress inaugurou um showroom em Madri para exibir cerca de mil produtos; as vendas são feitas online. E no Brasil? Aqui, o executivo diz que "não há planos concretos para abrir lojas físicas".

A Ebanx montou uma loja temporária do AliExpress em Curitiba para demonstrar alguns produtos, inclusive celulares da Xiaomi, e tirar o medo das pessoas ao comprar produtos da China pela internet. "Vimos alguma tração, mas não há certeza se foi um sucesso", explica Huang.

A demanda por produtos vindos da China não para de crescer, e algumas varejistas vêm se adaptando. Este ano, a Gearbest ganhou uma seção com produtos enviados a partir de um depósito no Brasil, prometendo entrega em até 5 dias. Por sua vez, a Americanas lançou um serviço que permite importar eletrônicos chineses e parcelar em até 10 vezes.

Com informações: Estadão.

Mais sobre: ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

SignaPoenae
Isso sobre o valor dos produtos e do frete, e se não me engano, ICMS é calculado após os 60% ser jogado em cima do preço do produto.
Keaton
Mesmo se os chineses pagassem metade dos 60%... eles incluiriam no preço final... 🙄
Rodrigo
Me refiro ao consumidor não ao PJ que provavelmente tem taxas diferenciadas e talvez até maracutaia.
Keaton
Nem sempre pega os 60%, ICMS ou PIS/Cofins, mas NUNCA não pega os 15 do correio... hahaha
Diego F. Duarte
Ce acha mesmo q pessoa juridica paga II de 60%? Ce acreditou nessa historia?Alias, vc acha msm q os chineses iriam pagar metade desses impostos?
Jefferson Rodrigues
Pelo que percebi, houve uma queda no número de taxação.
Baidu feat MC Brinquedo
Em alguns estados, como em MG por exemplo, é necessário pagar o ICMS também.E viva a guerra fiscal brasileira!!!
Achei que só tinha a taxa de 60% + 15 do correios. O ICMS e PIS não estão dentro dos 60%?
Trovalds
Então isso aqui não foi adiante, pelo jeito... https://tecnoblog.net/25896...
Drax
Por aí. Nos estados com ICMS passa de 300. Meu amigo importou no começo do ano e deu sorte de não pagar nada. Continua uma loteria
johndoe1981
Segundo alguns comentaristas do Tecnoblog, o consumidor tem sim que pagar esse monte de taxas pra não prejudicar a "indústria/comércio nacional", só porque os impostos aqui são maiores. Se você importar um produto melhor e mais barato estará prejudicando o coitadinho do empresário nacional e causando desemprego bla bla bla.
Rafael Moreira
Na importação de smartphone chinês ainda anda cobrando de 180~200 reais a taxa ?
Rodrigo
O pior mesmo não é nem a entrega e sim a receita federal, consumidor pagar 60% importação, +ICMS + 15 Correios + PIS/COfins.... encarece muito.