Início » Computador » Google diz que atingiu supremacia quântica e superou computador tradicional

Google diz que atingiu supremacia quântica e superou computador tradicional

Pesquisadores do Google resolveram problema em 200 segundos usando computador quântico; PC tradicional levaria 10 mil anos

Felipe Ventura Por
23/10/2019 às 10h17

Pesquisadores do Google publicaram um estudo na revista Nature sobre a "supremacia quântica": eles resolveram um problema matemático em 200 segundos usando um computador quântico, dizendo que isso demoraria 10 mil anos em um supercomputador tradicional. A IBM acredita que a comparação está incorreta, mas cientistas ainda veem isso como um marco importante.

Computadores tradicionais armazenam dados em bits que assumem valores 0 e 1. Por sua vez, a computação quântica é baseada em um princípio chamado "superposição": isso significa que um bit quântico (ou qubit) pode assumir os valores 0 e 1 ao mesmo tempo.

Isso não é exatamente intuitivo, mas é uma das características da física quântica. "O universo opera fundamentalmente em um nível quântico, mas os humanos não o percebem dessa maneira", explica Sundar Pichai, CEO do Google, em comunicado. "Na verdade, muitos princípios da mecânica quântica contradizem diretamente nossas observações superficiais sobre a natureza."

Como os qubits podem armazenar mais informações que bits tradicionais, um computador quântico é capaz de analisar múltiplas soluções para um mesmo problema ao mesmo tempo. Os pesquisadores do Google dizem que essa tecnologia enfim superou um computador tradicional.

O artigo publicado na Nature envolve um computador quântico chamado Sycamore com 53 qubits. Ele levou apenas 200 segundos para executar um cálculo envolvendo a geração de números aleatórios. Os pesquisadores dizem que o supercomputador mais rápido do mundo, o IBM Summit, faria o mesmo em 10 mil anos.

Sycamore, computador quântico do Google

IBM: computador clássico resolveria problema em 2,5 dias

A IBM discorda. A empresa aponta uma falha no artigo: os pesquisadores do Google fizeram uma simulação para estimar que o supercomputador levaria 10 mil anos para resolver o problema, porém consideraram que ele só usaria RAM, não o armazenamento em disco.

Segundo a IBM, o Summit conseguiria chegar à solução em até 2,5 dias; ela diz que isso se trata de uma estimativa pessimista, e o prazo poderia ser menor com refinamentos adicionais.

O Google responde em um comunicado ao New York Times: "nós já nos descolamos da computação clássica e assumimos uma trajetória totalmente diferente; estamos abertos a propostas para melhorar as técnicas de simulação, embora seja crucial testá-las em um supercomputador real, como nós fizemos".

A opinião do criador do termo "supremacia quântica"

John Preskill, que criou o termo "supremacia quântica" em 2012, nota em um artigo que os pesquisadores do Google escolheram um tema muito específico só para demonstrar como um computador quântico poderia ser superior; "não é um problema de muito interesse prático".

Ainda assim, Preskill considera que essa demonstração é importante: "a equipe confirmou que entende o dispositivo e que ele funciona como deveria; agora que sabemos que o hardware está funcionando, podemos começar a busca por aplicações mais úteis".

Hartmut Neven, diretor de engenharia da equipe Google AI Quantum, acredita que a computação quântica poderá ajudar a melhorar a inteligência artificial e o aprendizado de máquina. Ela também poderia resolver problemas como "projetar baterias melhores, descobrir quais moléculas poderiam produzir remédios eficazes, ou minimizar as emissões da criação de fertilizantes".

Participe das conversas do Tecnoblog

Leia o post inteiro antes de comentar
e seja legal com seus amiguinhos.

Carregar Comentários Conheça nossa política de comentários.