Início » Brasil » Polícia do Rio faz operação contra motoristas de aplicativo com contas falsas

Polícia do Rio faz operação contra motoristas de aplicativo com contas falsas

Segundo a Polícia Civil do Rio de Janeiro, dois motoristas foram presos em flagrante por falsidade ideológica

Victor Hugo Silva Por

Os motoristas de aplicativos como Uber e 99 que usam contas falsas para conseguir corridas se tornaram alvos da Polícia Civil do Rio de Janeiro. Uma operação realizada na manhã desta segunda-feira (4) levou à prisão de dois motoristas no Aeroporto do Galeão.

Uber

A Polícia Civil afirma que eles praticaram o crime de falsidade ideológica, ou seja, usaram a identificação de terceiros de forma deliberada para conseguir ganhos financeiros e outros benefícios. De acordo com o órgão, a operação teve início em julho.

Com a ajuda dos serviços de transporte por aplicativo, que forneceram informações das contas suspeitas, a investigação chegou a 10 perfis falsos. Ao confirmar que mais motoristas estavam cometendo o crime, a Polícia realizou a ação desta segunda.

Os agentes interditaram algumas entradas do aeroporto e revistaram mais de 100 motoristas e veículos. O procedimento terminou com as duas pessoas presas em flagrante, além de outras duas conduzidas à delegacia para prestarem esclarecimentos por contarem com antecedentes criminais graves. As empresas foram informadas sobre o fato.

O uso de contas falsas é um dos problemas com que as plataformas devem lidar para garantir segurança aos usuários. A Uber, por exemplo, iniciou uma campanha para para destacar alguns recursos criados com esse objetivo.

Por meio de vídeos vídeos nas redes sociais, a empresa quer destacar funcionalidades pouco conhecidas que podem ser úteis para passageiros e motoristas, como compartilhamento de trajeto em tempo real com uma pessoa de confiança.

Ao Tecnoblog, a Uber afirmou que todos os seus motoristas parceiros passam por uma checagem de antecedentes criminais antes de começarem a dirigir pela plataforma. “Esse processo acontece nos termos da lei e é realizado por empresa especializada”, afirma a Uber. “A empresa também realiza rechecagens periódicas dos motoristas já aprovados pelo menos uma vez a cada 12 meses”.

“A Uber possui um contrato em âmbito nacional com o Serpro, que verifica informações da CNH e do CRLV dos motoristas interessados em trabalhar no aplicativo, com a autorização do Denatran”, continua. ” A empresa está colaborando com as autoridades no curso das investigações, observando a legislação brasileira aplicável”.

Atualizado às 10h45 de terça-feira (5) com a nota da Uber.

Com informações: Polícia Civil.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Rafael Bertolini

Regulação de mercado é uma coisa, combate a crime é outra

José Vieira

valeu gênio... rs...

Natthan Fruche Terzi

Programo sim, enfim, não faz sentido o que você escreveu, boa tarde.

José Vieira

quanto a empresa é simples, procure outra pra lhe prestar serviços. Sobre os hackers, rs... tu já escreveu uma linha de código de qualquer programinha, por mais bobo que seja? rs... estudar e aprender, a menos que sejas um gênio...

DÁ TRABALHO PRA CACETE!

Natthan Fruche Terzi

Se a empresa se empenhasse mais fizesse o sistema de cadastro mais eficiente, o estado não precisaria estar gastando o dinheiro público para isso, o exemplo que deu sobre hackers é uma analogia totalmente equivocada quanto ao tema que levantei, hackers gastam horas unicamente com o intuito de levar vantagem roubando e cometendo crimes, agora um cara que já ta fodido na vida, desempregado, dirige 8 horas por dia e entrega o serviço de transporte a que foi contratado, merece ser preso por isso... Acho totalmente fora de proporção, nesse país é assim, uma mãe pobre rouba uma bolacha no mercado pra dar pro filho vai presa sem dó, um político ricaço por exemplo, rouba o país inteiro e fica solto.

johndoe1981

Tava na hora já de fazer esse limpa pra ver
se elimina esses motoristas inescrupulosos da plataforma. O Uber ainda faz um esforço pra aumentar a segurança do serviço, eu fico receoso é quanto ao 99, parece que não estão aí.

José Vieira

Pela ordem:

O trabalho de impedir ou prender as pessoas que cometem crime é monopólio estatal;

Pelo que vejo, o seu conceito de trabalho é relativo: "prender alguém que está trabalhando"; oi? rs... Hackers tem um trabalho do cacete desenvolvendo ferramentas, scripts e técnicas para roubar bancos; eles não devem ser presos?

Só pra constar: uma sociedade baseada na desconfiança está fadada ao fracasso.

🧙‍♂️ Mago Erudito® ᴾᴿᴱᴹᴵᵁᴹ

Até esses apps de relacionamento tem reconhecimento facial e a Uber que coloca pessoas estranhas para transportar seus clientes ainda não implementou isso, pq?

ps.: foi um amigo de um amigo que me contou sobre essa tecnologia de reconhecimento facial.

Uriel Dos Santos Souza
O mercado se auto regula! Pra que estado!
Uriel Dos Santos Souza

O mercado se auto regula! Pra que estado!

José Vieira
O brasileiro é um caso sério, rs... é uma espécia de e(in)volução (sobre)natural da espécie humana, rs... o Homo Corruptus.
José Vieira

O brasileiro é um caso sério, rs... é uma espécia de e(in)volução (sobre)natural da espécie humana, rs... o Homo Corruptus.

Natthan Fruche Terzi

A empresa não faz o trabalho dela bem feito de verificação, e agora dinheiro publico é gasto com ação policial, sem contar que prender uma pessoa que está trabalhando também é demais, por mais que seja errado usar o perfil falso, esses tais "ganhos financeiros" não vieram do cara sentado no sofá, poderiam banir sei la... criar um sistema de login com foto, toda vez que o motorista entrar no aplicativo, ser obrigado a mandar uma selfie para a empresa.

Geraldo Lopes

Demorô... até que enfim estão tirando do mercado motoristas picaretas.