Início » Aplicativos e Software » Apple proíbe apps de iPhone relacionados a cigarros eletrônicos

Apple proíbe apps de iPhone relacionados a cigarros eletrônicos

Crise de saúde pública levou Apple a excluir aplicativos de cigarro eletrônico e vaping da App Store

Paulo Higa Por
15/11/2019 às 13h21

O cigarro eletrônico está no centro das polêmicas no mundo todo — e ocupou o noticiário especialmente nos Estados Unidos, onde foram registradas mortes e internações em estado grave devido a problemas pulmonares. Em resposta, a Apple decidiu remover todos os aplicativos relacionados a cigarros eletrônicos e vaping da App Store.

Cigarro eletrônico (Foto: Pixabay)

A medida da Apple é, na verdade, um endurecimento de regras que já existiam. Nunca foi permitido vender cartuchos para vaping ou refis de cigarro eletrônico por meio de aplicativos disponíveis na App Store, por exemplo. Além disso, desde junho de 2019, novos aplicativos relacionados ao vaping deixaram de ser aceitos na loja para iPhones e iPads.

A Apple foi além nesta sexta-feira (15), quando removeu 181 aplicativos já publicados na App Store. Eles permitiam, por exemplo, controlar a temperatura ou a iluminação de dispositivos de vaping. Quem já possui os aplicativos banidos permanecerá com eles no aparelho, mas novos usuários não poderão mais encontrá-los na busca.

A empresa diz que toma um “grande cuidado em manter a App Store um local confiável para os consumidores, principalmente os jovens, fazerem download de aplicativos”. A decisão foi tomada após “especialistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças à American Heart Association atribuírem uma variedade de lesões e fatalidades nos pulmões a produtos de vaping e cigarro eletrônico, chegando a chamar de crise de saúde pública e epidemia entre jovens a disseminação desses dispositivos”.

No Brasil, dispositivos eletrônicos para fumar são proibidos desde 2009, de acordo com uma resolução da Anvisa. Infrações implicam sanções previstas na lei 6.437, de 20 de agosto de 1977, que obriga advertência, multa, apreensão, inutilização, interdição de produto e proibição de propaganda.

Com informações: Axios.